VIVÊNCIA DA HOMEOPATIA: UMA RACIONALIDADE MÉDICA INTEGRATIVA NA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA – UEFS

Célia Maria Carneiro dos Santos, Ingrid Estefania Mancia de Gutiérrez, Marcelo Luiz Pereira de Souza Filho, Ewerton Vinicius da Silva Pereira

Resumo


Novos paradigmas em saúde no fim do século XX  efetivam consolidação da homeopatia no âmbito da Saúde Pública é dependente da divulgação dos conhecimentos básicos da PIC entre os profissionais de saúde, assunto distante da medicina convencional praticada e vivenciada nos cursos de graduação do país. O objetivo deste trabalho é relatar a atuação do ambulatório de homeopatia da UEFS e a inserção da homeopatia nos cursos de graduação da instituição, assim como a construção de liga acadêmica sobre o tema por parte dos estudantes de medicina. Metodologia: Foram avaliadas todas as fichas dos pacientes do ambulatório de Homeopatia do Programa Terapias Não Convencionais  da UEFS, no período entre 2012-2016. Resultados: Foram atendidos 54 usuários, predominante do gênero feminino (72,2%), adultos (77,8%) e discentes da UEFS (44,4%), sendo prescritos 39 medicamentos homeopáticos, prevalecendo os de origem vegetal (59,0%), seguidos dos medicamentos de origem animal (28,2%) e mineral (12,8%). Conclusão: a importância  da introduzir tais conhecimentos nas grades curriculares dos cursos de saúde, a fim de formar profissionais capacitados para a correta indicação e realização de tais práticas nos serviços de saúde é um desafio na formação do médico.

Palavras-chave


homeopatia, assistência à saúde, educação em saúde

Texto completo:

PDF

Referências


Luz MT. Cultura contemporânea e medicinas alternativas: novos paradigmas em saúde no fim do século XX. Physis 2005; 15(1):145-176.

Tesser CD, Luz MT. Racionalidades médicas e integralidade. Ciência & Saúde Coletiva 2008; 13(1):195-206.

Tetau M. Hahnemann – muito além da genealidade (vida e obra). São Paulo: Editora Organon; Lisboa: Biopress, 2001.

Teixeira MZ. Semelhante cura semelhante: o princípio de cura homeopática fundamentado pela racionalidade medica e cientifica. São Paulo: Petrus, 1998..

Morera MC, Marques RFO, Marino ACM. Medicamentos dinamizados. In: Vieira FP, Rediguieri CF, Rediguieri CF. (org.). A regulação de medicamentos no Brasil. Porto Alegre: Artmed; 2013. p. 202-212.

Brasil. Ministério da Saúde. Resolução RDC nº 26, de 30 de março de 2007. Dispõe sobre o registro de medicamentos dinamizados industrializados homeopáticos, antroposóficos e anti-homotóxicos. Disponível em [28.11.2016]

Cunha GT. A construção da clínica ampliada na atenção básica. 3ª Ed. São Paulo: Hucitec; 2010.

Luz, MT. Arte de Curar versus a Ciência das Doenças: História Social da Homeopatia no Brasil. 1. ed. São Paulo: Dynamis, 1996. V. 1.

Brasil. Ministério da Saúde Farmacopéia Homeopática Brasileira, 2011, 354p. Disponível http://www.anvisa.gov.br/hotsite/farmacopeiabrasileira/conteudo/3a_edicao.pdf [20.01.2017].

Salles, SAC. Homeopatia, Universidade e SUS: resistências e aproximações. São Paulo: Aderaldo & Rothschild, 2008.

Conselho Federal de Medicina (CFM). Resolução nº 1000, de 04 de junho de 1980. Acrescentar na relação de especialidades reconhecidas pelo CFM, para efeito de registro de qualificação de especialistas a hansenologia e a homeopatia. Brasília: CFM; 1980.

Luz HS. O conselho de entidades formadoras de especialistas em Homeopatia, suas metas e perspectivas. Rev. Homeopat. AMHB 1999; (3):113-8.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria/PNPIC nº 971, de 3 de maio de 2006. Dispõe sobre a aprovação da política nacional das práticas integrativas e complementares no Sistema Único de Saúde. Ministério da Saúde, Brasília, DF. 2006. Disponível em [13.01.2017]

Loch-Neckel G, Carmignan F, Crepaldi MA. A homeopatia no SUS na perspectiva de estudantes da área da saúde. Rev. Bras. Educ. Med. 2010; 34(1):82-90.

Salles SAC, Schraiber LB. Gestores do SUS: apoio e resistências à Homeopatia. Cad. Saúde Pública 2009; 25(1):195-202. Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-311X2009000100021&lng=pt&nrm=iso [20.01.2017]

Galhardi WMP; Barros NF. O ensino da homeopatia e a prática no SUS. Interface, Comunicação Saúde Educação 2008; 12(25):247-266.

Carillo-Junior R. A prescrição. In: ___. Homeopatia, medicina interna e terapêutica. São Paulo: Homeolivros; 2007. p. 103-126.

Arrues SM. Análise combinada de casos homeopáticos de alta qualidade. Revista de Homeopatia 2016; 79(3/4):11-21.

Danno K, Colas A, Freyer G, Guastalla JP, Duru G, Musial E, Libourel V, Fendler JP, Masson, JL, Bordet MF. Motivations of patients seeking supportive care for cancer from physicians prescribing homeopathic or conventional medicines: results of an observational cross-sectional study. Homeopathy 2016; 105(4):289-298.

Scala PB. Redução e/ou negativação dos anticorpos antitireoidianos com tratamento homeopático: série de casos. Revista de Homeopatia 2015; 78(1/2):1-7.

Adler UC, Paiva NM, César AT, Adler MS, Molina AL, Padula AE, Calil HM. Uso de medicamentos homeopáticos na dinamização cinquentamilesimal (LM) versus Fluoxetina no tratamento da depressão: um ensaio duplo-cego, randomizado, de não-inferioridade. Brazilian Homeopathic Journal 2009; 11(1):29-30.

Liga de Medicina Complementar e Integrativa (LIMCI). Estatuto da Liga de Medicina Complementar e Integrativa (LIMCI) – UEFS. Feira de Santana; 2014. mimeo

Gerber R. Medicina Vibracional: uma medicina para o futuro. São Paulo: Cultrix, 2007.

Fontes OL, Cesar AT. Farmácia homeopática: teoria e prática. 2a. ed. Barueri-SP: Manole, 2005.

Hahnemann S. Organon da Arte de Curar. São Paulo: Robe Editorial, 2001.

Monteiro DA, Iriart JAB. Homeopatia no Sistema Único de Saúde: representações dos usuários sobre o tratamento homeopático. Caderno de Saúde Pública 2007; 23(8):1903-1912.




DOI: http://dx.doi.org/10.13102/rscdauefs.v7i2.1732

Apontamentos

  • Não há apontamentos.