DISCURSOS DE TRABALHADORES DA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA SOBRE O SUS

Thereza Christina Bahia Coelho, Tânia Maria de Araújo, Tatiane Santos Couto de Almeida, Elaine Andrade Leal Silva, Deisy Vital dos Santos

Resumo


O Sistema Único de Saúde (SUS) pode ser entendido como arena semântica e política que articula práticas hegemônicas e contra-hegemônicas. Este artigo objetivou identificar e analisar discursos sobre o que é o SUS, nas falas de 51 trabalhadores de 12 unidades da Estratégia Saúde da Família de dois municípios. Foram identificados cinco discursos: Bonito na Teoria; Melhor Plano de Saúde; SUS Necessário, mas Imaturo; SUS para Pobres; e Je-SUS. Os discursos se apresentaram puros ou entrelaçados. O Discurso Bonito na Teoria ou Bonito no Papel, contrapunha teoria à prática, como momentos conflitantes e não complementares, mostrando-se variação do mesmo discurso difundido na mídia como: Na Teoria, a Prática é outra. Antagônico às lutas anti-autoritárias que consagraram a Reforma Sanitária como construção libertária esse discurso revelou a necessidade de se desconstruir argumentos ideológicos que contradizem as práticas dos trabalhadores do SUS.


Palavras-chave


Sistemas de Saúde; Análise de Discurso; Saúde da Família; Trabalhadores de Saúde

Texto completo:

PDF

Referências


Teixeira CF, Souza LEPF, Paim JS. Sistema Único de Saúde (SUS): a difícil construção de um sistema universal na sociedade brasileira. In: Paim JS, Almeida-Filho N, organizadores. Saúde coletiva: teoria e prática. 1a ed. Rio de Janeiro: Medbook; 2014. p. 121-138.

Souza GCA, Costa ICC. O SUS nos seus 20 anos: reflexões num contexto de mudanças. Saude Soc. 2010; 19(3):509-517.

Santos-Filho SB. Apoio institucional e análise do trabalho em saúde: dimensões avaliativas e experiências no Sistema Único de Saúde (SUS). Interface (Botucatu). 2014; 18 (Supl.1):1013-25.

Paim JS. Políticas de Descentralização e Atenção Primária à Saúde. In: Rouquayrol, MZ, Almeida-Filho N, organizadores. Epidemiologia e Saúde. 5a ed. Rio de Janeiro: Medsi; 1999. p. 489-503.

Müller Neto JS, Artmann E. Discursos sobre o papel e a representatividade de conferências municipais de saúde. Cad. Saúde Pública. 2014; 30(1):68-78.

Fairclough N, Mulderrig J, Wodak R. Critical Discourse Analysis. In: Van-Dijk, TA. Discourse studies: a multidisciplinary introduction. 2and. London: Sage; 2011. p. 357-378.

Van-Dijk TA. Critical Discourse Analysis. In: Schfrin D, Tannen D, Hamilton HE, editors. The handbook of Discourse Analysis. 1and. Oxford: Blackwell; 2001.

Foucault M. A ordem do discurso. 4a ed. São Paulo: Loyola; 1996.

Howarth D. Discourse. 1and. Buckingham: Open University Press; 2000.

Laclau E, Mouffe C. Hegemony and socialist strategy. 2and. London: Verso; 2001.

Pêcheux M. Delimitações, inversões, deslocamentos. Cad. Est. Ling. 1990; 19:7-24.

Althusser l. On ideology. 1and. London: Verso; 2008.

Eagleton, T. Ideology: an Introduction. 2and. London: Verso; 2007.

Zizek S. Introdução: o espectro da ideologia. In: Zizek S, organizador. Um mapa da Ideologia. 1a ed. Rio de Janeiro: Contraponto; 1996.

Ricouer P. Tempo e narrativa. Tomo III. 1a ed. Campinas:Papirus; 1997.

Paim JS. O que é o SUS. 1a ed. Rio de Janeiro: FIOCRUZ; 2009.

Coelho TCB. O Processo político de gestão em uma Instituição hipercomplexa do Sistema Único de Saúde [Tese]. Salvador (BA): Universidade Federal da Bahia; 2001.

Simon, R. Introdução à Psicanálise: Melanie Klein. São Paulo: EPU; 1986.

Freud S. O Chiste e sua relação com o inconsciente. 1ª ed. Rio de Janeiro: Imago Editora; 1976.

Bourdieu, P. Razones prácticas: sobre la teoría de La acción. 1a Ed. Anagrama: Barcelona; 1997.

Weber M. A Ética protestante e o “espírito” do capitalismo. Ed. Antônio Flávio Pierucci. São Paulo: Companhia das Letras; 2004.

Foucault M. Microfísica do poder. 1a ed. Rio de Janeiro: Graal; 1979.

Machado R, Loureiro A, Luz A, Muricy K. Danação da norma: medicina social e constituição da psiquiatria no Brasil. 1a ed. Rio de Janeiro: Graal, 1978.

Marx K, Engels F. A Ideologia alemã. 1a ed. São Paulo: Boitempo, 2007.

Beting J. Na prática a teoria é outra: os fatos e as versões da economia. São Paulo: Impress; 1973.

Scavenius M, Val Hulsel L, Mejer J, Gurgel R. In practice, the theory is different: a processual analysis of breastfeeding in northeast Brazil. Soc Sci Med. 2007 64(3):676-88.

Guerra Y. No que se sustenta a falácia de que “na prática a teoria é outra?”. In: Anais do 2º; 2005; Cascavel, Paraná. Seminário Nacional Estado e Políticas Sociais no Brasil; 2005. Cascavel: Universidade estadual do Oeste do Paraná; 2005. p. 1-9 [acesso 13 jul 2015]. Disponível em: http://cac-php.unioeste.br/projetos/gpps/midia/seminario2/trabalhos/servico_social/mss20.pdf.

Habermas J. Teoria do agir comunicativo. 1a ed. São Paulo: Martins Fontes; 2012.

Chauí M. Cultura e democracia: o discurso competente e outras falas. 13a ed. São Paulo: Cortez; 2011.

Barroso LR, Barcelllos, AP. O Começo da História. A Nova Interpretação Constitucional e o Papel dos Princípios no Direito Brasileiro. Revista da EMERJ. 2003; 6(23):25-65.




DOI: http://dx.doi.org/10.13102/rscdauefs.v5i1.1006

Apontamentos

  • Não há apontamentos.