SENTIMENTOS DE ADOLESCENTES VÍTIMAS DE VIOLÊNCIA ESCOLAR

Kariane Barbosa Almeida Freire, Judith Sena da Silva Santana, Sinara de Lima Souza, Rosely Cabral de Carvalho, Mariedna Santos de Jesus

Resumo


A violência escolar, devido a sua magnitude, complexidade afeta as diferentes dimensões da vida do adolescente, em particular, a saúde, refletindo nos dados sobre mortalidade e morbidade, acarretando prejuízos para o seu crescimento e desenvolvimento, sendo considerada um problema de saúde pública crescente em todo  o mundo. Trata-se de uma pesquisa com abordagem qualitativa descritiva. Objetivo descrever os sentimentos referidos pelos adolescentes escolares vítimas de violência escolar. Os sujeitos do estudo foram adolescentes vítimas de violência escolar, as técnicas de coleta de dados foram a entrevista semiestruturada e a observação sistemática e os dados foram analisados por Conteúdo Temático. Nos resultados, os sentimentos revelados pelos adolescentes diante da violência por eles sofrida  foram: me senti mal, triste, humilhado, com raiva, reveladores  da presença de bullying na escola, sinalizando para o fato de que a violência provoca consequências no desenvolvimento emocional e psíquico dos sujeitos agredidos e não pode ser negligenciada, devido as consequências na saúde física e psicológica e desempenho escolar dos adolescentes.

Palavras-chave


Adolescentes; violência escolar; sentimentos.

Texto completo:

PDF

Referências


Minayo, M.C.S. (1994). A violência social sob a perspectiva da saúde pública. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro: Escola Nacional de Saúde Pública, Fundação Oswaldo Cruz. Recuperado em 08 de maio, 2012, da SciELO (Scientific Eletrocnic Library On line): www.scielo.br

Minayo, M.C.S, & Souza, E.R. (1998) Violência e saúde como um campo interdisciplinar e de ação coletiva. História, Ciências, Saúde, Manguinhos, Rio de Janeiro-RJ, IV(3): 513-531.

Martins CBG, Mello Jorge MHP. Violência contra crianças e adolescentes: contexto e reflexões sob a ótica da saúde. Londrina: EDUEL; 2011.

Organização Mundial da Saúde (2002). Relatório mundial sobre violência e saúde. Brasília: OMS/OPAS.p. 05.

Organização Mundial da Saúde (2002). Relatório mundial sobre violência e saúde. Brasília: OMS/OPAS.

Malta DC, Souza ER, Silva MMA, Silva CS, Andreazzi MAR, Crespo C, Mascarenhas MDM, Porto DL, Figueroa ALG, Morais Neto OL, Penna GO. Vivência de violência entre escolares brasileiros: resultados da Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar (PeNSE). Ciênc Saúde Coletiva. 2010; 15: supl. 2, 3053-63.

Giordani, JP; Seffner, F and Dell'aglio, DD. School violence: perceptions of students and teachers of a public school. Psicol. Esc. Educ. [online]. 2017, vol.21, n.1, pp.103-111. ISSN 2175-3539. http://dx.doi.org/10.1590/2175-3539201702111092.

Sposito, M.P. (2001, janeiro/junho). Um breve balanço da pesquisa sobre violência escolar no Brasil. Educação e Pesquisa, 27(1), 87-103.

Abramovay, M., & Avancini, M.F. (2004). A Violência e a Escola: O Caso Brasil. 2004 Acesso em 01 de setembro, 2012, da http://observatorio.ucb.unesco.org.br

Organização Mundial da Saúde (2002). Relatório mundial sobre violência e saúde. Brasília: OMS/OPAS.

Santana, J.S.S. (2010). Percurso Metodológico. In J.S.S. Santana & M.A.A. Nascimento (Orgs.), Pesquisa: métodos e técnicas de conhecimento da realidade social (pp.87-119). Feira de Santana, BA: UEFS Editora.

Oliveira, D.C. (2008, outubro/dezembro). Análise de Conteúdo Temático-Categorial: uma proposta de sistematização. Rev. Enferm., 16(4), 569-576. Recuperado em 01 de setembro, 2012, da http://bases.bireme.br/cgibin/wxislind.exe/iah/online/?Isisscript=iah/iah.xis&src=google&base=LILACS〈=p&nextaction=lnk&exprsearch=512081&indexsearch=ID

Abbagnano, N. Dicionário de Filosofia. Tradução da 1ª edição brasileira coordenada e revista por Alfredo Bossi; revisão da tradução Ivone Castilho Benedeti, 5ª ed. São Paulo: Martins Fontes, 2007. p.874

Silva, M.C.M., & Silva, L.M.P. (2003). Guia de assistência Integral à Saúde da Criança e do Adolescente em situação de violência: abordagem multidisciplinar. Recife: EDUPE.

