MAQUIAVEL E A FENOMENOLOGIA DAS CONJURAÇÕES: APONTAMENTOS DE LEITURAS E HIPÓTESES INTERPRETATIVAS

Autores

  • Alessandro Campi Università degli Studi di Perugia

DOI:

https://doi.org/10.13102/ideac.v1i43.7225

Resumo

O tema das conspirações é frequentemente utilizado nos trabalhos de Maquiavel. Para isso, aliás, ele dedicou um dos seus mais famosos capítulos dos Discursos (III, 6). Não obstante, histórias de intriga e conspiração perpassam as histórias do Florentino, como em seus “escritos da chancelaria diplomática”. Observando a literatura predominante, “tem-se falado de maneira inapropriada sobre conspirações políticas e maquinações em O Príncipe (XIX) e nos textos histórico-políticos. Diferente de outros autores clássicos, a partir de Sallustio, Maquiavel não se limitou a descrever conspirações. Por meio de uma forma muito peculiar de enfrentamento, Maquiavel construiu uma verdadeira teoria ou fenomenologia, de um modo jamais alcançado por outros pensadores. Ele classificou as conspirações, identificadas em suas diversas variações históricas, desvelando-as em sua dimensão técnico-operacional, ilustrando as fases e os métodos de desenvolvimento, as motivações ideais, as justificativas materiais e as matrizes sociológicas. Além disso, ele apresentou uma chave da interpretação eminentemente histórica e política. Isso precisa ser salientado porque, durante muito tempo, essas interpretações limitaram-se às motivações psicológicas dos conspiradores

Referências

BENTO, António (2013), “Das Conjuras. Análise de um Capítulo de Discursos Sobre a Primeira Década de Tito Livio”, Res Publica (Porto), n. 13, pp. 63-78.

CAMPI, Alessandro (2014), “Iconografia”, Enciclopedia Machiavelliana, Roma: Istituto della Enciclopedia Italiana, vol. II, pp. 744-751.

CAMPI, Alessandro (2016a), Congiura o complotto? Una distinzione analiticamente e storiograficamente necessaria, in Alessandro Campi, Leonardo Varasano (eds.), Congiure e complotti. Da Machiavelli a Beppe Grillo, Soveria Mannelli: Rubbettino, pp. 21-36.

CAMPI, Alessandro (2016b), Una fonte machiavelliana in materia di cospirazioni e trame segrete: Erodoto e la congiura dei sette contro il falso Smerdi, in Alessandro Campi, Leonardo Varasano (eds.), Congiure e complotti. Da Machiavelli a Beppe Grillo, Soveria Mannelli: Rubbettino, pp. 101-128.

CAMPI, Alessandro (2018), Machiavelli and Political Conspiracies. The Struggle for Power in the Italian Renaissance, London-New York: Routledge.

CAMPI, Alessandro (2019), “A (false) portrait of Machiavelli and the origins of iconographic anti-Machiavellism: genesis, fortunes, and propagation of ‘La Testina’”, History of Political Ideas, DOI: 10.1080/01916599.2018.1559751.

DE MATTEI, Rodolfo (1969), Dal premachiavellismo all’antimachiavellismo, Sansoni: Firenze.

FASANO GUARINI, Elena (1996), Congiure «contro alla patria» e congiure «contro ad uno principe» nell’opera di Niccolò Machiavelli, in Yves-Marie Bercé, Elena Fasano Guarini (eds.), Complots et conjurations dans l’Europe moderne, Roma: École française de Rome, pp. 9-53.

GILBERT, Felix (1970), Machiavelli e Guicciardini, Torino: Einaudi.

MACHIAVELLI, Niccolò (2014), Sulle congiure, Note, commento e introduzione di Alessandro Campi, Soveria Mannelli. Rubbettino.

POLANSKY, David, Schillinger, Daniel, “With Steel or Poison: Machiavelli on Conspiracy”, Interpretation. A Journal of Political Philosophy, Vol. 45, pp.67-86.

RIDOLFI, Roberto (1978), Vita di Niccolò Machiavelli, Firenze: Sansoni.

STRAUSS, Leo (1958) Thoughts on Machiavelli, Glencoe: The Free Press.

Downloads

Publicado

2021-06-13

Edição

Seção

Dossiê