VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER: FACILIDADES E DIFICULDADES RELACIONADAS A ASSISTÊNCIA MULTIPROFISSIONAL

Ana Paula Reis de Oliveira, Chalana Duarte Sena, Gilvânia Patrícia do Nascimento Paixão, Josinete Gonçalves dos Santos Lírio

Resumo


Considerada pela Organização Mundial de Saúde (OMS) como problema de saúde pública, a violência contra a mulher (VCM) é uma epidemia mundial, estima-se que as mulheres em vivência de violência doméstica, ao longo de suas vidas, apresentam mais problemas de saúde e buscam, com mais frequência os serviços de saúde do que pessoas que não sofrem estes maus tratos. Diante do exposto, o presente estudo tem como objetivo: Identificar os fatores que facilitam e dificultam a assistência a saúde a mulher em situação de violência domestica segundo a literatura brasileira, visando à importância da identificação das mulheres em vivência de violência e a ampliação deste cuidado não apenas para a cura/tratamento, mas para o vínculo e acolhimento eficaz e humano entre o agente cuidador e o agente alvo de cuidados, visando à superação tanto do cenário atual, quanto de tal momento doloroso na vida na mulher.

Descritores: Violência Doméstica e Sexual Contra a Mulher; Cuidados; associados ao uso do recurso booleano “AND”.

 

ABSTRACT

 

Considered by the World Health Organization (WHO) as a public health problem, violence against women (VCM) is a worldwide epidemic, it is estimated that women experiencing domestic violence throughout their lives have and seek health services more often than people who do not suffer from these ill-treatment. In view of the above, the present study aims to: Identify the factors that facilitate and hinder the health care of women in situations of domestic violence according to the Brazilian literature, aiming at the importance of identifying women in the experience of violence and the expansion of this care not only for the cure/treatment, but for the effective and humane bonding and reception between the caregiver agent and the target agent of care, aiming at overcoming both the current scenario and that painful moment in life in the woman.

 

Descriptors: Domestic and Sexual Violence Against Women; Care; associated with the use of the boolean "AND".


Palavras-chave


Violência Contra a Mulher; Assistência à Saúde.

Texto completo:

PDF

Referências


Guedes RN. Silva ATMC. Fonseca RMGS. A violência de gênero e o processo saúde-doença das mulheres. Esc. Anna Nery, Rio de Janeiro , v. 13, nº 3, 2009; 625-31 p.

Ferraz MIR. Lacerda MR. Labronici LM. Maftum MA. Raimondo ML. O cuidado de enfermagem a vítimas de violência doméstica. Cogitare Enferm, v. 14, n. 4, 2009; 755-59 p.

Presidência da República (Brasil), Governo Federal. Presidência da República-Casa civil. Lei nº 10.778, de 24 de novembro de 2003. [Acesso em 02 ago 2016]. Disponível em: .

Presidência da República (Brasil), Governo Federal. Presidência da República-Casa civil. Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006. [Acesso em 02 ago 2016]. Disponível em: .

Mendes KDS. Silveira RCCP. Galvão CM. Revisão integrativa: método de pesquisa para a incorporação de evidências na saúde e na enfermagem. Texto contexto - enferm. 2008. [Acesso em 20 jun 2016]. Disponível em: .

Souza MT. Silva MD. Carvalho R. Revisão integrativa: o que é e como fazer. Einstein, Morumbi, 8(1), 2010; 102-06 p.

Presidência da República (Brasil). Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres. II Plano Nacional de Políticas para as Mulheres. Brasília: Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres, 2008. [Acesso em 25 abr 2017]. Disponível em: .

Mochnacz S. Caracterização do Atendimento a Mulheres Vítimas de Violência Doméstica Pela Rede Intersetorial de Serviços. SÃO PAULO, 2009, 148 p. [Acesso em 19 nov 2016]. Disponível em: .

Santos MA. Vieira EM. Recursos sociais para apoio às mulheres em situação de violência em Ribeirão Preto, SP, na perspectiva de informantes-chave. Interface Comunic., Saude, Educ., v.15, n.36, jan./mar. 2011, 93-108 p.

Villela, WV.Vianna LAC. Lima LFP. Sala DCP. Vieira TF. Vieira ML. Oliveira EM. Ambiguidades e Contradições no Atendimento de Mulheres que Sofrem Violência. Saúde Soc. São Paulo, v.20, n.1, 2011, 113-23 p.

Gomes NP. Erdmann AL. Bettinelli LA. Higashi GDC. Carneiro JB. Diniz NMF. Significado da capacitação profissional para o cuidado da mulher vítima de violência conjugal. Esc Anna Nery (impr.) out - dez; 17 (4), 2013, 683-89 p.

