DURAÇÃO DO PERCURSO PRÉ-HOSPITALAR DE VÍTIMAS DE ACIDENTE VASCULAR ENCEFÁLICO EM UM SERVIÇO DE EMERGÊNCIA DA REDE SUS - BAHIA

Carolina de Azevêdo Farias, Daniel Rocha Paranhos, Igor Lima Maldonado

Resumo


Objetivo: Verificar o tempo decorrido na fase pré-hospitalar do atendimento do AVE isquêmico. Metodologia: Estudo transversal retrospectivo e observacional. A amostra foi composta por pacientes atendidos em urgência em uma unidade do SUSBA em 2011 e 2013. Resultados: Um aumento significativo na proporção de vítimas adimitidas nas primeiras 24h após início das manifestações foi observada: de 48% a 58,4% (p=0,022), e uma tendência não-significativa ao aumento no número de admissões na janela terapêutica de 4h30min. Houve ainda crescimento do número total de adultos atendidos por manifestações suspeitas de AVE: de 1095 para 1230. Conclusão: Uma maior proporção das vítimas chega à emergência em até 24h. Grande parte dos candidatos à trombólise parece ser perdida no percurso pré- hospitalar. Houve acréscimo no número de atendimentos por AVE em fase aguda estimado em aproximadamente 12%, o que pode ter sido intensificado pelo fato de se tratar de uma unidade recentemente implantada.


Palavras-chave


Acidente Vascular Encefálico; Trombólise; Emergência

Texto completo:

PDF

Referências


Oliveira-Filho J, Martins, SCO, Pontes-Neto OM, Longo A, Evaristo EF Carvalho JJF, Fernandes JG, Zétola VF, Gagliardi RJ, Vedolin L, Freitas GR. Guidelines for acute ischemic stroke treatment: part I. Arq. Neuro-Psiquiatr. 2012; 70(8): 621-9.

Goldstein LB, Bushnell CD, Adams RJ, Appel LJ, Braun LT, Chaturvedi S, Creager MA, Culebras A, Eckel RH, Hart RG,Hinchey JA,Howard VJ,Jauch EC,Levine SR, Meschia JF, Moore WS, Nixon JV, Pearson TA et al. Guidelines for the Primary Prevention of Stroke: A Guideline for Healthcare Professionals From the American Heart Association/American Stroke Association 2011; 42: 517-584.

Christensen MC, Valiente R, Sampaio Silva G, Lee WC, Dutcher S, Guimarães Rocha MS, Massaro A. Acute treatment costs of stroke in Brazil. Neuroepidemiology 2009; 32(2): 142-9.

Falcão IV. A incapacidade como expressäo do acidente vascular cerebral precoce: seu impacto na integraçäo social de adultos moradores do Recife [Dissertação]. Recife: Fundação Osvaldo Cruz, Instuto Aggeu Magalhães; 1999.

Brasil. Ministério da Saúde. Portarias 664 e 665 de 12 de abril de 2012. Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas - Trombólise no Acidente Vascular Cerebral Isquêmico Agudo. Diário Oficial da União, Brasília (DF), 2012 abr 13; N. 72 Seção 1: 33-9.

Saver J. Time is brain-quantified. Stroke 2006; 36:263-6.

Pontes-Neto OM, Feitosa MR, de Figueiredo NL, Fiorot JA Rocha TN, Massaro AR et al. Stroke Awareness in Brazil: Alarming Results in a Community-Based Study. Stroke 2008;39: 292-296.

Lange MC, Zétola VF, Parolin MF, Zamproni LN, Fernandes AF, Piovesan EJ et al. Curitiba acute ischemic stroke protocol: a university hospital and EMS initiative in a large Brazilian city. Arq. Neuro-Psiquiatr. 2011; 69(3): 441-5.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria n. 1.571 de 29 de junho de 2007. Estabelece incentivo financeiro para implantação e/ou implementação de Complexos Reguladores. Diário Oficial da União, Brasília (BF), 2007 jul 24.

Mesquita MAF. A regulamentação da assistência da saúde suplementar: legislação e contexto institucional. In: Regulação e saúde. Estrutura, evolução e perspectivas da assistência médica suplementar. ANS. Ministério da Saúde, Rio de Janeiro; 2002. p. 66-133.

Prefeitura de Salvador, Secretaria Municipal da Saúde da Saúde, Coordenadoria de Controle, Regulação e Avaliação. Regulação. O que é? Para que serve? Disponível em: http://www.inovarh.ufba.br/pub/publicacao/Regulacao_ Medica_26-05-2010.pdf. [13 mar 2017].




DOI: http://dx.doi.org/10.13102/rscdauefs.v7i1.1613

Apontamentos

  • Não há apontamentos.