PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DOS CASOS DE LEISHMANIOSE VISCERAL EM FEIRA DE SANTANA, BAHIA, NO PERÍODO DE 2001 A 2015

Heros Aureliano Antunes da Silva Maia, Mateus Andrade Alvaia, Iltércio Bruno Dantas e Silva, José de Bessa Júnior

Resumo


Objetivo: Descrever o perfil epidemiológico de casos de leishmaniose visceral notificados em Feira de Santana, Bahia, no período de 2001 a 2015. Método: Estudo ecológico, descritivo, que analisou os dados secundários dos casos notificados confirmados de Leishmaniose Visceral (LV) do Sistema de Informação de Agravos de Notificação (SINAN), entre 2001 e 2015. Resultados: Observou-se 229 casos totais de LV. Constatou-se a maior ocorrência dos casos na faixa etária entre 1 e 4 anos (21,8), gênero masculino (58,5%), cor/raça parda (69%,) e nível de escolaridade com concentração entre a 1ª e a 4ª séries do ensino fundamental incompletas ou 1 a 3 anos de estudo concluídos, com 27 casos (11,8%). Verificou-se que 114 casos (49,8%) ocorreram em zona de residência urbana. Houve cura em 171 (74,7%) dos casos e óbito em
22 (9,6%). Conclusão: Feira de Santana é zona endêmica de transmissão intensa para Leishmaniose Visceral, doença esta que se encontra em relativa estabilidade no número de casos para os últimos seis anos do período analisado, mas com transição estabelecida para a zona urbana da cidade. É necessária uma revisão das políticas públicas para contenção do vetor e dos animais reservatórios do protozoário.

Abstract

Objective: To describe the epidemiologic profile of the Visceral Leishmaniasis cases notified in Feira de Santana, Bahia, from 2001 to 2015. Method: Descriptive and ecological study. Analysis of secondary data was made concerning the confirmed notified cases of Visceral Leishmaniasis (VL) from Brazilian Information System for Notifiable Diseases (SINAN) between 2001 and 2015. Results: 229 confirmed Visceral Leishmaniasis cases were observed. Greater incidence rates were found in the age-group from 1 to 4 years (21.8%), male gender (54.5%), brown skin (69%) and incomplete elementary education, with 27 cases (11.8%). 114 cases (49. 8%) took place in the urban zone. The cure was achieved in 171 cases (74.7%) whereas death occurred in 22 cases (9.6%). Conclusion: Feira de Santana is an endemic region of high transmission for Visceral Leishmaniasis, which has been in relative stability in the number of cases for the last six years of this analyzed period with an apparent rural-to-urban transition. A review of public policies is required to restrain the host animals and the fly vector of the protozoan parasite.


Palavras-chave


Leishmaniose Visceral; Perfil Epidemiológico; Saúde Pública; Zoonoses

Texto completo:

PDF

Referências


- Organização Pan-Americana da Saúde. Consulta de Expertos OPS/OMS sobre leishmaniasis visceral en Las Américas. Brasília-DF: Opas/Ministério da Saúde; 2005. Disponível em: http://www.paho.org/hq/index.phpoption=com_docman&task=doc_view&gid=16960&Itemid=270〈=en. [2017 out 14].

- Alvar J, Vélez ID, Bern C, Herrero M, Desjeux P, Cano J, Jannin J, Den Boer M. Leishmaniasis worldwide and global estimates of its incidence. PLoS One. 2012; 7(5): 1-12.

- BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância Epidemiológica. Manual de vigilância e controle da leishmaniose visceral. Brasília (DF): Ministério da Saúde, 2014. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/manual_vigilancia_controle_leishmaniose_visceral_1edicao.pdf. [2018 jan 16].

- Diniz AF, Santos RL, Santo SM. Avaliação dos riscos de seca para o município de Feira de Santana-BA associado à influência do El Niño no semiárido do nordeste brasileiro. Geografia´s 2008; 1(1): 18–24.

- Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Panorama: Feira de Santana. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/brasil/ba/feira-de-santana/panorama. [2017 out 06].

- Gontijo CMF, Norma MM. Leishmaniose visceral no Brasil: quadro atual, desafios e perspectivas. Rev. Bras. Epidemiol. 2004; 7(3): 338-349.

- Ministério da Saúde (BRASIL). O que é o SINAN. Disponível em: http://portalsinan.saude.gov.br. [2017 out 14].

- BRASIL. Secretaria de Saúde. Guia de Vigilância em Saúde. 2014. Disponível em: http://portalarquivos.saude. gov.br/images/pdf/2016/janeiro/15/guia-vigilanciasaude- atualizado-05-02-15-LV.pdf. [2017 nov 21].

- Marzochi MCA, Fagundes A, Andrade MV, Souza MB, Madeira MF, Mouta-Confort E, Schubach AO, Marzochi KBF. Visceral leishmaniasis in Rio de Janeiro, Brazil: eco-epidemiological aspects and control. Rev. Soc. Bras. Med. Trop. 2009; 42 (5): 570-580.

- Missawa NA, Borba JF. Leishmaniose visceral no município de Várzea Grande, Estado de Mato Grosso, no período de 1998 a 2007. Rev. Soc. Bras. Med. Trop. 2009; 42 (5): 496-502.

- Oliveira LS, Dias Neto RV, Braga PET. Perfil Epidemiológico dos casos de Leishmaniose Visceral em Sobral, Ceará, no período de 2001 a 2010. Sanare 2013; 12 (1): 13-19.

- Ortiz RC, Anversa L. Epidemiologia da leishmaniose visceral em Bauru, São Paulo, no período de 2004 a 2012: um estudo descritivo. Epidemiol. Serv. Saúde 2015; 24(1): 97-104.

- Borges BKA, Silva JA, Haddad JPA, Moreira EC, Magalhães DF, Ribeiro LML et al. Avaliação do nível de conhecimento e de atitudes preventivas da população sobre a leishmaniose visceral em Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil. Cad. Saúde Pública. 2008; 24(4): 777-784.

- Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias (CONITEC). Secretaria de Saúde (Org.). Proposta de Elaboração Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas.2016. Disponível em: http://conitec.gov.br/images/Protocolos/Escopo_ PCDT_ LeishmanioseVisceral_Enquete.pdf. [2017 nov 13].

- Oliveira EM, Pimenta AM. Perfil epidemiológico das pessoas portadoras de leishmaniose visceral no município de Paracatu – MG, no período de 2007 a 2010. Rev. Min. Enferm. 2014; 18(2): 371-375.

- Marcondes M, Rossi, CN. Leishmaniose visceral no Brasil. Braz. J. Vet. Res. Anim. Sci. 2014; 50(5): 341-352.

- Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). População residente em 2000 e população residente em 2010, por situação do domicílio, com indicação da população urbana residente na sede municipal, área total e densidade demográfica. 2010. Disponível em: https://censo2010.ibge.gov.br/sinopse/index.php?uf=29&dados=29. [2017 nov 20].

- Da Silva TAM, Coura-Vital W, Barbosa DS, Oiko CSF, Morais MHF, Tourinho BD, et al. Spatial and temporal trends of visceral leishmaniasis by mesoregion in a southeastern state of Brazil, 2002-2013. PLoS Negl. Trop. Dis. 2017; 11(10): 1-20.




DOI: http://dx.doi.org/10.13102/rscdauefs.v8i1.2749

Apontamentos

  • Não há apontamentos.