IDOSOS REPRESENTANDO A UATI PELA VIA DA CONTRANORMATIVIDADE

Lucas da Silva Santos, Cleuma Sueli Santos Suto, Laura Emmanuela Lima da Costa, Eliana do Sacramento de Almeida, Jones Sidnei Barbosa de Oliveira, José Andrade Almeida Junior

Resumo


O estudo buscou apreender as representações sociais de idosos frequentadores da Universidade Aberta à Terceira Idadeem seu aspecto contranormativo. Caracterizou-se como descritivo e qualitativo, sustentando-se na Teoria das Representações Sociais. Utilizou-se questionário semiestruturado com o estímulo “UATI”, além dos dados socioeconômicos. A técnica de coleta de dados foi o Teste de Associação Livre de Palavras e a analise pelo EVOC, versão 2005. Dos 53 participantes foram obtidas 246 evocações, sendo 41 delas diferentes. A frequência média foi igual a 10 e ordem média de 2,85, correspondeu ao índice de 96,3% do corpus. O desvelamento de presumíveis aspectos mascarados da representação social apontou no núcleo central uma representação da UATI em seus aspectos relacionados à socialização, o acesso ao conhecimento e à formação e/ou manutenção dos laços afetivos.Destacamos que a contranormatividade da representação revelou, na zona periférica, aspectos negativos como: não quer participar, maus tratos e coisa para velho.

Palavras-chave


Idosos; Representação social; Educação; Educação Física

Texto completo:

PDF

Referências


Arruda, IEA. Reflexões sobre o idoso e o programa Universidade da Terceira Idade. Revista Brasileira de Ciências do Envelhecimento Humano 2007; 4(2): 94-113.

Simoneau A, Oliveira DC. Programa universitário para pessoas idosas: a estrutura da representação social. Arquivos Brasileiros de Psicologia 2011; 63(1): 1-110.

Cachioni M. Formação profissional, motivos e crenças relativas à velhice e ao desenvolvimento pessoal entre professores de Universidades da Terceira Idade. Campinas; 2002. [Tese Doutorado Curso de Gerontologia - Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas]. Campinas, 2002.

Irigaray TQ, Schneidera RH, Gomes I. Effects of a Cognitive Training on the Quality of Life and Well-Being of Healthy Elders. Psicologia: Reflexão e Crítica 2011; 24 (4): 810-818.

Webber F, Celich KLS. As contribuições da Universidade Aberta para a Terceira Idade no envelhecimento saudável. Estudos Interdisciplinares sobre o Envelhecimento 2007; 12: 127-142.

Ribeiro JAB et al. Adesão de idosos a programas de atividade física: motivação e significância. Revista Brasileira de Ciências do Esporte 2012; 34(4): 969-984.

Brito TDQ, Oliveira AR, Eulálio MC. Deficiência física e envelhecimento: estudo das representações sociais de idosos sob reabilitação fisioterápica. Avances en Psicología Latinoamericana 2015; 33(1): 121-133.

Irigaray TQ, Schneider RH. Dimensões de personalidade, qualidade de vida e depressão em idosas. Revista Psicologia em Estudo 2009; 14(4): 759-766.

Carvalho FFB, Nogueira JAD. Práticas corporais e atividades físicas na perspectiva da Promoção da Saúde na Atenção Básica. Ciênc. saúde coletiva 2016; 21(6):1829-1838.

Santos DSS, Medeiros AGA, Cardoso BLC. Atividade Física e saúde: conceitos e concepções de docentes do curso de Educação Física. In: Cardoso BLC, Almeida CB, Mussi RFF (Org.). MovimentAção: debates e propostas. 1. ed. Goiânia: Kelps, 2016.

Anadón M, Machado PB. Reflexões teórico-metodológicas sobre as Representações sociais. Salvador: Editora UNEB, 2003.

Minayo MCS. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 12. ed. São Paulo: Hucitec, 2010.

Santos VB, Tura LFR, Arruda AMS. As Representações Sociais de “pessoa velha” construídas por Idosos. Revista Saúde Sociedade (São Paulo) 2013; 22(1): 138-147.

Moscovici S. Representações sociais: investigações em psicologia social. Petrópolis: Vozes, 2012.

