Avaliação da qualidade de vida de idosos com hipertensão arterial sistêmica atendidos em Unidades Básicas de Saúde

Daniele Moura Gabriel, Brenna Barbosa da Silva, Carlos Ariel Souza de Oliveira, Leticia de Sousa Guerin, Thiago Brasileiro de Vasconcelos, Vasco Pinheiro Diógenes Bastos

Resumo


A hipertensão arterial (HAS) é um problema grave de saúde pública pela sua alta predominância e morbimortalidade. Este estudo teve por objetivo avaliar a qualidade de vida de idosos com hipertensão arterial sistêmica atendidos em
unidades básicas de saúde, do município de Caucaia, Ceará. Trata-se de estudo transversal, descritivo, exploratório, com abordagem quantitativa. A coleta de dados foi realizada em cinco unidades básicas de saúde por meio da aplicação de um questionário sócio demográfico e um questionário específico para a hipertensão arterial, MINICHAL-BRASIL. A amostra foi composta por 73 idosos. Dos participantes avaliados, a maioria era mulheres com idade média de 70 anos, casada, com baixa escolaridade, baixa renda familiar, na faixa de sobrepeso ou obesidade, com risco muito aumentado de complicações metabólicas, dieta controlada, não etilista, história familiar de doenças cardiovasculares, portadoras de diabetes e dislipidemia e pressão arterial entre controlada e estágio I e II. Esses dados sugerem a necessidade de efetivar ações de promoção à saúde, dirigidas para a educação e prática na prevenção dos fatores de risco, proporcionando uma melhora na qualidade de vida da população. Neste contexto, salienta-se a importância da equipe multiprofissional no controle da HAS e na prevenção das complicações crônicas.


Palavras-chave


Hipertensão Arterial Sistêmica. Qualidade de Vida. Pressão Arterial.

Texto completo:

PDF

Referências


Ferreira, DMA, Suguikawa, TR, Pachioni, CAS, Fregonesi, CEPT, Camargo, MR. Rastreamento escolar da escoliose: medida para o diagnóstico precoce. Rev. bras. crescimento desenvolv. hum. 2009; 19(3): 357-368.

Cabral LTB, Filho ESV, Ueno FH, Yonezaki AM, Rodrigues LMR. Avaliação da qualidade de vida em pacientes com escoliose idiopática do adolescente após tratamento cirúrgico pelo questionário SF-36. Coluna/Columna 2009; 8(3): 315-22.7.

Xavier CA, Bianchi DM, Lima AP, Silva IL, Cardoso F, Beresford H. Uma avaliação acerca da incidência de desvios posturais em escolares. Meta: Avaliaçao 2011; 3(7): 81-94.

Toledo PCV, Mello, DB, Araújo, ME, Daoud, R, Dantas, EHM. Efeitos da Reeducação Postural Global em escolares com escoliose. Fisioter pesqui. 2011; 18(4): 329-334.

Iunes DH, Cecílio MBB, Dozza MA, Almeida PR. Análise Quantitativa do Tratamento da Escoliose Idiopática com o Método Klapp por meio da Biofotogrametria Computadorizada. Braz. J. Phys. Ther. 2010; 14(2): 133-40.

Gunta, KE. Alterações na função esquelética: distúrbios congênitos, doença óssea metabólica e neoplasias. In: Porth CM, Kunert MP. Fisiopatologia. 6. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2004. p.1312-1314.

Tosato, J. P; Caria, P. H. F. Avaliação da atividade muscular na escoliose. Rev. bras. crescimento desenvolv. hum. 2009; 19(1): 98-102.

Morita AK, Faria CRS, Pachioni CAS, Ferreira, DMA. Mensuração da gibosidade e sua correlação com medidas radiológicas na escoliose. Colloquium Vitae 2011; 1(3): 27- 31.

Souza, DE. Tratamento fisioterapêutico em escoliose através das técnicas de iso-stretching e manipulações osteopáticas. Rev. Ter. Man. 2004; 2(3): 1-68.

Martelli RC, Traebert J. Estudo descritivo das alterações posturais de coluna vertebral em escolares de 10 a 16 anos de idade. 2004. Rev. bras. epidemiol. 2006; 9(1): 87-93.

Martinez, MAF; Zácaro, PMB. Desvios posturais devido à sobrecarga de mochila. In: Anais do VII Encontro Latino Americano de Pós- graduação. Universidade do Vale do Paraíba, 2006.

