AVALIAÇÃO DA AROEIRA (SCHINUS TEREBINTHIFOLIUS RADDI) NO TRATAMENTO DA MUCOSITE ORAL INDUZIDA PELA RADIOTERAPIA EXCLUSIVA OU ASSOCIADA À QUIMIOTERAPIA: ESTUDO PILOTO

Daniella Santos Marinho de Almeida Silva, Jéssica de Jesus Reis, Hugo Neves Brandão, Maiane dos Santos Neves, Carla Rodrigues Cardoso Branco, Ana Paula Eufrázio do Nascimento Andrade, Márcio Campos Oliveira

Resumo


Objetivo: Avaliar o uso da Aroeira no tratamento da mucosite oral induzida pela radioterapia exclusiva ou associada à quimioterapia em pacientes com câncer de cabeça e pescoço. Método: Foi realizado um ensaio clínico controlado, randomizado e duplo-cego, onde doze indivíduos foram alocados em dois grupos: intervenção e controle e orientados a aplicar a pomada três vezes por dia. A avaliação diária do grau da mucosite e da nota da dor referida pelo paciente permitiram observar a regressão ou não da sua manifestação. Foram também aplicados formulários referentes à situação clínica, sociodemográfica e de higiene bucal dos participantes. Uma análise descritiva dos dados foi realizada. Resultados: No grupo controle, 50% (3) dos participantes apresentaram regressão do grau de mucosite; já no grupo de intervenção 17% (1). Em relação a nota da dor, 83% do grupo placebo relatou regressão e 50% do grupo intervenção. Conclusões: Neste estudo o uso da aroeira não mostrou-se eficaz no tratamento da mucosite, em relação ao uso do placebo. por outro lado apresentou uma porcentagem significativa de redução da nota da dor. Devido às limitações do estudo não se pode comprovar o efeito fitoterápico da aroeira neste tipo de abordagem.

 


Palavras-chave


Câncer de cabeça e pescoço, aroeira, mucosite oral, radioterapia, quimioterapia.

Texto completo:

PDF

Referências


INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER (Brasil). Estimativa 2014 – Incidência de câncer no Brasil. Rio de Janeiro: INCA 2014.

Campana IG, Goiato MC. Tumores de cabeça e pescoço: epidemiologia, fatores de risco, diagnóstico e tratamento. Revista Odontológica de Araçatuba 2013jan-jun; 34(1): 20-26.

Marta GN et al. Tratamento de tumores da cabeça e pescoço com radioterapia de intensidade modulada. Sociedade Brasileira de Radioterapia, 2014.

Kreuger. MRO et al. Complicações orais em pacientes em tratamento quimioterápico na unacon, no município de Itajaí/SC. FOL • Faculdade de Odontologia de Lins/Unimep, 2008.

Caccelli EMN, et al. Avaliação da mucosite e xerostomia como complicações do tratamento de radioterapia câncer de boca e orofaringe. Rev. Bras. Cir. Cabeça Pescoço 2009abr-jun; 38(2): 80–83.

Hespanhol FL et al. Manifestações bucais em pacientes submetidos à quimioterapia. Ciência & Saúde Coletiva 2010; 15(1): 1085-1094.

Santos RCS et al. Mucosite em pacientes portadores de câncer de cabeça e pescoço submetidos à radioquimioterapia. Rev Esc Enferm USP 2011; 45(6): 1338-44.

Ribeiro JO, Borba, AM, Guimarães JJ. PREVENÇÃO E TRATAMENTO DA MUCOSITE BUCAL: o papel fundamental do cirurgião-dentista – Revisão. Ver. Clín. Pesq. Odontol. 2010jan/abr; 6(1): 57-62.

Salvato, Luciana. Manifestações estomatológicas e impacto sobre a qualidade de vida de pacientes em tratamento quimioterápico no Serviço de Hematologia do HU-UFSC- estudo observacional e qualitativo. Universidade Federal de Santa Catarina, 2012.

Sant’ana RO. Abordagens terapêuticas na mucosite oral experimental induzida por 5-fluorouracil: Papeç dos extratos Aloe barbadensis (BABOSA)” E SOUZA, R. F. O QUE É UM ESTUDO CLÍNCIO RANDOMIZADO? Medicina (Ribeirão Preto) 2009; 42(1): 3-8.

Brasil 2006 a. Ministério da Saúde. Portaria nº 648, de 28 de março de 2006. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes e normas para a organização da Atenção Básica para o Programa Saúde da Família (PSF) e o Programa Agentes Comunitários de Saúde (PACS). Diário Oficial da União [da República Federativa do Brasil], Brasília, seção 1, n. 61, 2006 a, p. 71.