Sampieri RH, Collado CF, Lucio MPB. Metodologia de pesquisa. São Paulo: Mc Graw-Hill, 2006.

Gomes AMT, Oliveira DC. Estudo da estrutura da representação social da autonomia profissional em enfermagem. Revista Escola Enfermagem USP 2005; 39(2): 145-153.

Gazzinelli MFC et al. Representações sociais da educação em saúde pelos profissionais da Equipe de Saúde da Família. Revista Trabalho Educação e Saúde (Rio de Janeiro) 2013; 11(3): 553-571.

Gerhardt TE, Silveira DT (Orgs.). Métodos de pesquisa. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2009.

Oliveira DC et al. Análise das evocações livres: uma técnica de análise estrutural das representações sociais. In: Moreira ASP. Perspectivas Teórico-Metodológicas em Representações sociais. João Pessoa, Editora Universitária UFPB, 2005.

Tavares DWS. Protocolo Verbal e Teste de Associação Livre de Palavras: perspectivas de instrumentos de pesquisa introspectiva e projetiva na ciência da informação. Revista Ponto de Acesso (Salvador) 2014; 8(3): 64-79.

Oliveira DC, Costa TL. A zona muda das representações sociais sobre o portador de HIV/AIDS: elementos normativos e contranormativos do pensamento social. Psicologia: Teoria e Prática 2007; 9(2): 73-91.

Abric J-C. A zona muda das representações sociais. In: Oliveira DC, Campos PHF. Representações sociais: uma teoria sem fronteiras. Rio de Janeiro: Museu da República, 2005. p.23-34.

Gomes AMT, Oliveira DC, Sá CP. O Sistema Único de Saúde na representação social de usuários: uma análise d e sua estrutura. Revista Brasileira Enfermagem (Brasília) 2011; 64(4): 631-638.

Guimarães JRS. A importância do uso das informações sociodemográficas no processo de planejamento. In: 57ª Reunião Anual da SBPC, 2005, Fortaleza. Anais/Resumos da 57ª Reunião Anual da SBPC: publicação eletrônica. São Paulo: SBPC/UECE, 2005.

Ferreira DS, Teixeira E, Neves ALM. Educação não tem idade: estrutura e conteúdo das representações sociais de idosos sobre educação. Revista Cocar (Belém) 2014; 8(15): 57-62.

Santos KCS et al. Processo de envelhecer das idosas: Universidade Aberta à Terceira Idade. Revista Enfermagem Integrada (Itapatinga Unileste-MG) 2016; 9(1): 1366-1376.

Arruda IEA. Analise de uma Universidade da Terceira Idade no município de Campinas. Campinas; 2009. [Mestrado Dissertação Curso de Educação - Pontifícia Universidade Católica de Campinas]. Campinas, 2009.

Dátilo GMPA, Marin MJS. O envelhecimento na percepção de idosos que frequentam uma Universidade Aberta da Terceira Idade. Estudos interdisciplinares sobre o envelhecimento (Porto Alegre) 2015; 20(2): 597-609.

Araújo LF, Coutinho MPL, Saldanha AAW. Análise comparativa das Representações sociais da velhice entre idosos de instituições geriátricas e grupos de convivência. Revista PSICO (Porto Alegre) 2005; 36(2): 197-204.

Palma LTS. Educação permanente e qualidade de vida: indicativos para uma velhice bem-sucedida. Passo Fundo: UPF, 2000.

Ussueli C. A Universidade Aberta à Terceira Idade no Cenário Educacional Brasileiro. Maringá; 2012. [Monografia Graduação Curso de Pedagogia, Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes – Universidade Estadual De Maringá]. Maringá, 2012.

Brasil. Ministério da Saúde. Lei n. 8.842, de 4 de janeiro de 1994. Dispõe sobre a Política Nacional do Idoso e cria o Conselho Nacional do Idoso e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília (DF), 1994. Disponível em: . Acesso em: 20 de nov. 2016.

Raso V, Greve JMD’A, Polito MD. Pollock: Fisiologia clínica do exercício. Barueri: Manole, 2013.




DOI: http://dx.doi.org/10.13102/rscdauefs.v8i1.2841

Apontamentos

  • Não há apontamentos.