HÁ EVIDÊNCIAS DE QUE VULNERABILIDADES SOCIOAMBIENTAIS AFETAM O CONTROLE DA PRESSÃO ARTERIAL DE HIPERTENSOS?

Carlos Alberto Dias, Gilvan Ramalho Guedes, Glauco José de Matos Umbelino, Marina Mendes Soares, Suely Maria Rodrigues, Thamiris de Assis Pereira

Resumo


Este artigo analisa a possível influência da localização das residências e das vulnerabilidades socioambientais sobre o controle da Pressão Arterial (PA) de indivíduos hipertensos. Realizaram-se entrevistas domiciliares, aferição da PA e georreferenciamento das residências de 641 hipertensos atendidos pelas Unidades Básicas de Saúde de Governador Valadares, Minas Gerais, selecionados aleatoriamente segundo os critérios de proporcionalidade e estratificação por faixa etária. Os dados revelaram existir uma homogeneidade na distribuição espacial da doença no grupo amostrado, bem como indicaram que as características deste ambiente urbano não exercem influência significativa sobre o controle da PA. A ocorrência da Hipertensão Arterial Sistêmica e o controle da PA parecem estar mais associados à genética do indivíduo e seus hábitos de vida do que às características do ambiente onde reside o hipertenso.


Palavras-chave


Georreferenciamento; Hipertensão arterial sistêmica; Pressão arterial

Texto completo:

PDF

Referências


Lessa Í, Magalhães L, Araújo MJ, Almeida Filho N, Aquino Estela, Oliveira Mônica M. C. Hipertensão arterial na população adulta de Salvador (BA) - Brasil. Arq. Bras. Cardiol. [online] 2006; 87(6): 747-756. Disponível em: . [2017 jun 20].

Nunes FJR, Debastiani D, Nunes AD, Peres KG. Prevalência de fatores de risco cardiovascular em adultos de Luzerna, Santa Catarina, 2006. Arq. Bras. Cardiol. [online]. 2007; 89(5): 319-324. Disponível em: . [2017 jun 20].

Duncan BB, Chor D, Aquino EML, Bensenor IM, Mill JG, Schmidt MI et al. Doenças crônicas não transmissíveis no Brasil: prioridade para enfrentamento e investigação. Rev. Saúde Públ. [online]. 2012; 46(1): 126-134. Disponível em:. [2017 jun 20].

James PA, Oparil S, Carter BL, Cushman WC, Dennison-Himmelfarb C, Handler J, et al. 2014 evidence-based Guideline for the management of high blood pressure in adults: report from the panel members appointed to the Eighth Joint National Committee (JNC 8). JAMA 2014; 311(5): 507-520. Disponível em: . [2017 jun 20].

Sociedade Brasileira de Cardiologia. VI Diretrizes Brasileiras de Hipertensão. Arq. Bras. Cardiol. [online] 2006; 95(1): 1-48. Disponível em: . [2016 nov 25].

Lopes HF, Moraes ED. Tratamento não-medicamentoso da hipertensão arterial. Rev. Soc. Cardiol. 2003; 13(1): 148-55.

Rosenthal T, Alter A. Occupational stress and hypertension. JASH [online] 2012; 6(1): 2-22. Disponível em: . [2016 nov 25].

Flegal KM, Graubard BI, Williamson DF. Excess deaths associated with underweight, overweight, and obesity. JAMA [online] 2005; 293(15): 1861-1867. Disponível em: . [2016 nov 25].

Leite SN, Vasconcellos MC. Adesão à terapêutica medicamentosa: elementos para a discussão de conceitos e pressupostos adotados na literatura. Ciênc. saúde coletiva 2003; 8(3): 775-782. Disponível em: . [2016 nov 20].

Günther H. Pesquisa qualitativa versus pesquisa quantitativa: esta é a questão? Psicologia: Teoria e Pesquisa [online] 2006; 22(2): 201-209. Disponível em: . [2016 nov 05].

Câmara G, Monteiro AM, Carvalho MS. Análise espacial e geoprocessamento. In: Fucks SD, Carvalho MS, Câmara G, Monteiro AM. Análise Espacial de Dados Geográficos. São José dos Campos: Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais; 2015.

Barcellos C, Bastos FI. Geoprocessamento, ambiente e saúde: uma união possível? Cad. Saúde Pública [online] 1996; 12(3): 389-397. Disponível em: . [2016 nov 05].

Longley PA, Goodchild MF, Maguire DJ, Rhind DW. Geographic Information Systems and Science. New York: John Wiley and Sons; 2005.

Maguire DJ, Batty M, Goodchild MF. GIS, Spatial Analysis, and Modeling. New York: Esri Press; 2005.

Maantay J, Ziegler J. GIS for the Urban Environment. New York: Esri Press; 2006.

Andrade JMO, Rios LR, Teixeira LS, Vieira FS, Mendes DC, Vieira MA, Silveira MF. Influência de fatores socioeconômicos na qualidade de vida de idosos hipertensos. Ciênc. saúde coletiva [online] 2014; 19(8): 3497-3504. Disponível em:. [2016 nov 02].

Gomes R, Nascimento EF, Araujo FC. Por que os homens buscam menos os serviços de saúde do que as mulheres? As explicações de homens com baixa escolaridade e homens com ensino superior. Cad. Saúde Pública [online] 2007; 23(3): 565-574. Disponível em: . [2016 nov 02].

Lessa Í, Magalhães L, Araújo MJ, Almeida Filho N, Aquino E, Oliveira MMC. Hipertensão arterial na população adulta de Salvador (BA) - Brasil. Arq. Bras. Cardiol. [online] 2006; 87(6): 747-756. Disponível em: . [2016 nov 02].

Taveira, LF, Pierin AMG. Puede el nivel socioeconómico influenciar las características de um grupo de hipertensos? Rev. Latino Americana Enfermagem [online] 2007; 15(5). Disponível em: . [2016 nov 14].

Ministério da Saúde. Portal da Saúde. Sistema único de Saúde (SUS): princípios e conquistas [online] 2000. Disponível em: . [2016 nov 08].

Fontoura RT, Mayer CN. Uma breve reflexão sobre a integralidade. Rev. Bras. Enferm. [online] 2006; 59(4): 532-537. Disponível em: . [2016 nov 08].




DOI: http://dx.doi.org/10.13102/rscdauefs.v0i0.1358

Apontamentos

  • Não há apontamentos.