ACESSIBILIDADE DE GESTANTES AO PRÉ-NATAL DE ALTO RISCO

Tayara de Oliveira Vitoria, Rita de Cassia Rocha Moreira

Resumo


No atendimento em pré-natal, a acessibilidade às unidades de referência deve ser eficiente para atender as singularidades de mulheres que desenvolvem gestação de alto risco. O objetivo deste estudo foi compreender a acessibilidade de mulheres com diagnóstico de gestação de alto risco, atendidas em unidade de referência especializada em um município da Bahia. Trata-se de um estudo qualitativo e quantitativo,
exploratório e descritivo. Participaram 24 mulheres, com idade igual ou acima de 18 anos, com diagnóstico de gestação de alto risco registrado no prontuário e acompanhadas em unidades de referência especializada. Os resultados apontaram que a acessibilidade se apresenta fragmentada devido ao desencontro de informações, desconhecimento da rotina de encaminhamentos pelos profissionais de saúde, falta de estrutura física e localização adequada, burocracia para iniciar o acompanhamento no pré-natal de alto risco e fragilidade no sistema de referência e contrarreferência das gestantes de alto risco. Portanto, há de se enfrentar o desafio de reconhecer a fragilidade do sistema de referência e contra-referência para o pré-natal de alto risco socializando e divulgando pesquisas em defesa da garantia da acessibilidade e qualidade no atendimento em pré-natal.


Palavras-chave


Acessibilidade; Gestação de alto risco; Pré-natal

Texto completo:

PDF

Referências


Castro ME, Moura MAV, Silva, LMS. Qualidade da assistência pré-natal: uma perspectiva das puérperas egressas. Rev. RENE 2010; 11 (n. esp.): 72-81. Disponível em:

out 01].

Ministério da Saúde. Grupo Hospitalar Conceição. Gerência de Saúde Comunitária. Atenção à saúde da gestante em APS. Porto Alegre: Hospital Nossa Senhora da Conceição; 2011. Disponível em: . [2016 out 01].

Starfield B. Atenção primária: equilíbrio entre necessidades de saúde, serviços e tecnologias. Brasília: Unesco, Ministério da Saúde, 2002. Disponível em: . [2016 out 05].

Lora AP. Acessibilidade aos serviços de saúde: estudo sobre o tema no enfoque da saúde da família no Município de Pedreira – SP; 2004. [Mestrado Dissertação - Universidade Estadual de Campinas]. São Paulo, 2004.

Gomes R, Cavalcanti LF, Marinho ASN, Silva LGP. Os sentidos do risco na gravidez segundo a obstetrícia: um estudo bibliográfico. Rev. Latino-Am. Enfermagem 2001; 9(4):62-67. Disponível em: .[2016 out 05].

Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Gestação de alto risco: manual técnico [online]. 5ª ed. Brasília (DF); 2010. Série A. Disponível em: . [2016 out 10].

Lacava RMVB. Consulta de enfermagem no pré-natal. In: Barros SMO. Enfermagem no ciclo gravídico-puerperal. São Paulo: Editora Manole; 2006. p. 51-64.

Moresi E. Metodologia da Pesquisa. Brasília; 2003. Disponível em:

GEST%C3%83O>. [2016 out 10].

Brasil. Ministério da Saúde. Sistema de informação de Atenção Básica (SIAB)[online]; 2015. Disponível em . [2016 nov 1].

Bardin L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70; 2011.

Melo CH, Santos JAM, Malcomes A, Aerts DRGC, Alves G. O que leva as adolescentes a engravidar: a percepção dos meninos. Revista de Iniciação Científica da ULBRA 2011; p. 107-115.

Disponível em: http://www.periodicos.ulbra.br/index.php/ic/article/viewFile/297/75. [2016 nov 01].

Sousa JJ. Circunstâncias da ocorrência de gravidez não planejada em mulheres adultas. [Mestrado Dissertação – Escola de Enfermagem da Universidade Federal da Bahia]. Salvador; 2011.

Coelho EAC, Andrade MLS, Vitoriano LVT, Souza JJ, Silva DO, Gusmão MEN, Nascimento ER, Almeida MS. Associação entre gravidez não planejada e o contexto socioeconômico de mulheres em área da Estratégia Saúde da Família. Acta Paul Enferm. 2012; 25 (3): 415-422. Disponível em: . [2016 nov 05].

Fekete MC. Estudo da acessibilidade na avaliação dos serviços de saúde. In: Ministério da Saúde, organizador. Desenvolvimento gerencial de unidades básicas de saúde no distrito sanitário. Brasília: Ministério da Saúde/Organização Pan-americana de Saúde; 1995. p. 177-184.

Oliveira LH, Mattos RA, Souza AIS. Cidadãos peregrinos: os “usuários” do SUS e os significados de sua demanda a prontos-socorros e hospitais no contexto de um processo de reorientação do modelo assistencial. Ciênc. saúde coletiva 2009; 14 (5): 1929-1938. Disponível em:

. [2016 nov 05].




DOI: http://dx.doi.org/10.13102/rscdauefs.v0i0.1273

Apontamentos

  • Não há apontamentos.