Fernandes GB. Gaia VO. Assis CL. Estratégias de enfrentamento da violência de gênero em mulheres de Ji-Paraná (RO). Mudanças – Psicologia da Saúde, 22 (2), 2014, 14 p.

Moreira TNF. Marins CL. Feuerwerker LCM. Schraiber LB. A construção do cuidado: o atendimento às situações de violência doméstica por equipes de Saúde da Família. Saúde Soc. São Paulo, v.23, n.3, 2014, 814-27 p.

Borsoi TS. Brandão ER. Cavalcanti MLT. Ações para o enfrentamento da violência contra a mulher em duas unidades de atenção primária à saúde no município do Rio de Janeiro. Interface - Comunic., Saúde, Educ., v.13, n.28, jan./mar. 2009, 165-74 p.

D´Oliveira AFPL. Schraiber LB. Hanada H. Durand J. Atenção integral à saúde de mulheres em situação de violência de gênero – uma alternativa para a atenção primária em saúde. Ciência & Saúde Coletiva, 14(4): 2009, 1037-50 p.

Gomes, NP. Diniz NMF. Filho CCS. Santos JNB. Enfrentamento da violência doméstica contra a mulher a partir da interdisciplinaridade e intersetorialidade. Rev . enferm. UERJ, Rio de Janeiro, 17(1), 2009; 14-7 p.

Vieira LB. Padoin SMM. Souza IEO. Paula CC. Perspectivas para o cuidado de enfermagem às mulheres que denunciam a violência vivida. Esc Anna Nery (impr.), out-dez; 15 (4), 2011, 678-85 p.

Baraldi ACP. Almeida AM. Perdoná GC. Vieira EM. Violência contra a mulher na rede de atenção básica: o que os enfermeiros sabem sobre o problema?. Rev. Bras. Saúde Matern. Infant., Recife, 12 (3), 2012, 307-18 p.

Osis MJD. Duarte GA. Faúndes A. Violência entre usuárias de unidades de saúde: prevalência, perspectiva e conduta de gestores e profissionais. Rev Saúde Pública, 46(2), 2012, 351-58 p.

Signorelli MC. Auad D. Pereira PPG. Violência doméstica contra mulheres e a atuação profissional na atenção primária à saúde: um estudo etnográfico em Matinhos, Paraná, Brasil. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 29(6), 2013, 1230-40 p.

Gomes NP. Erdmann AL. Santos JLG. Mota RS. Lira MOSCL. Meirelles BHS. Cuidado à mulher em situação de violência conjugal: teoria fundamentada nos dados. Online Brazilian Journal of Nursing, [S.l.], v.12, n.4, 2013; 782-93 p. [Acesso em 20 nov 2016]. Disponível em: .

Menezes PRM. Lima IS. Correia CM. Souza SS. Erdmann AL. Gomes NP. Enfrentamento da violência contra a mulher: articulação intersetorial e atenção integral. Saúde Soc. São Paulo, v.23, n.3, 2014, 778-86 p.

Bittar D. Kohlsdorf M. Ansiedade e depressão em mulheres vítimas de violência doméstica. Psicol. Argum. jul./set., 31(74), 2013, 447-56 p.

Miranda MPM. Paula CS. Bordin IA. Violência conjugal física contra a mulher na vida: prevalência e impacto imediato na saúde, trabalho e família. Rev Panam Salud Publica 27(4), 2010, 300-08 p.

Costa RG. Prisão e ressignificação da violência: a punição e o enfrentamento à violência contra mulher. Trabalho de Conclusão do curso de graduação em Serviço Social da UECE. Fortaleza, 2011.

Dados da Pesquisa Mulheres Brasileiras no Espaço Público e Privado, 2010. Publicada em 21 de fevereiro de 2011. [Acesso em 02 jun 2016]. Disponível em: .

Dias MB. A Lei Maria da Penha na Justiça. 2ª Ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2010.

Evaristo AM. Oliveira M. Normas de Referências Conforme o Estilo Vancouver. Universidade do Oeste Paulista – UNOESTE. Presidente Prudente-SP, 2011.

Medrado B. Moura H. Castro R. Moraes M. Brasilino JCB. Políticas públicas de enfrentamento à violência contra as mulheres: reflexões sobre o lugar dos homens, a partir do enfoque de gênero. In: IV Jornada Internacional de Políticas Públicas, 2009, São Luís/MA. Anais - IV Jornada Internacional de Políticas Públicas. São Luís: UFMA, v. 1, 2009, 10 p.

Organização das Nações Unidas (ONU). Estudio a fondo sobre todas las formas de violencia contra la mujer. Informe del Secretario General. [Acesso em 20 jun 2015]. Disponível em:.




DOI: http://dx.doi.org/10.13102/rscdauefs.v8i1.2094

Apontamentos

  • Não há apontamentos.