PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DA MORTALIDADE NO MUNICÍPIO DE SENHORA DO PORTO, MINAS GERAIS, 2000 – 2014

Antonio Carlos Lima Silva

Resumo


Analisar o perfil epidemiológico da mortalidade em Senhora do Porto-Minas Gerais (MG), no período de 2000 a 2014. Método: Foram calculadas frequências simples absolutas e percentuais para as variáveis: gênero, causa da morte, local do óbito e faixa etária. Resultados: Entre 2000 e 2014, foram notificadas 449 mortes em residentes de Senhora do Porto. Verificou-se que 272 óbitos (60,6%) aconteceram em ambiente hospitalar e 273 óbitos (60,8%) acometeram idosos. Dentre as causas das mortes: 20% das mortes estavam relacionadas às doenças do aparelho circulatório; 13,6% às doenças do aparelho respiratório; 9,6% às causas externas e 8,7% às neoplasias. Uma frequência de 13,4% dos óbitos foi registrada como causa mal definida. Conclusão: O SIM mostrou-se uma importante ferramenta no diagnóstico e controle das causas de morbimortalidade em Senhora do Porto-MG, que apresentou como perfil mais evidente de mortalidade os indivíduos homens, idosos e que vieram a óbito devido a doenças dos sistemas circulatório e respiratório.

 

 


Palavras-chave


Mortalidade; Epidemiologia; Sistemas de Informação

Texto completo:

PDF

Referências


Gaui EN, Oliveira GM, Klein CH. Mortalidade por Insuficiência Cardíaca e da Doença Isquêmica do Coração no Brasil de 1996 a 2011. Arq. Bras. Cardiol. 2014; 102: 557-65.

Brasil. Ministério da Saúde. A experiência brasileira em sistemas de informação em saúde: produção e disseminação de informação sobre saúde no Brasil. Brasília: Ministério da Saúde. 2009. Disponível em: . [2016 dez 16].

Cunha CC, Campos D, França EB. Uso da busca ativa de óbitos na avaliação do Sistema. de Informações sobre Mortalidade em Minas Gerais, Brasil. Epidemiol. Serv.

Saúde 2011; 20(3): 275-286.

World Health Organization. CID -10 Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados à Saúde. 10a rev. São Paulo: Universidade de São Paulo; 1997.

Brasil. Secretaria de Vigilância em Saúde. Regulamenta a coleta de dados, fluxo e periodicidade de envio das informações sobre óbitos e nascidos vivos para os Sistemas de Informação em Saúde sob gestão da Secretaria de Vigilância em Saúde. Portaria n°116, de 11 de fevereiro de 2009. Diário Oficial da União, Brasília, 12 fev. 2009. Disponível em: .[2016 dez 16].

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria Ministerial nº 2.203, de 5 de novembro de 1996. Diário Oficial da União, Brasília, 1996. [acesso em 01 ago 2017] Disponível em: . [2016 ago 1].

Farias PG, Pereira PMH, Andrade CLT, Szwarcwald CL. Sistema de Informações sobre Mortalidade: estudo de caso em municípios com precariedade dos dados. Cad. Saúde Pública 2008; 24(10): 2257-2266.

Viacava F. Sistemas de informação e avaliação do desempenho do sistema de saúde no Brasil. Trabalho apresentado na 1ére Conferénce Luso-Francophone de La Santé / COLUFRAS, Montreal, 2005.

Teixeira CF. Transição epidemiológica, modelo de atenção à saúde e previdência social no Brasil: problematizando tendências e opções políticas. Epidemiol. Serv. Saúde 2012; 21(4): 529-532.

World Health Organization. Global status report on noncommunicable diseases 2010. Geneva: World Health Organization; 2011. Disponível em: . [2017 ago 1].

Gomes B, Calanzani N, Gysels M, Hall S, Higginson IJ. Heterogeneity and changes in preferences for dying at home: a systematic review. BMC Palliative Care 2013; 12(1): 7.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo demográfico 2010. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Disponível em: . [2016 dez 5]

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo demográfico 2000. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Disponível em:

estatistica/populacao/censo2000/>. [2016 dez 5]

Haq M. Reflections on Human Development. New York: Oxford University Press; 1995.

