ANÁLISE ESPACIAL DA INCIDÊNCIA DA DENGUE EM UM MUNICÍPIO DE MÉDIO PORTE DO ESTADO DE SÃO PAULO DE 2008 A 2015

Elaine Regina Defavari, Emílio Prado da Fonseca, Renato Pereira da Silva, Rafael da Silveira Moreira, Antonio Carlos Pereira, Marília Jesus Batista

Resumo


Objetivo: Avaliar a incidência e distribuição espacial da dengue em um município do Estado de São Paulo. Metodologia: Estudo ecológico cujas unidades de análise foram os bairros em Piracicaba-SP, com uso de dados notificados da dengue à Vigilância Epidemiológica do município, no período de 2008 a 2015. Foram analisados coeficientes de incidências anuais. Para avaliar a condição socioeconômica dos bairros foi utilizado o índice de exclusão social (IEX). Análise espacial, testes de dependência espacial global e local foram realizados no Terraview (p<0,05). Resultados: Notificaram-se 11.397 casos no período, sendo que o maior coeficiente de incidência foi em 2015. Em 2008, a incidência de dengue foi 14,77/100 mil habitantes indo para 949,80/100 mil habitantes em 2015. No período de 2011 a 2013, os Índices Globais de Morran foram 0,28, 0,40 e 0,14 respectivamente (p<0,05). Não houve associação com o IEX. Conclusão: Houve um aumento expressivo da doença dengue nas regiões analisadas, se espalhando no município como um todo. Estratégias para o controle da doença devem ser populacionais.


Palavras-chave


dengue, saúde pública, análise espacial, epidemiologia

Texto completo:

PDF

Referências


Stanaway JD, Shepard DS, Undurraga EA, Halasa YA, Coffeng LE, Brady OJ et al. The global burden of dengue: an analysis from the Global Burden of Disease Study 2013 Lancet Infect Dis 2016; 10 (6): 712-723. doi: 10.1016/ S1473-3099(16)00026-8.

WHO. DengueNet. Disponível em: . [2015 Abr 24].

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Informe Epidemiológico: Monitoramento dos casos de dengue e febre chikungunya Semanas 1 a 34 de 2015. Brasília: Ministério da Saúde, 2015.

Mondini A, Chiaravalloti Neto F, Gallo Y Sanches M, Lopes JCC. Análise espacial da transmissão de dengue em cidade de porte médio do interior paulista. Rev. Saúde Pública 2005; 39(3): 444-51.

Brasil. Ministério da Saúde. Programa Nacional de Controle da Dengue. Brasília, 2002. Disponível em:

São Paulo (Estado). Plano de Contingência para dengue no Estado de São Paulo – 2015/2016. Disponível em:. [2016 Mar 08].

Secretaria Municipal de Piracicaba. Plano municipal de saúde 2014-2017. Disponível em: [2016 Mar 08].

Instituto de Pesquisas e Planejamento de Piracicaba: IPPLAP: Loteamentos por bairro e região urbana 2010. Disponível em: . [2016 Mar 08].

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística: IBGE. Disponível em: . [ 2016 Mar 08].

Datasus. Informações de saúde: demográficas e socioeconômicas. Disponível em: .[2016 Mar 08].

Carvalho MS, Câmara G, Cruz OG, Correa V. Análise de dados de área. In: Druck, S. Carvalho MS Câmara G, Monteiro AVM, editors. Análise Espacial de Dados Geográficos. Brasília: EMBRAPA; 2004.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Informe Epidemiológico da Dengue, Semanas de 1 a 52 de 2009. Brasília: Ministério da Saúde, 2010.

Ocampo NM, Gatti AV, Neto JT. Observações da ficha SINAN sobre casos de dengue em Jundiaí. Perspectivas Médicas 2015; 26(3): 12-17.

Jácomo CA, Tachibana VM, Imai NN, Flores EF. Aplicação de técnicas de estatística espacial na caracterização dos casos de dengue no município de Presidente Prudente – SP no período de 1999 a 2007. III Simpósio Brasileiro de Ciências Geodésicas e Tecnologias da Geoinformação, Recife - PE, 2010; 2-9.

Ocazionez RE, Cortes FM, Villar LA, Gomez SY. Temporal distribution of dengue virus serotypes in Colombian endemic area and dengue incidence. Re-introduction of dengue-3 associated to mild febrile illness and primary infection. Mem. Inst. Oswaldo Cruz 2006; 101: 725–731.

Gonçalves Neto VS, Rebêlo JMM. Aspectos epidemiológicos da dengue no município de São Luís, Maranhão, Brasil, 1997-2002. Cad. Saúde Pública 2004; 20: 1424-31.

Guo RN, Lin JY, Li LH, Ke CW, He JF, Zhong HJ et al. The prevalence and endemic nature of dengue infections in Guangdong, South China: an epidemiological, serological, and etiological study from 2005-2011. Plos one 2014; 9 (1): 855-96.

Flauzino RF, Santos RS, Oliveira RM. Dengue, geoprocessamento e indicadores socioeconômicos e ambientais: um estudo de revisão. Rev. Panam. Salud Públ. 2009; 25 (5): 456-461.

Araújo JR, Ferreira EF, Abreu MHNG: Systematic review of spatial analysis studies on dengue in Brazil. Rev. Bras. Epidemiol. 2008; 11(4): 696-708.

Chiaravalloti Neto F, Baglini V, Cesarino MB, Favaro EA, Mondini A, Ferreira AC, et al. O Programa de Controle do Dengue em São José do Rio Preto, São Paulo, Brasil: dificuldades para atuação dos agentes e adesão da população. Cad. Saúde Pública 2007, 23(7): 1656-1664.




DOI: http://dx.doi.org/10.13102/rscdauefs.v0i0.2560

Apontamentos

  • Não há apontamentos.