Firmo WCA et al. Contexto histórico, uso popular e concepção científica sobre plantas medicinais. Cad. Pesq., São Luís 2011; 18(n. especial).

Santos OJ et al. Schinus terebinthifolius Raddi (anacardiaceae) no processo de cicatrização de gastrorrafias em ratos. ABCD Arq Bras Cir Dig 2012; 25(3): 140-146.

Goes ACA. et. al. Análise histológica da cicatrização da anastomose colônica, em ratos, sob açãode enema de Aroeira-do-sertão (Myracrodruon urundeuva fr. all.) a 10%. Acta Cirúrgica Brasileira 2005; 20(2).

Santos SB; et al. Comparação da eficácia da aroeira oral (Schinus terebinthifolius Raddi) com omeprazol em pacientes com gastrite e sintomas dispépticos: estudo randomizado e duplo-cego. GED 2010; 29(4) 118-125.

Campos L. et al. Laserterapia no tratamento da mucosite oral induzida por quimioterapia: relato de caso. Rev assoc paul cir dent 2013; 67(2) 102-6

Souza RF. O QUE É UM ESTUDO CLÍNCIO RANDOMIZADO? Medicina (Ribeirão Preto) 2009; 42(1): 3-8.

Santos OJ et al. Efeito de schinus terebinthifolius raddi (aroeira) e carapa guianensis aublet (andiroba) na cicatrização de gastrorrafias. ABCD Arq Bras Cir Dig 2013; (2) 84-91.

Correia AVL. Fatores coadjuvantes no agravamento da mucosite oral radioinduzida. Universidade Estadual de Pernambuco, Recife, 2008.

Berto et al. Relação entre o estadiamento, o tratamento e a sobrevida no cancer de faringe. Rev. Col. Bras. Cir 2006jul-ago; 33(4).

Neville BW, Damm DD, Allen CM, Bouquot J E. Patologia oral e maxilofacial. 2ª ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan 2004; p.251-5.

Vieira EMM. et al. Perfil nutricional de pacientes oncológicos atendidos no ambulatório de cabeça e pescoço de um hospital filantrópico do município de Cuiabá (MT), Brasil. 2014; V.3, n 3.

Melo L C; Silva MC; Bernardo JMP; Marques EB; Leite ICG. Perfil epidemiológico de casos incidentes de câncer de boca e faringe. RGO - Rev Gaúcha Odontol 2010jul-set; 58(3): 351-355.

Sommerfeld EC et al. Qualidade de vida em pacientes com câncer de cabeça e pescoço. Rev. Bras. Cir. Cabeça Pescoço 2012out-dez; 41(4): 172-177.

Johnson S. et al. Socio-economic status and head and neck cancer incidence in Canada: a case-control study. Oral Oncol 2010; 46(3): 200-3.

Minayo MCS. et al. Qualidade de vida e saúde: um debate necessário. Ciência e Saúde Coletiva 2000; 5(1).

Sonis ST et al. Perspectives on cancer therapy-induced mucosal injury: pathogenesis, measurement, epidemiology, and consequences for patients. Cancer 2004; 100(9): 1995-2025.

Bid LL et al. Abordagem multidisciplinar das complicações orais da radioterapia. Rev APCD 2000; 54(5): 391-396.

Instituto nacional de câncer (Brasil). Cuidados paliativos oncológicos. Rio de Janeiro: INCA 2001.

Alves VTE et al. Aspectos relacionados ao câncer oral de interesse na periodontia. Braz J Periodontol 2013; 23(4): 31-37.

Ferreira PRF et al. Tratamento Combinado em Oncologia: Quimioterapia, Hormonioterapia, Radioterapia. Porto Alegre: Artmed, 2007.

Feitosa SM et al. Análise comparativa dos histogramas de dose e volume entre planejamentos tridimensionais conformados e convencionais não conformados na radioterapia do câncer de próstata. Radiol Bras[online] vol.42, n.2, pp. 69-74. ISSN 1678-7099. 2009.

Bailer, C et al. Planejamento como processo dinâmico: a importância do estudo piloto para uma pesquisa experimental em linguística aplicada. Revista Intercâmbio, v. XXIV: 129-146. São Paulo: LAEL/PUCSP. ISSN 2237-759x. 2011.




DOI: http://dx.doi.org/10.13102/rscdauefs.v6i2.1221

Apontamentos

  • Não há apontamentos.