INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO DA INCAPACIDADE E FUNCIONALIDADE DE TRABALHADORES COM DISTÚRBIOS MUSCULOESQUELÉTICOS RELACIONADOS AO TRABALHO: ANÁLISE DAS PROPOSTAS EXISTENTES

Francesca Brito Magalhães, Mônica Angelim Gomes Lima, Ana Clarissa Lopes Silva, Lauro Antônio Porto, Katia Costa-Black, Tânia Maria Araújo, Andrea Garboggini Melo Andrade, Rita de Cássia Peralta Carvalho, Robson Fonseca Neves

Resumo


Trata-se de uma revisão da literatura sobre instrumentos de avaliação de incapacidade e funcionalidade de trabalhadores com Distúrbios Musculoesqueléticos (DME) com vista ao retorno ao trabalho em uma perspectiva biopsicossocial. Abrange o período de dez anos, com levantamento bibliográfico nas bases de dados do Pubmed, Scopus, Psycoinfo, CINAHL, utilizando palavras-chaves relacionadas a protocolos de avaliação de incapacidade e funcionalidade para trabalhadores com DME. Apenas oito artigos abordavam o tema de interesse. Os artigos foram analisados nas dimensões biomédica, psicossocial e relacionada ao trabalho. Foram identificados 23 instrumentos para avaliação de incapacidade. Dentre os instrumentos com itens em mais de uma dimensão, foram encontrados seis que incorporaram as dimensões biomédica e psicossocial, três com itens de todas as dimensões e apenas um instrumento com itens das dimensões psicossocial e relacionada ao trabalho. Essa revisão mostra que são escassos os relatos sobre a existência e uso de instrumentos validados que tratem das dimensões biomédica, psicossocial e relacionada ao trabalho.  Os instrumentos que utilizam uma abordagem compreensiva incluindo entrevista em profundidade e instrumentos validados podem ser um facilitador para o levantamento das demandas biopsicossociais do trabalhador doente.


Palavras-chave


Reabilitação; Distúrbios musculoesqueléticos; Retorno ao trabalho; Saúde do Trabalhador; Revisão de literatura

Texto completo:

PDF

Referências


REFERÊNCIAS

Bruno WP. Opinião: trabalhar, sim! Adoecer, não!. Disponível em: . Acesso em: 08 nov. 2009.

Hagberg M, Silversteins, B, Wells R, Smith MJ, Hendrick Hw, Carayon P, Pérusse M. Work Related Musculoskeletal Disorders (WMSDs): a reference book for prevention. London: Taylor & Francis; 1995.

Loisel P, Durand MJ, Berthelette D, Vézina N, Baril R, Gagnon D, Lariviere C, Tremblay C. Disability prevention: new paradigm for the management of occupational back pain. Manage Health Outcomes. 2001; 9 (7): 350-60.

OMS – Organização Mundial de Saúde / OPAS – Organização Panamericana de Saúde. Classificação Internacional de Funcionalidade e Incapacidade e Saúde, CIF. São Paulo: EDUSP; 2003.

Waddell G. Preventing incapacity in people with musculoskeletal disorders. British Medical Bulletin. 2006; 77 -78 (1): 55-69.

Bültmann U, Sherson D, Olsen J, Hansen CL, Lund T, Kilsgaard J. Coordinated and Tailored Work Rehabilitation: A Randomized Controlled Trial with Economic Evaluation Undertaken with Workers on Sick Leave Due to Musculoskeletal Disorders. Journal of Occupational Rehabilitation. 2009 jan; 19 (1): 81-93.

Van Duijn M, Lotters F, Burdorf A. Influence of Modified Work on Return to Work for Employees on Sick Leave Due to Musculoskeletal Complaints. Journal of Rehabilitation Medicine. 2005 May; 37(3): 172-9..

Lima MAG, Neves RF, Tironi MOS, Nascimento AMDN, Magalhães FB. Avaliação da funcionalidade dos trabalhadores com LER/DORT: a construção do Core Set da CIF para LER/DORT. Acta Fisiátrica. 2008 Dec; 15(4): 229-35.

Marhold C, Linton SJ, Melin L. Identification of Obstacles for Chronic Pain Patients to Return to Work: Evaluation of a Questionnaire. Journal of Occupational Rehabilitation. 2002 Jun; 12(2): 65-75.

