PERCURSO AMOROSO E EVENTOS VIOLENTOS NAS RELAÇÕES DE NAMORO DE JOVENS

Aline Moerbeck Costa, Maria Conceição Oliveira Costa, Ohana Cunha do Nascimento

Resumo


Objetivo: Caracterizar manifestações de violência no namoro de adolescentes e adultos jovens. Método: Estudo descritivo, com amostragem de 380 adolescentes (14 a 17 anos) e adultos jovens (18-24 anos), de ambos sexos, matriculados nas escolas públicas de Feira de Santana (2015). A amostragem foi utilizada para validação e análises psicométricas do questionário “Percurso Amoroso de jovens/PAJ”, versão adaptada e validada ao contexto brasileiro, cujos resultados satisfatórios das análises apontaram coerência teórica e metodológica com instrumento original “Parcour amoreaux dês jeunes”. O PAJ foi aplicado, respeitando consentimento livre esclarecido e sigilo. Resultados: 50% de meninas relataram iniciação sexual com 12 a 14 e meninos com 15 a 16 anos; 75% estavam namorando ou « ficando »; bidirecionalidade da violencia psicológica e física foi relatada por 60% das meninas e 30% dos meninos; a maioria dos casos de violencia sexual\VS foi sem penetração; a reciprocidade (vitimização e agressão) foi citada por meninos (55% - vítima e 64,3% - agressor) e meninas (45% - vítima e 35,7% - agressor). Conclusões: A reciprocidade da violência no namoro de adolescentes e jovens sugerem prioridade para medidas de intervenção no ciclo agressão-vitimização, incentivando comportamentos saudáveis nos relacionamentos dessa e outras gerações.


Palavras-chave


Violência no namoro; adolescência e juventude; vulnerabilidade

Texto completo:

PDF

Referências


Gelles RJ. Intimate Violence in Families: Family studies text series. Thousand Oaks, California: SAGE; 1997.

Murta SG, Santos SBRP, Nobre LA, Araújo IF, Miranda AAV, Rodrigues IO, Franco CTP. Prevenção à violência no namoro e promoção de habilidades de vida em adolescentes. Psicol. USP [periódico online] 2013; 24(2). Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/pusp/v24n2/v24n2a05.pdf. [2013 jun 17].

Caridade S, Machado C. Violência na intimidade juvenil: da vitimação a perpetração. Análise psicológica [periódico online] 2013; 24(4). Disponível em: http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0870-82312006000400004

Wekerle C, Wolfe DA. Dating violence in midadolescence: Theory, significance, and emerging prevention initiatives. Clinical psychology review 1999; 19(4): 435-456.

Manita C, Ribeiro C, Peixoto C. Violência doméstica: compreender para intervir. Guia de Boas Práticas para Profissionais de Instituições de Apoio a Vítimas. Lisboa: Comissão para a cidadania e igualdade de gênero; 2009.

Matos M, Machado C, Caridade S, Silva MJ. Prevenção da violência nas relações de namoro: intervenção com jovens em contexto escolar. Psicologia: Teoria e Prática [periódico online] 2006; 8(1). Disponível em: [2006 jun 3].

Nascimento OC. Adaptação Transcultural e validação de conteúdo do questionário “pacoursamoureuxdesjeunes – PAJ – Montreal/ Canadá para o contexto do Brasil. Feira de Santana; 2014. [Mestrado Dissertação – Universidade Estadual de Feira de Santana].

Center for Diasese Control and Prevention Dating Abuse fact sheet. National Center for Injury Prevention and Control. Atlanta; 2007.

Tyler KA, Melander L. Poor Parenting and Antisocial Behavior Among Homeless Young Adults: Links to Dating Violence Perpetration and Victimization. Journal of interpersonal violence 2012; 27(7): 1357-1373.

Oliveira Q B M, Assis S G, Njaine K, Pires T O. Namoro na adolescência no Brasil: circularidade da violência psicológica nos diferentes contextos relacionais. Ciênc. saúde coletiva 2014; 19(3): 707-718.

Borges A L V, Latorreb M R D O, Schor N.Adolescência e Vida Sexual: estudo dos fatores individuais e familiares associados ao início da vida sexual de adolescentes da cidade de São Paulo. In: Anais do XV Encontro Nacional de Estudos Populacionais. ABEP; 2016: 1-16.

Gonçalves H , Machado E C , Soares A L G, Camargo-Figuera F A, Seerig L M , Mesenburg M A, Guttier M C, Barcelos R S, BuffariniI R, Assunção M C F, Hallal P C, Menezes A M B. Início da vida sexual entre adolescentes (10 a 14 anos) e comportamentos em saúde. Rev. Bras. Epidemiol. 2015; 18(1): 25-41.

Foshee V A, Reyes H L M, Tharp, A T, Chang L Y, Ennett S T, Simon T R, Latzman N E, Suchindran C. Shared Longitudinal Predictors of Physical Peer and Dating Violence. Journal of Adolescent Health. Journal of Adolescent Health, 2015; 56(1): 106-112.

O’Leary K. D, Slep A M S. A dyadic longitudinal model of adolescent dating aggression. J. Clin. Child Adolesc. Psy. 2003; 32(3): 314-327.

Faias J, Caridade S, Cardoso J. Exposição à violência familiar e abuso íntimo em jovens: Que relação? Psychologica, 2017: 7-23.

Fernandéz-González L, O’Leary K. D, & Muñoz-Rivas M. Age-related changes in dating aggres-sion in Spanish high school students. J. Interpers. Violence 2014; 29(6): 1132- 1152.

Dardis C M, Dixon K J, Edwards K M, & Turchik J A. An Examination of the Factors Related to Dating Violence Perpetration Among Young Men and Women and Associated Theoretical Explanations: A Review of the Literature. Trauma, Violence & Abuse 2014; 16(2): 136-152.

Minayo M C S, ASSIS S G, Njaine K. Amor e violência: um paradoxo das relações de namoro e do ‘ficar’ entre jovens brasileiros. Editora Fiocruz; 2011.

Barreira A K, Lima M L C, Bigras M, Njaine K, Assis S G. Direcionalidade da violência física e psicológica no namoro entre adolescentes do Recife, Brasil. Ver. bras. epidemiol. 2014; 17(1): 217-228.

Renner LM, Whitney SD. Risk factors for unidirectional and bidirectional intimate partner violence among young adults. Child Abuse & Neglect 2012; 36(1): 40-52.

Fonseca RMGS. Gênero e saúde da mulher: uma releitura do processo saúde doença das mulheres. In: Fernandes RAQ, Narchi NZ. Enfermagem e saúde da mulher. Santana do Parnaíba: Manole; 2012. p. 30-61.




DOI: http://dx.doi.org/10.13102/rscdauefs.v8i1.2973

Apontamentos

  • Não há apontamentos.