AUTOAVALIAÇÃO DA CONDIÇÃO DE SAÚDE DA POPULAÇÃO BAIANA

Ana Claudia Morais Godoy Figueiredo, Maria Luiza Camurugi Macedo, Daniel Ferreira Cunha, Dulcineia Santana dos Santos, Nidiane Evans da Silva Cabral, Isaac Suzart Gomes-Filho, Josicélia Estrela Tuy Batista, Géssica Santana Orrico, Edla Carvalho Lima Porto, Julita Maria Freitas Coelho, Roberta Borges Silva, Simone Seixas da Cruz

Resumo


Objetivo: Descrever a autoavaliação da condição de saúde da população baiana, de acordo com alguns fatores sociodemográficos. Método: Estudo de caráter transversal, cujo banco de dados utilizado foi da Pesquisa Nacional de Saúde (PNS). Foram levantados dados de 6153 pessoas, de ambos os sexos, com faixa etária acima de 18 anos, residentes na Bahia. As variáveis selecionadas foram sexo, raça/cor, estado civil, plano de saúde, diagnóstico de doença crônica, presença de depressão nas últimas semanas, nível de instrução, faixa etária e condição de saúde. Aplicou-se o teste qui-quadrado na análise dos dados, por meio do pacote estatístico Stata 15. Resultados: Definiram seu estado de saúde como bom: 56,88% dos homens, 68,87% dos indivíduos com faixa etária entre 18 e 29 anos, união estável/livre (56,24%), com plano de saúde (58,27%), ensino médio incompleto (73,66%). Em contrapartida, a maior parte das pessoas deprimidas a mais de uma semana (59,44%) e aquelas com doenças crônicas (54,48%) classificaram seu estado de saúde como regular. Conclusão: A maioria das pessoas relatou seu estado de saúde como bom. Destaca-se que essa definição foi mais frequente em pessoas do sexo masculino, jovens, com companheiro, que possuem plano de saúde e maior escolaridade.


Palavras-chave


Saúde do Adulto; Saúde Auto Avaliada; Estudo Transversal

Texto completo:

PDF

Referências


Paraguassú ALCB, Costa COM, Nascimento Sobrinho CL, Patel BN, Freitas JT, Araújo FPO. Situação sociodemográfica e de saúde reprodutiva pré e pós-gestacional de adolescentes, Feira de Santana, Bahia, Brasil. Ciênc. saúde coletiva 2005; 2(10): 373-380.

Buss PM, Filho AP. A Saúde e seus Determinantes sociais. Physis 2007; 1(17): 77-93.

Arruda GO, Santos AL, Teston EF, Cecilio HPM, Radovanovic CAT, Marcon SS. Associação entre autopercepção de saúde e características sociodemográficas com doenças cardiovasculares em indivíduos adultos. Rev. esc. enferm. USP 2015; 1(49): 61-68.

Cordeiro SBM, Araújo TM, Almeida MMG, Santos KOB. Caraterísticas sociodemográficas e condições de saúde da população urbana de Feira de Santana, Bahia: Análise de diferenciais de gênero. Revista Baiana de Saúde Pública 2011; 35(1): 9-27.

Kochergin CN, Proietti FA, Cesar, Comini C. Comunidades quilombolas de Vitória da Conquista, Bahia, Brasil: autoavaliação de saúde e fatores associados. Cad. Saúde Pública 2014; 30(7): 1487-1501.

Giovanella L, Lobato LVC, Noronha JC, Carvalho AI. Políticas e sistemas de saúde no Brasil. Rio de Janeiro, RJ: Editora Fiocruz; 2012. p. 184.

Travassos C. Determinantes e desigualdades sociais no acesso e na utilização de serviços de saúde. In: Giovanella L, Lobato LVC, Noronha JC, Carvalho AI. Políticas e sistema de saúde no Brasil. 2ª Edição revista e ampliada. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz; 2012. p. 184.

Damacena GN, Szwarcwald CL, Malta DC, Souza-Júnior PRB, Vieira MLFP, Pereira, CA, Neto OLM et al. O processo de desenvolvimento da Pesquisa Nacional de Saúde no Brasil, 2013. Epidemiol. Serv. Saúde 2015; 24(2): 197-206.

Pinheiro RS, Viacava F, Travassos C, Brito AS. Gênero, morbidade, acesso e utilização de serviços de saúde no Brasil. Ciênc. saúde coletiva 2002; 7(4): 687-707.

Dachs JNW. Determinantes das desigualdades na autoavaliação do estado de saúde no Brasil: análise dos dados da PNAD/1998. Ciênc. saúde coletiva 2002; 7(4): 641-657.

Chiavegatto ADP, Wang Y-P, Malik AM, Takaoka J, Viana MC, Andrade LH. Determinants of the use of health care services: multilevel analysis in the Metropolitan Region of Sao Paulo. Rev. Saúde Pública 2015: 49 (15): 1-12.

Reis RN. O Efeito da educação sobre a saúde da população do Estado da Bahia. Salvador; 2013. [Monografia - Universidade Federal da Bahia, Faculdade de Economia] salvador; 2013.

Pavão ALB, Werneck GL, Campos MR. Autoavaliação do estado de saúde e a associação com fatores sociodemográficos, hábitos de vida e morbidade na população: um inquérito nacional. Cad. Saúde Pública 2013; 29(4): 723-734.

Skalinski LM, Praxede WLA. A abordagem marxista aplicada aos métodos de investigação em saúde. Acta Scientiarum. Human and Social Sciences 2003; 25(2): 305-316.

Oliveira SKM Pereira MM, Guimarães ALS, Caldeira AP. Autopercepção de saúde em quilombolas do norte de Minas Gerais, Brasil. Ciênc. saúde coletiva 2015; 20(9): 2879-289.




DOI: http://dx.doi.org/10.13102/rscdauefs.v0i0.2114

Apontamentos

  • Não há apontamentos.