MORTALIDADE POR ACIDENTES DE TRABALHO NA BAHIA, 1997-2009

Ionara Magalhães de Souza, Daiene Rosa Gomes, Carla de Oliveira Brito

Resumo


O elevado número de óbitos por acidentes de trabalho apresenta fatores associados ao sofrimento humano e custos sociais incalculáveis, gerando forte impacto na saúde pública. O objetivo desse estudo foi descrever o comportamento temporal das taxas de mortalidade por acidente de trabalho, na Bahia, entre 1997 e 2009. Trata-se de um estudo descritivo do tipo ecológico, utilizando o desenho de série temporal, baseado em registros de óbitos por acidentes de trabalho disponíveis no Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde – DATASUS. Realizou-se análise descritiva dos coeficientes de mortalidade por acidentes de trabalho, segundo o sexo, durante o referido período, estabelecendo-se um comparativo com os dados nacionais. Utilizou-se estatística descritiva para apresentar a evolução temporal das taxas através do software Excel, versão 5.0. Os resultados evidenciaram uma redução histórica expressiva dos óbitos por acidentes de trabalho. Constatou-se tendência decrescente também no Brasil e maior predominância de óbitos por acidentes de trabalho entre o sexo masculino. Pôde-se concluir que, apesar da evolução histórica decrescente, a elevada ocorrência de acidentes fatais relacionados ao trabalho é preocupante e demandam maior efetividade das políticas públicas voltadas para a promoção, proteção da saúde e segurança dos trabalhadores, além de melhoria na qualidade dos sistemas de informação.


Palavras-chave


Saúde do trabalhador; Acidentes de Trabalho; Mortalidade por Acidentes de Trabalho

Texto completo:

PDF

Referências


Fernandes AP, Januário JN, Cangussu CB, de Macedo DL, Viana MB. Mortality of children with sickle cell disease: a population study. J Pediatr. (Rio J) 2010; 86(4): 279-284.

Jerenette C, Funk M, Murdaugh C. Sickle cell disease: a stigmatizing condition that may lead to depression. Issues Ment Health Nurs. 2005; 26 (10):1081-101.

Guimaraes TMR, Miranda WL, Tavares MMF. O cotidiano das famílias de crianças e adolescentes portadores de anemia falciforme. Rev. Bras. Hematol. Hemoter. 2009; 31 (1): 9-14.

Martins, PRJ; Moraes-souza H, Silveira TB. Morbimortalidade em doença falciforme. Rev. Bras. Hematol. Hemoter. 2010; 32 (5): 378-383.

Cancado RD, Jesus JA. A doença falciforme no Brasil. Rev. Bras. Hematol. Hemoter. 2007; 29 (3): 204-206.

Galiza Neto GC, Pitombeira MS. Aspectos moleculares da anemia falciforme. J Bras Patol. Med. Lab. 2003; 39 (1):51-6.

Benton TD, Ifeagwu JA, Smith-Whitley K. Anxiety and depression in children and adolescents with sickle cell disease. Curr Psychiatry Rep. 2007; 9(2):114-21.

Brunetta DM et al. Manejo das complicações agudas da doença falciforme. Medicina (Ribeirão Preto) 2010; 43(3): 231-7.

Naoum PC, Naoum FA. Biologia social da doença falciforme. In: Naoum PC, Naoum FA. Doença das células falciformes. São Paulo: Sarvier, 2004; 188-90.

Hamann EM et al. In: Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Políticas de Saúde. Manual de doenças mais importantes, por razões étnicas, na população brasileira afro-descendente. Brasília: Ministério da Saúde, p. 9, 2001.

Roberti MRF et al. Avaliação da qualidade de vida em portadores de doença falciforme do Hospital das Clínicas de Goiás, Brasil. Rev. Bras. Hematol. Hemoter. 2010; (32)6: 449-454.

Naoum PC. Sickle cell disease: from the beginning until it was Recognized as a public health disease. Rev. Bras. Hematol. Hemoter. 2011; 33(1):7-9.

Loureiro MM, Rozenfeld S, Portugal RD. Acute clinical events in patients with sickle cell disease: epidemiology and treatment. Rev. Bras. Hematol. Hemoter. 2008, 30(2): 95-100.

Ramalho AS, Magna LA. Aconselhamento genético do paciente com doença falciforme. Rev. Bras. Hematol. Hemoter. 2007; 29(3): 229-232.

Brasil. Ministério da Saúde. Indicadores do Programa Nacional de Triagem Neonatal. Brasília: Ministério da Saúde; 2008.

Rodrigues CCM, Araujo IEM; Melo LL. A família da criança com doença falciforme e a equipe enfermagem: revisão crítica. Rev. Bras. Hematol. Hemoter. 2010; 32(3): 257-264.

Botler J, Camacho LAB, Cruz MM, George P. Triagem neonatal - o desafio de uma cobertura universal e efetiva. Ciência & Saúde Coletiva, 2010; 15(2): 493-508.

Meirelles Ricardo MR. Triagem Neonatal: ficção ou realidade? Arq Bras Endocrinol Meta; 2000, 44(2).

Strauss AL. Chronic Illness and the Quality of life. 1984. St Louis: Mosby.

Zago M. Considerações gerais sobre as doenças falciformes. In: Manual de Diagnóstico e Tratamento das Doenças Falciformes (Agência Nacional de Vigilância Sanitária, org.), 2002; 9-11, Brasília: Ministério da Saúde.




DOI: http://dx.doi.org/10.13102/rscdauefs.v5i1.1004

Apontamentos

  • Não há apontamentos.