DIAGNÓSTICO E PREVENÇÃO DA DENGUE EM UMA ÁREA DE COBERTURA DA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA

André Almeida Uzêda, Helder Oliveira Silva, Jaqueline Silva Caires, Jéssica Correia da Silva Tavares, Jim Davis Oliveira, Luiz Felipe de Farias Rodrigues, Millena Vanessa Oliveira Damasceno, Murilo Oliveira da Cunha Mendes, Paula Perazzo Araújo Dantas, Thereza Christina Bahia Coelho

Resumo


O objetivo deste artigo é descrever e discutir a aplicação do Planejamento e Programação Local em Saúde (PPLS) para o diagnóstico de problemas em população da área de abrangência de uma Unidade de Saúde da Família (USF) de dado município do nordeste brasileiro, situada no entorno de uma universidade, como parte de uma atividade de aquisição de habilidades e competências médicas na graduação. Diagnosticada como um dos principais problemas de saúde pública, a Dengue foi priorizada na elaboração de um projeto de intervenção para sua prevenção composto por atividades de sensibilização e educação, que foram executadas no espaço de um ano, em parceria com a USF, o Núcleo de Apoio à Saúde da Família (NASF) de referência e entidades da comunidade alvo, como a Associação de Catadores de Material Reciclável. Constatou-se que, mesmo sendo a Dengue um agravo muito veiculado pela mídia e com amplas formas de enfrentamento já praticadas pelo próprio sistema de saúde, ainda se mantinha mal dimensionada, enquanto problema, em face da resistência da população em modificar seus hábitos. O uso do PPLS se mostrou útil não apenas no sentido de organizar, executar e avaliar as intervenções propostas, mas como método que pode ser incorporado às práticas das equipes do Estratégia Saúde da Família (ESF). Experiências de transformação de realidades complexas, realizadas por alunos de medicina, poderão repercutir não apenas na sua formação, mas no processo de trabalho de equipes da ESF.


Texto completo:

PDF

Referências


Teixeira C. Planejamento Municipal em Saúde. Salvador: Instituto de Saúde Coletiva; 2001.

Matus C. Política, Planejamento e Governo. Brasília: IPEA; 1997.

Artmann E, Azevedo CS, Sá MC. Possibilidades de aplicação do enfoque estratégico de planejamento no nível local de saúde: análise comparada de duas experiências. Cad. saúde pública 1997; 13(4): 723-740.

Brasil, Ministério da Saúde. Cadernos de atenção básica: programa de saúde da família. Brasília: Ministério da Saúde; 2000.

Batista KBC, Gonçalves OSJ. Formação dos Profissionais de Saúde para o SUS: significado e cuidado. Saúde Soc. 2011; 20(4): 884-899.

Vilasbôas ALQ, Teixeira CF. Orientações metodológicas para o planejamento e programação local da vigilância à saúde nas áreas de abrangência do PACS-BA. Salvador: ISC-UFBA; 1999.

Mendes EV. Uma agenda para a saúde. São Paulo: Hucitec; 1999.

França E, Abreu D, Siqueira M. Epidemias de dengue e divulgação de informações pela imprensa. Cad. Saúde pública 2004; 20(5): 1334-1341.

Vasconcelos EM. Educação popular: instrumento de gestão participativa dos serviços de saúde. Brasil. Ministério da Saúde. Secretária de Gestão Estratégica e Participativa. Departamento de apoio à Gestão Participativa. Caderno de Educação Popular em Saúde; Série B, textos básicos de saúde. Brasília; 2007.

Ahumada J, Guzmán AA, Duran H, Pizzi M, Sarué E, Testa M. Problemas conceptuales y metodológicos de La programación de la salud. Organización Panamericana de la Salud. Washington: OPS; 1965. Disponível em: . [05 jan 2017].

Teixeira CF, Paim JS, Vilasbôas ALQ. SUS, modelos assistenciais e vigilância da saúde. Inf. Epidemiol. SUS 1998; 7: 7-28.

Barcellos CC, Sabroza PC, Peiter P, Rojas LI. Organização espacial, saúde e qualidade de vida: análise espacial e uso de indicadores na avaliação de situações de saúde. Inf. Epidemiol. SUS 2002; 11(3): 129-138.

Rosa WAG, Labate, R. C. Programa saúde da família: a construção de um novo modelo de assistência. Ribeirão Preto, SP. Rev. Latino-Am. Enfermagem 2005; 13(6): 1027-34.

Di Villarosa FN. A estimativa rápida e a divisão do território no distrito sanitário: Manual de instrução. Brasília: OPAS/OMS; 1993.

Brasil. Ministério da Saúde. Dengue: diagnóstico e manejo clínico – adulto e criança. Brasília: Ministério da Saúde; 2011.

Normile D. Surprising new dengue virus throws a spanner in disease control efforts. Science 2013; 342(6157): 415.

Bhatt S, Gething PW, Brady OJ, Messina JP, Farlow AW, Moyes CL, Drake JM, Brownstein JS, Hoen AG, Sankoh O, Myers MF, George DB, Jaenisch T, William Wint GR, Simmons CP, Scott TW, Farrar JJ, Hay SI. Nature 2013; 496:504-507.

Barreto ML, Teixeira MG. Dengue in Brazil: Epidemiological situation and Contribution to a Research Agenda Estud. av. 2008; 22(64):53-72.

Roth A, Mercier A, Lepers C, Hoy D, Duituturaga S, Benyon E, Guillaumot L, Souarès Y. Concurrent outbreaks of dengue, chikungunya and Zika virus infections – an unprecedented epidemic wave of mosquito-borne viruses in the Pacific 2012–2014. Eurosurveillance 2014; 19(41): 2-9.

Coelho GE. Dengue: desafios atuais. Epidemiol. Serv. Saúde 2008; 17(3); 231-233.

Brasil. Ministério da Saúde. Dados sobre a Dengue, 2011. Disponível em: . [07 mar 2013].

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Monitoramento dos casos de dengue, febre de chikungunya e febre pelo vírus Zika até a Semana Epidemiológica 51, 2016. Boletim Epidemiológico 2017; 48(2): 1-10.

Brasil. Ministério da Saúde. Programa Nacional de Controle da Dengue. Brasília: Ministério da Saúde; 2002. Disponível em: . [07 mar 2013].

Ferreira ITRN, Veras MASM, Silva RA. Participação da população no controle da dengue: uma análise da sensibilidade dos planos de saúde de municípios do Estado de São Paulo, Brasil. Cad. saúde pública 2009; 25(12): 2683-2694.

Lenzi MF, Camillo-Coura L, Grault CE, Val MB. Estudo do dengue em área urbana favelizada do Rio de Janeiro: considerações iniciais. Cad. saúde pública 2000; 16(3): 851-856.




DOI: http://dx.doi.org/10.13102/rscdauefs.v7i2.1664

Apontamentos

  • Não há apontamentos.