DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE PROMOÇÃO DA SAÚDE NA USF SOBRADINHO I: RELATO DE EXPERIÊNCIA DA OPERACIONALIZAÇÃO DE UM PLANEJAMENTO E PROGRAMAÇÃO LOCAL EM SAÚDE

Heraldo Rocha Nunes Filho, Jonh Almeida Damasceno, Naiah Enéas da Silva Almeida, Ueslei Menezes de Araújo Pereira, Jamilly de Oliveira Musse

Resumo


O objetivo do presente estudo foi descrever o processo de planejamento e as ações desenvolvidas na comunidade do Sobradinho I, durante o PIESC II. Tratou-se de um relato de experiência sobre cinco oficinas de saúde que orientaram a população sobre a hipertensão arterial, a importância de exercícios físicos e alimentação saudável para a prevenção e o controle dessa patologia e os riscos do tabagismo, consumo excessivo de álcool e estresse para o agravamento do quadro clínico. Além disso, foram realizadas aferições da pressão arterial e medidas de dados antropométricos. Os resultados apontaram que muitos hipertensos não conheciam a doença que os acomete, grande parte controlava o nível pressórico apenas com medicação, a maioria praticava atividade física e não mudou os hábitos alimentares com o diagnóstico. O número de fumantes e consumidores de álcool foi pequeno e o estresse foi apontado por muitos como fator agravante. Assim, concluiu-se que o planejamento e programação local em saúde é um instrumento importante para organizar as ações na comunidade. Na área de abrangência do Sobradinho I, essa ferramenta permitiu a negociação entre os diversos participantes interessados no desenvolvimento de ações de promoção de saúde no controle e prevenção da hipertensão arterial.


Palavras-chave


Planejamento e Programação Local em Saúde; Unidade de Saúde da Família; Promoção de Saúde; Hipertensão Arterial.

Texto completo:

PDF

Referências


Universidade Estadual de Feira de Santana. Colegiado do Curso de Medicina. Princípios da Concepção Pedagógica. Feira de Santana (BA); 2016. Disponível em: http://www1.uefs.br/medicina/concepcao.html#PRINCÍPIOSDACONCEPÇÃOPEDAGÓGICA. [09.08.2016].

Brasil, Ministério da Saúde. Portal do Departamento de Atenção Básica [online]. Brasília (DF); 2012. Disponível em [10.08.2016].

Brasil, Ministério da Saúde. Política Nacional de Atenção Básica. Brasília: Ministério da Saúde; 2012.

Matus C. Política planejamento & governo. Brasília: IPEA; 1993.

Campos FCC, Faria HP, Santos MA. Planejamento e avaliação das ações em saúde. 2ª ed. Belo Horizonte: Nescon UFMG/Coopmed; 2010. Disponível em URL:https://www.nescon.medicina.ufmg.br/biblioteca/imagem/0273.pdf. [15.08.2015].

Vilasbôas ALQ. Planejamento e Programação das Ações de Vigilância da Saúde no Nível Local do Sistema Único de Saúde. Rio de Janeiro: FIOCRUZ/PSJV/PROFORMAR; 2004.

Schmidt MI, Duncan BB, Silva GA, Menezes AM, Monteiro CA, Barreto SM, Chor D, Menezes DP. Doenças crônicas não transmissíveis no Brasil: carga e desafios atuais. The Lancet 2011; 377(9781): 1949-1961. Disponível em [11.12.2016].

Sociedade Brasileira de Cardiologia. Conceituação, epidemiologia e prevenção primária. Rev Bras Hipertens 2010; 17(1):7-10.

Brasil. Ministério da Saúde. Estratégias para o cuidado da pessoa com doença crônica: hipertensão arterial sistêmica – nº37. Brasília: Ministério da Saúde; 2013. Disponível em [28.11.2016].

Duncan B, Schmidt MI, Giugliani ERJ. Medicina ambulatorial: condutas de atenção primária baseada em evidências. 3. ed. Porto Alegre: Artmed; 2006.

Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia. Os Perigos da Automedicação. Disponível em [11.12.2016].

Brasil. Ministério da Saúde. Sistema Nacional de Informações Tóxico-Farmacológicas. Dados de intoxicação. Disponível em [11.12.2016].

Brito DMS, Araújo TL, Galvão MTG, Moreira TMM, Lopes MVO. Qualidade de vida e percepção da doença entre portadores de hipertensão arterial. Cad. Saúde Pública 2008; 24(4): 933-40.

Medina FL, Lobo FS, Souza DR, Kanegusuku H, Forjaz CLM. Atividade física: impacto sobre a pressão arterial. Rev Bras Hipertens 2010; 17(2): 103-6.

Cuppari L. Nutrição Clínica no Adulto. Guias de Medicina Ambulatorial e Hospitalar, UNIFESP/Escola Paulista de Medicina. São Paulo: Manole; 2002.

Souza D, Póvoa R. Álcool e Hipertensão Arterial. Revista Fatores de Risco 2014; 32: 33-9.

Stipp MDC, Leite JL, Cunha NM, Assis LS, Andrade MP, Simões RD. O Consumo Do Álcool E As Doenças Cardiovasculares – Uma Análise Sob O Olhar Da Enfermagem. Esc Anna Nery. Rev Enferm 2007; 11(4): 581–5. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ean/v11n4/v11n4a04> [11.12.2016].

Giorgi DMA. Tabagismo, hipertensão arterial e doença renal. Rev Bras Hipertens 2010; 13(4):256-260.

Júnior EL, Neto EL. Hipertensão arterial: aspectos comportamentais – Estresse e migração. Rev Bras Hipertens 2010; 17(4):210-225.

Dickinson HO, Beyer FR, Ford GA, Nicolson D, Campbell F, Cook JV, Mason J. Relaxation therapies for the management of primary hypertension in adults. Cochrane Database Syst. Rev. 2008; 1. CD004935. Disponível em:http://onlinelibrary.wiley.com/doi/10.1002/14651858.CD004935.pub2/pdf> [11.12.2016].




DOI: http://dx.doi.org/10.13102/rscdauefs.v7i2.1533

Apontamentos

  • Não há apontamentos.