PROCESSO DE TERRITORIALIZAÇÃO/ESTIMATIVA RÁPIDA EM SAÚDE E A FORMAÇÃO DO MÉDICO GENERALISTA

Jamilly de Oliveira Musse, Carlos Alberto Lima da Silva, André Almeida Uzêda, Lucas Evangelista de Santana, Laila Selis Santos Porto

Resumo


As novas diretrizes curriculares do Curso de Medicina preconizam a formação generalista, onde o profissional seja capaz de lidar com indicadores epidemiológicos, as necessidades de saúde da população, além de promover ações de promoção à saúde, trabalhando com uma equipe multiprofissional. Neste sentido, uma das ferramentas de aproximação do estudante com a comunidade são a territorialização e a estimativa rápida em saúde.  O objetivo deste trabalho foi relatar a experiência vivenciada por estudantes de Medicina da UEFS no processo de territorialização e estimativa rápida, na área de abrangência de uma Unidade de Saúde da Família, no município de Feira de Santana-Ba.  Do processo de territorialização obteve-se o mapa físico da área de abrangência da unidade de saúde, com a sinalização de fatores de risco, fatores de proteção, além de pontos de comércios e áreas de lazer. Na estimativa rápida obteve-se um panorama das condições de vida da população, problemas sociais e fatores de risco a saúde, bem como sua relação com os serviços disponíveis e com a equipe. Ambas as práticas, permitem orientar as condutas e possibilitam intervenções mais efetivas pelos profissionais da USF e pelos estudantes de medicina.


Palavras-chave


territorialização; estimativa rápida; ensino

Texto completo:

PDF

Referências


Brasil. Ministério da Educação. Resolução No 3, de 20 de junho de 2014. Disponível em: http://www.fmb.unesp.br/Home/Graduacao/resolucao-dcn-2014.pdf. [10.12.2016].

Borges MC, Frezza G, Souza CS, Bollela VR. Ensino clínico em cenários reais de prática. Rev. Medicina USP Ribeirão Preto 2015; 48(3) 249-56.

Ferreira RC, Silva RSF da, Aguer CB. Formação do profissional médico: a aprendizagem na atenção básica à saúde. Rev. Bras. Educ. Med. 2007; 31(1):52-9.

Universidade Estadual de Feira de Santana. Manual do Módulo de Práticas de Integração Ensino, Serviço e Comunidade I – PIESC I. Feira de Santana: NUEG/UEFS; 2014.

Monken M, Barcelos C. Vigilância em saúde e território utilizado: possibilidades teóricas e metodológicas. Cad. de Saúde Pública 2005; 21(3):898-906.

Acioli S. Os sentidos de cuidado em práticas populares voltadas para a saúde e a doença. In: Pinheiro R, Mattos RA, organizadores. Cuidado: as fronteiras da integralidade. Rio de Janeiro: CEPESC/UERJ/ABRASCO; 2006. p. 187-203.

Almeida RF, Miranda ML, Araújo IS. Monografia coletiva sobre territorialização. 2005. 23 f. Relatório – Curso de Graduação em Medicina, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia. Vitória da Conquista – BA; 2005.

Marincek DF, Rocha ACR. Estimativa Rápida participativa do PSF Vila Mariana–Ferramenta para o planejamento da atuação da equipe de Saúde. 2006. Disponível em: http://www.atenas.edu.br. [11.06.2016].

Savassi LCM, Dias RB. Planejamento de ações na equipe. Disponível em: http://www.sfc.org.br/gesf2007/gesfplanejamentodeacoes.pdf. [11.06.2016].

Santos CMRG. A pesquisa de Estimativa Rápida: instrumento de Relações Públicas nas organizações. Disponível em: http://www.ufpb.br. [11.06.2015].

Machado MC, Araujo ACF, Dantas JP, Lima AOM, Lima TAS, Sarmento CL. Territorialização como ferramenta para a prática de residentes em saúde da família: um relato de experiência. Rev. enferm UFPE 2012 Nov; 6(11):2851-7.

Budó MLD, Oliveira SG, Garcia RP, Simon BS, Schimith MD, Mattioni FC. Redes sociais e participação em uma comunidade referenciada a uma Unidade de Saúde da Família. Rev Gaúcha Enferm 2010; 31(4):753-60.

Costa NMSC. Docência no ensino médico: por que é tão difícil mudar? Rev. Bras. Educ. Med. 2007; 31(1):21-30.

Feuerwerker LCM. Além do discurso de mudança na educação médica: processos e resultados. São Paulo: Hucitec; 2002.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria 2.488, 21 de outubro de 2011. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes e normas para a organização da Atenção Básica, para a Estratégia Saúde da Família (ESF) e o Programa de Agentes Comunitários de Saúde (PACS). Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2011/prt2488_21_10_2011.html. [11.11.2016].

Machado MFAS, Monteiro EMLM, Queiroz DT, Vieira NFC, Barroso MGT. Integralidade, formação de saúde, educação em saúde e as propostas do SUS: uma revisão conceitual. Ciência & Saúde Coletiva. 2007; 12(2):335-42.

Teixeira CF, Paim JS, Vilasboas AL. SUS, modelos assistenciais e vigilância da saúde. Informe Epidemiológico do SUS, 1998, 7.

Ferreira RC, Fiorini VML, Crivelaro E. Formação Profissional no SUS: o Papel da Atenção Básica em Saúde na Perspectiva Docente. Rev. Br as. Educ. Med. 2010; 34 (2):207 – 215.

Piancastelli CH. Saúde da família e formação de profissionais de saúde. In: Arruda BKG, org. A educação profissional em saúde e a realidade social. Recife: Instituto Materno Infantil de Pernambuco/MS; 2001. P.121-40.

Oliveira RF, Araújo IS, Alves Al, Miranda ML, Silva HR, Macedo CL, Pinheiro CC. Territorialização no curso de Medicina da UESB. Rev. Saúde. Com. 2007; 3(1):64-74.

Lira RMC, Lira GV, Machado TT. Impactos educacionais da atividade de territorialização na percepção dos estudantes do curso de medicina da UFC/Sobral. S A N A R E 2011; 1(10):35-41.

Brasil. Ministério da Saúde. Saúde da família: uma estratégia para a reorientação do modelo assistencial. Brasília: Ministério da Saúde; 1997.

Campos FCC, Faria HP, Santos MA. Planejamento e avaliação das ações em saúde. 2.ed. Belo Horizonte: Nescon/UFMG, Coopmed; 2010.




DOI: http://dx.doi.org/10.13102/rscdauefs.v7i2.1534

Apontamentos

  • Não há apontamentos.