CATADORES DE LIXO DO CONJUNTO HABITACIONAL FEIRA VI: CONDIÇÕES SOCIOECONÔMICAS E RISCOS À SAÚDE

Marcelo Torres Peixoto, Milena Reis Santos de Oliveira, Karine Grilo Rosa, Dalva de Andrade Monteiro, Rosely Cabral de Carvalho

Resumo


Os resíduos sólidos são materiais heterogêneos resultantes das atividades humanas e da natureza, os quais podem ser parcialmente reaproveitados. No Brasil, a partir do processo de reciclagem, surge uma nova categoria profissional: os catadores de lixo. O objetivo deste trabalho é descrever o perfil socioeconômico, as condições de moradia e as principais doenças e riscos à saúde a que estão expostos os catadores de lixo que trabalham no Conjunto Habitacional Feira VI, Feira de Santana-BA. Trata-se de um estudo descritivo com dados obtidos através da aplicação de um formulário específico sobre as condições de trabalho, contendo o SRQ-20, e da observação direta dos catadores e sua moradia. Foram entrevistados oito profissionais, sendo seis mulheres. A maioria (7) possuía apenas o ensino fundamental incompleto e os resíduos sólidos eram armazenados nas moradias em sete casos. Metade dos catadores estava doente no dia da entrevista (diarréias, parasitoses e dermatites) e a totalidade das mulheres apresentava algum grau de sofrimento mental. Os indicadores diretos e indiretos construídos a partir deste trabalho subsidiaram a elaboração de um programa de atenção integral às necessidades de saúde dos catadores e reforçam a necessidade de políticas públicas voltadas para a saúde desta categoria profissional.


Palavras-chave


Resíduos Sólidos; Saúde do Trabalhador; Reciclagem; Sofrimento Mental

Texto completo:

PDF

Referências


Brasil. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE. Pesquisa Nacional por Amostras de Domicílio (PNAD). Brasília: IBGE, 2002.

Brasil. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE. Pesquisa Nacional de Saneamento Básico, 2000. Brasília: Diretoria de Pesquisas, Departamento de População e Indicadores Sociais, 2002. 397p.

Ferreira JÁ, Anjos LA. Aspectos de saúde coletiva e ocupacional associados à gestão dos resíduos sólidos municipais. Cad. Saúde Pública 2001; 17(3): 689-696.

Brasil. Lei nº 12.305, de 2 de Agosto de 2010. Estabelece a Política Nacional dos Resíduos Sólidos. Brasília: Imprensa Nacional, 2010.

Almeida JR et al. Efeito da idade sobre a qualidade de vida e saúde dos catadores de materiais recicláveis de uma associação em Governador Valadares, Minas Gerais, Brasil. Ciênc. Saúde Coletiva 2009; 14(6): 2169-2180.

Fossa MIT, Saad DS. As representações sociais construídas pelos catadores de materiais recicláveis. Anais do XXVI ENEGEP, Fortaleza, 2006.

Pereira MG. Epidemiologia: teoria e pratica. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 1995.

Peixoto MT et al. Práticas de Integração Ensino, Serviço e Comunidade I: manual do aluno. Feira de Santana: NUEG/UEFS; 2008.

Gonçalves D, Stein AT, Kapczinski F. Avaliação de desempenho do Self-Reporting Questionnaire como instrumento de rastreamento psiquiátrico: um estudo comparativo com o Structured Clinical Interview for DSM-IV-TR. Cad. Saúde Pública 2008; 24(2); 380-390.

Bardin L. Análise de Conteúdo. 4 ed. Rio de Janeiro: Edições 70; 2008.

Oliveira DAM. Percepção de riscos ocupacionais em catadores de materiais recicláveis: Estudo em uma Cooperativa em Salvador-Bahia. Salvador, 2011. Dissertação de Mestrado Universidade Federal da Bahia. Faculdade de Medicina da Bahia. 174 p.

Porto M. et al. Lixo, trabalho e saúde: um estudo de caso em um aterro metropolitano do Rio de Janeiro, Brasil. Cad. Saúde Pública 2004; 20(6); 1503-1514.

Siqueira MM, Moraes MS. Saúde Coletiva, resíduos sólidos urbanos e os catadores de lixo. Ciênc. Saúde Coletiva 2009; 14(6); 2115-2122.




DOI: http://dx.doi.org/10.13102/rscdauefs.v5i1.1009

Apontamentos

  • Não há apontamentos.