PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DOS CASOS DE HANSENÍASE DE UMA UNIDADE DE SAÚDE

Joice Preira de Melo, Marilúcia Mota de Moraes, Nadja Romeiro dos Santos, Tatiane da Silva Santos

Resumo


Objetivo: Analisar o perfil epidemiológico de casos confirmados de hanseníase em uma unidade de referencia de Maceió-AL, no período de 2010 a 2014. Método: Estudo do tipo descritivo, bibliográfico e retrospectivo de abordagem quantitativa onde analisou-se os dados secundário proveniente do Sistema de
Informação de Agravos de Notificação – SINAN dos casos confirmados de hanseníase, no período compreendido entre 2010 a 2014, totalizando um quantitativo de 93 casos confirmados de hanseníase. Os dados foram analisados estatisticamente e a apresentação foi feita com números absolutos e percentuais
em forma de tabelas e gráficos. Resultados: Observou-se a concentração de casos na faixa etária entre 16 a 55 anos; gênero feminino (48); cor/raça parda (55); nível de escolaridade com concentração no ensino fundamental completo e ensino médio completo (21-26 respectivamente). O número de casos com formas clínicas multibacilares era 49, revelando o diagnóstico realizado tardiamente e mantendo a transmissão da doença. Conclusão: A compreensão do perfil epidemiológico dos pacientes com hanseníase é de fundamental importância para a construção de estratégias direcionadas para esse grupo,
buscando políticas públicas que atendam as necessidades dos profissionais da saúde e fortaleçam as atividades de prevenção de agravos e promoção da saúde da população.


Palavras-chave


Hanseníase. Perfil epidemiológico. Saúde pública.

Texto completo:

PDF

Referências


Brito KKG, Araújo DAL, Uchôa REMN, Ferreira JDL, Soares MJGO, Lima JO. Epidemiologia da hanseníase em um estado do nordeste brasileiro. Rev enferm UFPE [on line] 2014; 8(8): 2686-93, 2014.

World Health Organization. Global leprosy situation. WER 2012; 87(34): 317-28.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Plano integrado de ações estratégicas de eliminação da hanseníase. Plano de ação 2011-2015. Ministério da Saúde: Distrito Federal; 2012.

Brasil. Departamento de informática do SUS. Disponível em: . [2017 mar 03].

Lima HMN, Sauaia N, Costa VRL, Coelho Neto GT, Figueredo MPS. Perfil epidemiologico dos pacientes com hanseniase atendidos em Centro de Saude em Sao Luis, MA. Rev Bras Clin Med. 2010; 8(4): 323-7.

Brasil. Ministério da Saúde. Plano Nacional de Eliminação da Hanseníase em nível municipal 2006-2010. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância Epidemiológica. Brasília-DF; 2006. Disponível em: . [2017 abr 06].

Ribeiro Júnior AF, Vieira MA, Caldeira AP. Perfil epidemiológico da hanseníase em uma cidade endêmica no Norte de Minas Gerais. Rev Soc Bras Clín Méd. 2012; 10(4): 272-7.

Silva Sobrinho RAS, Mathias TAF. Perspectivas de eliminação da hanseníase como problema de saúde pública no estado do Paraná, Brasil. Cad. Saúde Pública 2008; 24(2): 303-14.

Brasil. Portaria nº 204, de 17 de dezembro, 2016. Define a Lista Nacional de Notificação Compulsória de doenças, agravos e eventos de saúde pública nos serviços de saúde públicos e privados em todo o território nacional, nos termos do anexo, e dá outras providências. Disponível em: . [2016 jul 01]

Silva MCD, Paz EPA. Educação em saúde no Programa de Controle da Hanseníase: a vivência da equipe multiprofissional. Esc. Anna Nery 2010; 14(2): 223-9.

Miranzi SSC, Pereira LHM, Nunes AA. Perfil epidemiologico da hanseniase em um municipio brasileiro, no periodo de 2000 a 2006. Rev. Soc. Bras. Med. Trop. 2010; 43(1): 62-7, 2010.

Corrêa RGCF, Aquino DMC, Caldas AJM, Amaral DKCR, França FS, Mesquita ERRBP. Epidemiological, clinical, and operational aspects of leprosy patients assisted at a referral service in the state of Maranhão, Brazil. Rev. Soc. Bras. Med. Trop. 2012 45(1): 89-94.

Franco MCA, Macedo GMM, Menezes BQ, Jucá Neto FOM, Franco ACA, Xavier MB. Perfil de casos e fatores de risco para hanseníase, em menores de quinze anos, em município hiperendêmico da região norte do brasil. Rev. Para. Med. 2014; 28(4): 29-40.

Rocha MCN, Lima RB, Stevens A, Gutierrez MMU, Garcia LP. Óbitos registrados com causa básica hanseníase no Brasil: uso do relacionamento de bases de dados para melhoria da informação. Ciênc. saúde coletiva 2015; 20(4): 1017-1026.

Oliveira JCF, Leão AMM, Britto FVS. Análise do perfil epidemiológico da hanseníase em Maricá, Rio de Janeiro: uma contribuição da enfermagem. Rev enferm UERJ 2014; 22(6): 815-21.

Pinto RA, Maia EF, Silva MAF, Marback M. Perfil clínico e epidemiológico dos pacientes notificados com hanseníase em um hospital especializado em Salvador, Bahia. Rev. B. S. Pública 2011; 34(4): 906-918.

Lanza FM, Cortez DN, Gontijo TL, Rodrigues JSJ. Perfil epidemiológico da hanseníase no município de Divinópolis, minas gerais. Rev Enferm UFSM 2012; 2(2): 365-374.

Sousa VB, Silva MRF, Silva LMS, Torres RAM, Gomes KWL, Fernandes MC, Jereissati JMCL. Perfil epidemiológico dos casos de Hanseníase de um centro de saúde da família. Rev Bras Promoç Saúde 2013; 26(1): 110-116.

Silva MNS, Toledo BJ, Gelatti LC. Perfil epidemiológico de pacientes portadores de hanseníase em Uruaçu-Go. Faculdade Serra da Mesa (FASEM); 2015.




DOI: http://dx.doi.org/10.13102/rscdauefs.v7i1.1176

Apontamentos

  • Não há apontamentos.