Borghi AS, Antonini GM, Facci LM. Isostretching no Tratamento da Escoliose: uma série de casos. ver. Saúde e Pesquisa 2008; 2(1); 167-71.

Souchard, Philippe e Ollier, Marc. As Escolioses – seu tratamento fisioterapêutico e ortopédico. São Paulo: Editora Realizações; 2003.

Segura DCA, Nascimento FC, Chiossi CA, Silva MAA, Guilherme JH, Santos JV. Estudo Comparativo do Tratamento da Escoliose Idiopática Adolescente Através dos Métodos de RPG. Saúde e Pesquisa 2011; 4(2): 200-206.

Thilagaratnam, S. School-based screening for scoliosis: is it cost-effective? Singapore Med J 2007; 48(11): 1012-1017.

Bunge EM, Harbbema JD, Koning HJ. A randomised controlled trial on the effectiveness of bracing patients with idiopathic scoliosis: failure to include patients and lessons to be learnt. Eur Spine J 2010; 19(5): 747- 53.

Frazão D, Fornerolli V, Marques K. Investigação das possíveis lesões dos ilíacos em rotação posterior e anterior associados a escoliose estrutural. Novo Enfoque 2010; 10(10): 45-57.

Koumbourlis AC. Scoliosis and the respiratory system. Paediatr Respir Rev 2006; 7(2): 152-60.

Durmala J, Tomalak W, Kotwicki T. Function of the respiratory system in patients with idiopathic scoliosis: reasons for impairment and methods of evaluation. Stud Health Technol Inform. 2008; 135: 237-45.

Krismer M, Behensky H, Frischhut B, Wimmer C, Ogon M. Surgical treatment of idiopathic scoliosis and juvenile kyphosis. Orthopade 2002; 31(1): 26-33.

Rego Aron, Sacartoni FR. Alterações posturais de alunos de 5° e 6° séries do Ensino Fundamental. Fit Perf J 2008;7(1):10-15.

Ortega FZ, Rodríguez, LR, Morales, LZ, Sánchez, MF, García, RF, Manrique, ML. Análisis de la prevalência de escolioses y factores asociados em uma población escolar mexicana mediante técnica de cribato.Gaceta Médica de México. 2014; 150(1): 432-9

Vieira, DB, Beresoski CM, Camargo MZ, Fernandes KB, Siqueira P, Fujisawa DS. Sinais precoces de escoliose em crianças pré-escolares. Fisioter pesqui. 2015; 22(1): 69-75.

Sedrez, JÁ, Da Rosa, MIZ, Noll, M, Medeiros, FS, Candotti, CT. Fatores de risco associados a alterações posturais estruturais da coluna vertebral em crianças e adolescentes. Rev. paul. pediatr. 2015; 33(1): 72-81.

Silva GRR, Pitangui, ACR, Xavier, MKA, Correia-Júnior, MAV, Araújo, RC. Prevalence of musculoskeletal pain in adolescents and association with computer and videogame use. J. Pediatr. 2016; 92(2): 188-196.

Minghelli B. Rastreio escolar: a importância na detecção precoce de posturas escolióticas em adolescentes das escolas de Silves, Algarve. Rev. Port. Sau. Pub. 2008; 26(2): 61-68.

Greenspan, A. Escoliose e Anomalias com comprometimento geral ao esqueleto. In: Radiologia Ortopédica: uma abordagem prática. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2006. p. 927-963.

Vasiliadis E, Grivas TB, Gkoltsiou K. Development and preliminary validation of brace questionnaire (BrQ): a new instrument for measuring quality of life of brace treated scoliotics. Scoliosis 2006; 20(1):7.

Makofsky, Howard W. Coluna Vertebral: terapia manual. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2006.

Fornazari, L. P; Pereira, V. C. G. Prevalência de postura escoliótica em escolares do ensino fundamental. Cadernos da escola de Saúde (Fisioterapia) 2008; 1(1): 1-13.

Tribastone, Francesco. Tratado de exercícios corretivos aplicados à reeducação motora postural. São Paulo: Manole; 2001.

Roso, Vanderson; BITU, Simone de Oliveira Bittencourt; Zanoteli, Edmar et al. Tratamento cirúrgico da escoliose na amiotrofia espinhal progressiva. Arq. Neuro-Psiquiatr. 2003; 61(3): 631-638.




DOI: http://dx.doi.org/10.13102/rscdauefs.v9i0.2904

Apontamentos

  • Não há apontamentos.