World Health Organization. Active Ageing – A Police Framework. A Contribution of the World Health Organization to the second United Nations World Assembly on Aging. Madrid; Spain; 2002

Campolina AG, Adami F, Santos JLF, Lebrão ML. A transição de saúde e as mudanças na expectativa de vida saudável da população idosa: possíveis impactos da prevenção de doenças crônicas. Cad. Saúde Pública 2013; 29(6): 1217-1229.

Silva VL, Albuquerque MFPM, Cesse EAP, Luna CF. Perfil de mortalidade do idoso: análise da evolução temporal em uma capital do Nordeste brasileiro de 1996 a 2007. Rev. Bras. Geriatr. Gerontol. 2012; 15(3): 433-41.

Mackenbach JP, Stirbu I, Roskam AJ, Schaap MM, Menvielle G, Leinsalu M, Kunst AE. European Union Working Group on Socioeconomic Inequalities in Health. Socioeconomic inequalities in health in 22 European countries. N Engl J Med 2008; 358(23): 2468-81.

Júnior IVA, Andrade RCDV, Andrade ADV, Andrade APD, Pithon MM. Impacto do diabetes mellitus na vida laboral: influência na previdência social loco-regional (gerência de vitória da conquista-ba) no período de 2003 a agosto 2007. Rev. Saude.com 2009; 5: 3-8.

Klafke A, Duncan BB, Rosa RS, Moura L, Malta DC, Schmidt MI. Mortalidade por complicações agudas do diabetes melito no Brasil, 2006-2010. Epidemiol. Serv. Saúde 2014; 23(3): 455-462.

Soares VMN, Azevedo EMM, Watanabe, TL. Subnotificação da mortalidade materna no Estado do Paraná, Brasil: 1991 – 2005. Cad. Saúde Pública 2008; 24(10): 2418-2426.

Sousa MH, Cecatti JG, Hardy EE, Serruya SJ. Morte materna declarada e o relacionamento de sistemas de informação em saúde. Rev. Saúde Publica 2007; 41(2): 181-189.

Alencar Júnior CA. Editorial. Os elevados índices de mortalidade materna no Brasil: razões para sua permanência. Rev. Bras. Ginecol. Obstet. 2006; 28(7): 377-9.

United Nations. The millennium declaration. 2000. [acesso em 16 dez 2016] Disponível em: http://www.un.org/millennium/declaration/ares552e.pdf.

Scalassara MB, Souza RKT, Soares DFPP. Características da mortalidade por acidentes de trânsito em localidade da região Sul do Brasil. Rev. Saúde Pública 1998; 32(2): 125-132.

Duarte EC, Duarte E, Sousa MC, Tauil PL, Monteiro RA. Mortalidade por acidentes de transporte terrestre e homicídios em homens jovens das capitais das Regiões

Norte e Centro-Oeste do Brasil, 1980-2005. E pidemiol. Serv. Saúde. 2008; 17(1): 7-20.

Lima-Costa MF, Matos DL, Laurenti R, Mello-Jorge MHP, Cesar CC. Time trends and predictors of mortality from ill-defi ned causes in old age: 9 year folllow-up of the Bambuí cohort study (Brazil). Cad. Saúde Pública 2010; 26:.514-22.

Mathers CD, Fat DM, Inoue M, Rao C, Lopez AD. Counting the dead and what they died from: an assessment of the global status of cause of death data. Bulletin of the World Health Organization, 2005.

Jorge MHPM, Laurenti R, Gotlieb SLD. Análise da qualidade das estatísticas vitais brasileiras: a experiência de implantação do SIM e do SINASC. Ciênc. Saúde coletiva 2007; 12(3): 643-654.

Façanha MC, Pinheiro CP, Fauth S, Lima AWDBC, Silva VLP, Justino MWS, Costa EM. Busca ativa de óbitos em cemitérios da Região Metropolitana de Fortaleza, 1999 a 2000. Epidemiol. Serv. Saúde 2003; 12(2): 131-136.




DOI: http://dx.doi.org/10.13102/rscdauefs.v0i0.1682

Apontamentos

  • Não há apontamentos.