QUALIDADE DE VIDA E CONDIÇÕES DE TRABALHO DE FEIRANTES

Jakeline de Jesus Carvalho, Maria Geralda Gomes Aguiar

Resumo


Os trabalhadores feirantes desenvolvem suas atividades em condições de trabalho que os tornam vulneráveis a impactos sociais, econômicos, psicológicos e físicos inerentes à atividade informal que desempenham. O estudo objetivou descrever fatores relacionados ao trabalho que contribuem para a qualidade de vida de feirantes que atuam na feira livre da Cidade Nova em Feira de Santana – BA. Realizou-se estudo qualitativo, exploratório, com 11 feirantes, mediante entrevista semiestruturada. O corpus foi submetido à análise de conteúdo. Evidenciou-se que fatores ambientais como condições inadequadas de higiene e poluição sonora contribuem na qualidade de vida e interferem no processo saúde-doença. A falta de tempo para o lazer devido à carga horária extensa e os baixos rendimentos são motivos de insatisfação no trabalho. A satisfação no trabalho é atrelada à autonomia que a atividade laboral proporciona; a insatisfação está relacionada às suas precárias condições. As condições de trabalho influem na percepção da qualidade de vida, configurando-se como fatores contribuintes no processo saúde-doença.


Palavras-chave


Condições de trabalho; Qualidade de vida; Saúde; Setor informal.

Texto completo:

PDF

Referências


Antunes R. O caracol e sua concha: ensaios sobre a nova morfologia do trabalho. São Paulo: Boitempo; 2005.

Ianni O. O mundo do trabalho. São Paulo em Perspectiva 1994; 8(1): 2-12.

Toni M. Visões sobre o trabalho em transformação. Sociologias 2003; 5(9): 246-86.

Antunes R. Trabalho e precarização numa ordem neoliberal. In: Gentili P, Frigotto G. (org.) A cidadania negada: políticas de exclusão na educação e no trabalho. São Paulo: Cortez, Buenos Aires: CLACSO; 2001. p. 35-48.

Krein JD, Proni WM. Economia informal: aspectos conceituais e teóricos. 1 v., Série Trabalho Decente no Brasil. Brasília: Escritório da OIT no Brasil; 2010. p. 1-40.

Alves MA, Tavares MA. A dupla face da informalidade do trabalho “autonomia” ou “precarização”. In: Antunes R. (org.). Riqueza e miséria do trabalho no Brasil. São Paulo: Boitempo; 2006. p. 425-44.

Guimarães IB. Maturidade e experiência em atividades informais de baixa renda. Caderno CRH 2004; 17(42): 389-406.

Pirenne H. Economic and Social History of Medieval Europe. New York: A Harvest Book; 1936.

Coutinho EP, Neves HCN, Silva EMG. Feiras livres do brejo paraibano: crise e perspectivas. In: Anais do 44° Congresso da Sociedade Brasileira de Economia e Sociologia Rural.Fortaleza: SBESR; 2006. p.1-12.

Carvalho JJ, Aguiar MGG. Características sociodemográficas e do trabalho de feirantes em Feira de Santana-BA. 2012, 31f. Relatório de Pesquisa PROBIC/UEFS. Núcleo Integrado de Estudos e Pesquisas sobre o Cuidar/Cuidado (NUPEC), Universidade Estadual de Feira de Santana.

Vale PRLF do et al. Itinerários terapêuticos de feirantes diante das necessidades de saúde dos familiares. Rev. baiana enferm. 2015; 29(4): 372-81.

Minayo MCS, Hartz ZMZA, Buss PM. Qualidade de vida e saúde: um debate necessário. Ciênc. saúde coletiva 2000; 5(1):7 18.

Fleck MPA et al. Desenvolvimento da versão em português do instrumento de avaliação de qualidade de vida da OMS (WHOQOL-100). Rev. Bras. Psiquiatr. 1999; 21(1): 19-28.

The WHOQOL Group (1995) The World Health Organization Quality of Life assessment (WHOQOL): Position paper from the World Health Organization. Soc Sci Med 1995; 41: 1403-409.

Ferreira ES. et al. Análise socioambiental da feira livre do município de Bragança-PA. In: Anais do 3º Congresso Brasileiro de Gestão Ambiental; 2012; 19-22; Goiânia, (BR). Goiânia: IBEAS; 2012. p. 1-6 .

Godoy WI, Anjos FS. O perfil dos feirantes ecológicos de Pelotas – RS. Rev. Bras. Agroecologia Porto Alegre, 2007; 2(1): 1461-465.

Carvalho JJ, Aguiar MGG, Mascarenhas MS, Santos KOB. Percepção de feirantes sobre sua qualidade de vida e seu estado de saúde segundo gênero em Feira de Santana - BA. In: Tânia Maria de Araújo; Edna Maria de Araújo. (org.). Análise de problemas sociais e de saúde: contribuições no campo da saúde coletiva. Feira de Santana: UEFS, 2016; p. 193-220.

Sato L. Feira livre: organização, trabalho e sociabilidade. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo; 2012. 240 p. 18. Martins PJF, Mello MT, Tufik S. Exercício e sono. Rev. Bras. Med. Esporte, 2001; 7(1): 28-36.

Souza, ES, Silva P. Perfil socioeducacional e identidade do feirante de Itabaiana-SE. Psicologia em foco 2009; 2(1): 66-78.

Martinez MC, Paraguay AIBB. Satisfação e saúde no trabalho - aspectos conceituais e metodológicos. Cad. Psicol. Soc. Trab. 2003; 6: 59-78.




DOI: http://dx.doi.org/10.13102/rscdauefs.v0i0.1943

Apontamentos

  • Não há apontamentos.