Durand MJ, Loisel P, Hong QN, Charpentier N. Helping Clinicians in Work Disability Prevention: The work disability diagnosis interview. Journal of Occupational Rehabilitation. 2002 Sep; 12(3): 191-204

Duijn M, Lotters F, Burdorf A. Interrelationships between pain, disability, general health, and quality of life and associations with work-related and individual factors: a study among workers on sickness absence for 2 to 6 weeks for musculoskeletal complaints. Spine. 2004 Oct; 29 (19): 2178-83.

Lotters F, Hogg-Johnson S, Burdorf A. Health Status, Its Perceptions, and Effect on Return to Work and Recurrent Sick Leave. Spine. 2005 May; 30 (9): 1086-92.

Strong J. Patients’ Adaptive Experiences of Returning to Work following Musculoskeletal Disorders: A mixed design study. Journal of Hand Therapy. 2005 Oct/Dec; 18(4): 437-45.

Marois E, Durand MJ. Does participation in interdisciplinary work rehabilitation programme influence return to work obstacles and predictive factors? Disability and Rehabilitation. 2009; 31(12): 994–1007.

Vermeulen SJ, Anema JR, Schellart AJM, Mechelen WV, Beek AJVD. Intervention mapping for development of a participatory return-to-work intervention for temporary agency workers and unemployed workers sick-listed due to musculoskeletal disorders. BMC Public Health. 2009 Jul; 9 (216): 1-15. Disponível em: . Acesso em: 22 maio 2016

Marhold C, Linton S. J, Melin L. Identification of Obstacles for Chronic Pain Patients to Return to Work: Evaluation of a Questionnaire. Journal of Occupational Rehabilitation. Netherlands, 2002 jun; 12(2): 65-75.

Diniz D, Squinca F,Medeiros M. Reflexões sobre a versão em Português da Classificação Internacional de Funcionalidade, Incapacidade e Saúde. Cadernos de Saúde Pública. 2007 out; 23(10): 2507-10.

Souza, J. M.; Carneiro, R. Universalismo e focalização na política de atenção à pessoa com deficiência. Saúde Sociedade. 2007 Set/Dez; 16(3): 69-84.

Yeng LT, Teixeira MJ, Romano MA, Picarelli H, Settimi MM, Greve JMD. Distúrbios ósteo-musculares relacionados ao trabalho. Revista de Medicina da FMUSP. 2001; 80(Esp. ): 422-42.

Boot CRL• Monique Heijmans M, Joost W. J. van der Gulden JWJG, Rijken M. The role of illness perceptions in labor participation of the chronically ill. International Archives of Occupational and Environmental Health. 2008 Oct; 82(1): 13-20.

Seligmann-Silva E. Da psicopatologia à psicodinâmica no trabalho. In: Mendes R. (Org.). Patologia do trabalho. Rio de Janeiro: Atheneu; 1995. P. 287-310.

Sampaio RF, Silveira AM , Viana SO, Oliveira GBA , Frade F. Implantação de serviço de reabilitação profissional: a experiência da UFMG. Fisioterapia e Pesquisa. 2005; 12(2): 28-34.

Watanabe M. A reabilitação é possível: um estudo de caso de uma empresa de economia. [Dissertação]. Campinas: Universidade Estadual de Campinas, 2004.

Gravina MER, Nogueira DP, Rocha LE. Reabilitação profissional em um banco: facilitadores e dificultadores no retorno ao trabalho. Revista de Terapia Ocupacional da Universidade de São Paulo. 2003 set/dez; 14(1): 19-26.

Kopec JA, Sayre EC, Esdaile JM. Predictors of back pain in a general population cohort. Spine. 2004 jan; 1(29): 70-7.

Maeno M, Takahashi MAC, Lima MAG. Reabilitação profissional como política de inclusão social. Acta Fisiátrica. 2009 jun; 16(2): 53-8.

Loisel P. Pshychosocial Semiotics: the specific paradigm of work rehabilitation. Cognitio: Revista de Filosofia. 2007 jan/jul; 4(1): 20-4.




DOI: http://dx.doi.org/10.13102/rscdauefs.v6i1.1081

Apontamentos

  • Não há apontamentos.