Francisco, M.V., & Libório, R.M.C. (2009). Um Estudo sobre Bullying entre Escolares do Ensino Fundamental. Psicologia: Reflexão e Crítica, 22(2), 200-207.

Fischer, R.M., Lorenzi, G. W., Pedreira, L. S., Bose, M., Fante, C., Berthoud, C. et al. (2010). Relatório de pesquisa: bullying escolar no Brasil. Centro de Empreendedorismo Social e Administração em Terceiro Setor (Ceats) e Fundação Instituto de Administração (FIA). Acesso em 18 de agosto, 2013, da http://catracalivre.folha.uol.com.br/wp-content/uploads/2010/03/Pesquisa-Bullying.pdf

Miguel, FK. Psicologia das emoções: uma proposta integrativa para compreender a expressão emocional. Psico -USF, Bragança Paulista, v. 20, n. 1, p. 153-162, jan./abr. 2015. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/pusf/v20n1/1413-8271-pusf-20-01-00153.pdf. acesso em 26/09/2017

Matos, M.G., & Gonçalves, S.M.P. (2009). Bullying nas escolas: comportamentos e percepções. Psicologia, Saúde & Doenças, 10(1), 3-15.

Lopes, R.E., Silva, C.R., Moura, B.R., & Oishi, J. (2009). Violência, escola e jovens de grupos populares urbanos: o caso de estudantes de ensino médio São Carlos-SP. Revista HISTEDBR On-line, 9(34). Recuperado em 10 de agosto, 2013 de http://www.histedbr.fae.unicamp.br/revista/edicoes/34/art05_34.pdf

Bidarra, Z.S.;Gregorio, F.J. Configurações da violência psicológica contra crianças e adolescentes no município de Toledo (PR). Informe Gepec, Toledo-PR, l(12), 2008. Acesso em 12 de setembro, de 2013, em http://web.ebscohost.com/abstract?

Njaine, K., & Minayo, M.C.S. (2003, agosto). Violência na escola: identificando pistas para a prevenção. Interface - Comunic, Saúde, Educ, 7(13), 119-34.

Dani, L.S.C. Conflitos, sentimentos e violência escolar. Revista Diálogo Educacional,2009 , 9(28), 571- 586.

Miguel, F K. Psicologia das emoções: uma proposta integrativa para compreender a expressão emocional. Psico -USF, Bragança Paulista, v. 20, n. 1, p. 153-162, jan./abr. 2015. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/pusf/v20n1/1413-8271-pusf-20-01-00153.pdf. acesso em 26/09/2017

Moreno, M.T.N., & Araújo, C.A. (2009). Emoções de raiva associadas à gastrite e esofagite. Mudanças-Psicologia da Saúde, 13(1), 30-87.

Ballone, G.J., & Moura, E.C. Cérebro e Violência. Psiqweb, Internet, 2008. Acesso em 02 de maio, 2012 de www.psiqweb.med.br.

Cabral, A.C.Q. Stress e Raiva de Mães Hipertensas e Normotensas e o Stress de Seus Filhos. Dissertação de Mestrado, Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Psicologia do Centro de Ciência da Vida Pontifícia Universidade Católica (PUC), Campinas, SP, 2008. Acesso em 25 de outubro, 2013 de http://www.bibliotecadigital.puccampinas.edu.br/tdebusca/processapesquisaportal.php?

Louzada, S.S.S., Louzada, G.L.S., & Lazarini, Z.B.S. (2008, 2º Semestre). O bullying na vida dos adolescentes. Revista FACEVV, 1, 76-84.

Almeida, K.l., Silva, A.C., ; Campos, J.S. Importância da identificação precoce da ocorrência do bullying: uma revisão de literatura. Revista Pediatria,2008, 9(1), 8-16.

Debarbieux, E.( 2002). Violência nas escolas: divergências sobre palavras e um desafio político. In E. Debarbieux, & C. Blaya (Orgs.). Violência nas escolas e políticas públicas Brasília: Unesco, 2002, p.59-92.




DOI: http://dx.doi.org/10.13102/rscdauefs.v8i1.2602

Apontamentos

  • Não há apontamentos.