PLANEJAMENTO E PROGRAMAÇÃO LOCAL EM SAÚDE (PPLS): UMA PROPOSTA PARA DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES NA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE

Carlos Alberto Lima da Silva, Clara Aleida Prada Sanabria, Elisângela Mascarenhas Silva, Jamilly de Oliveira Musse, Alyne Mascarenhas Souza, Dionny Sócrates de O. Rodrigues, Eliaquim Nery Diniz Souza, Eva Paloma de Oliveira Duarte, Géssica Silva Santana, Jennifer Silveira de Almeida, Talita dos Santos Dias, Thereza Cristina Dourado Araújo, Vitor Daniel Vieira Zuba, William Karlisson Teixeira de Souza

Resumo


A busca por modelos de atenção com ênfase na promoção da saúde vem proporcionando a diversificação de cenários para novas práticas de ensino nas escolas médicas do Brasil. O objetivo deste artigo foi descrever o uso do planejamento local no desenvolvimento de ações de saúde numa comunidade em Feira de Santana-Bahia. Trata-se de uma atividade desenvolvida pela disciplina "Práticas de Integração, Ensino, Serviço e Comunidade" (PIESC) do curso de medicina da Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS). Para orientar as intervenções a serem realizadas, utilizou-se a Programação e Planejamento Local em Saúde (PPLS) que se constitui num instrumento metodológico voltado para a execução de práticas de promoção de saúde em nível local do Sistema Único de Saúde. Assim, foi construída uma planilha operativa elaborada a partir de agravos à saúde mais frequentes na área de abrangência da Unidade de Saúde da Família (USF) Gabriela II. Inicialmente, foram programadas 12 atividades. Contudo, houve necessidade de reformulação da proposta devido à reavaliação das oficinas, reduzindo o número de atividades propostas para dez. Foram avaliados no presente artigo variantes resultantes da PPLS como reflexo da participação de terceiros nas ações educativas, na habilidade em transpor obstáculos na efetivação das intervenções e interação entre comunidade, USF e alunos. As observações desta experiência de planejamento em saúde reforçam a importância da utilização do PPLS na programação das ações voltadas para o enfrentamento das necessidades de saúde da população.


Palavras-chave


Planejamento; PPLS; Programação em saúde

Texto completo:

PDF PDF

Referências


Feuerwerker LM. Technical healthcare models, management and the organization of work in the healthcare field: nothing is indifferent in the struggle for the consolidation Brazil’s Single Healthcare System. Interface (Botucatu) 2005; 9(18): 489-506.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portal da saúde. Disponível em: . [10.12.2016].

Borges MC, Frezza G, Souza CS, Bollela VR. Ensino clínico em cenários reais de prática. Medicina (Ribeirão Preto) 2015; 48(3): 249-56.

Ferreira RC, Fiorini,VML, Crivelaro E. Formação profissional no SUS: o papel da atenção básica em saúde na perspectiva docente. Rev. Bras. Educ. Med. 2010; 34(2): 207-2015.

Berbel NAN. A problematização e a aprendizagem baseada em problemas: diferentes termos ou diferentes caminhos. Interface (Botucatu) 1998; 2(2): 139-154.

UEFS. Manual do Módulo de Práticas de Integração Ensino, Serviço e Comunidade II – PIESC II. Feira de Santana: NUEG/UEFS; 2014.

Faria TW. As políticas de saúde no Brasil: da cidadania regulada ao direito à saúde. In: Kuschnir R, Rodrigues MC (org.). Gestão de Redes de Atenção à Saúde, v. 1. Rio de Janeiro: EAD/ENSP, 2014. p. 19-58.

Teixeira CF. Enfoques teóricos metodológicos do planejamento em saúde. IN: Planejamento em saúde: conceitos, métodos e experiências. Salvador: EDUFBA; 2010. p. 9-32.

Chorny AH, Kuschnir R, Taveira M. Planejamento e programação em saúde – texto para fixação de conteúdos e seminário. FIOCRUZ/ ENESP; 2008.

Vilasbôas ALQ. Planejamento e programação das ações de vigilância da saúde no nível local do Sistema Único de Saúde. Rio de Janeiro: FIOCRUZ/ EPJV/ PROFORMAR; 2004. 68p.

Teixeira CF, Paim JS. Planejamento e programação de ações intersetoriais para a promoção da saúde e da qualidade de vida. Revista de Administração Pública 2000; 34 (6): 63-80.




DOI: http://dx.doi.org/10.13102/rscdauefs.v7i2.1782

Apontamentos

  • Não há apontamentos.