NOTIFICAÇÃO DA VIOLÊNCIA FÍSICA E SEXUAL DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES: O PAPEL DO SISTEMA DE VIGILÂNCIA DE VIOLÊNCIAS E ACIDENTES/VIVA

Camila dos Santos Souza Andrade, Maria Conceição Oliveira Costa, Mona Lisa Cordeiro Asselta da Silva, Christianne Sheilla Leal Almeida Barreto

Resumo


A violência representa um desafio para a saúde pública mundial, considerando as nefastas consequências psicossociais e comportamentais. Objetivo: analisar crianças e adolescentes, vitimas de violência física\VF e sexual|VS, atendidas no Sistema Único de Saúde\SUS. Metodologia: Estudo série de casos, utilizando registros do Sistema de Vigilância de Violências e Acidentes/VIVA\Salvador/BA, no período 2009 a 2015. Resultados: Foram notificados 5610 casos, 84,3% (4727) VF e 15,7% (883) VS. Para VF, 64,3% das vítimas masculinas e 83,1% femininas, 55,2% - infância e 44,8% - adolescência; Predominou entre pardos e pretos (VF - 92,6%) e (VS - 89,8%). Agressor masculino foi maioria, pessoas conhecidas (29,1% - VF e 44,1% - VS) e familiares (26,7% - VF e 27,2% - VS); força corporal foi mais utilizada; corte/perfuração/laceração foram mais frequentes, em crânio, face e pescoço; 3,5% das crianças e 3,8% dos adolescentes atendidos evoluíram para óbito. Conclusões: Os achados apontaram alta proporção de atendimentos de crianças e adolescentes por violência física e sexual, na Rede de Saúde do SUS, sugerindo que o VIVA representa importante ferramenta de serviço e controle social, cujos indicadores podem contribuir com medidas de atenção para esses agravos.


Palavras-chave


Criança; Adolescente; Violência; Sistema Único de Saúde\SUS; Sistema de Informação de Acidentes e Violência\VIVA

Texto completo:

PDF

Referências


Costa MCO, Carvalho RC, Santa Barbára JFR, Santos CAST, Gomes WA, Souza H L. O perfil da violência contra crianças e adolescentes, segundo registros de Conselhos Tutelares: vítimas, agressores e manifestações de violência. Ciência & Saúde Coletiva 2007; 12 (5): 1129-1141.

Moreira MIC, Sousa SMG. Violência intrafamiliar contra crianças e adolescentes: do espaço privado à cena pública. O Social em Questão 2012.

Kish AM, Newcombe PA. Smacking never hurt me! Identifying myths surrounding the use of corporal punishment. Personality and Individual Differences 2015; 121–129.

Ribeiro MA, Ferriani MGC, Reis JN. Violência sexual contra crianças e adolescentes: características relativas a vitimização nas relações familiares. Cadernos de Saúde Pública 2004; 20 (2): 456-64.

Breena A, Daniel SBK, Tomlinsona M. Children’s experiences of corporal punishment: A qualitative study in an urban township of South Africa. Child Abuse & Neglect 2015; 48: 31–139.

Brasil. Instrutivo de Preenchimento da ficha de notificação/investigação de violência doméstica, sexual e/ou outras violências. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde 2009.

Assis SG. Notificações de violência doméstica, sexual e outras violências contra crianças no Brasil. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro 2012; 17 (9): 2305-2317.

Ferreira AL, Souza ER. Análise de indicadores de avaliação do atendimento a crianças e adolescentes em situação de violência. Caderno de Saúde Pública [online] 2008; 24 (1): 28-38.

Ricas J, Donosom TV, Gresta MLM. A violência na infância como uma questão cultural. Texto & Contexto Enferm 2006; 15: 151-154.

Malta DC. et al. A vigilância de violências e acidentes no Sistema Único de Saúde: uma política em construção. Divulg Saúde Debate 2007; 39: 82-92.

Deslandes SF, Lemos MP. Construção participativa de descritores para avaliação dos núcleos de prevenção de acidentes e violência, Brasil. Rev Panam Salud Pública 2008; 24: 441-448.

Ariès P. História social da infância e da família. Tradução: D. Flaksman. Rio de Janeiro: LCT, 1978.

Cezae PK, Arpini DM, Goetz ER. Registros de Notificación Obligatoria de Violencia contra Niños y Adolescentes. Psicologia e ciência 2017; 37 (2): 432-445.

Garbin CAS, Garbin AJI, Dossi AP, Dossi MO. Violência doméstica: análise das lesões em mulheres. Caderno de Saúde Pública, Rio de Janeiro 2006; 22 (12): 2567-2573.

Brito AMM, Zanetta DMT, Mendonça RCV, Barison SZP, Andrade VAG. Violência doméstica contra crianças e adolescentes: estudo de um programa de intervenção. Ciência & Saúde Coletiva 2005; 10 (1): 143-149.

Guimarães JATL, Vilella WV. Características da violência física e sexual contra crianças e adolescentes atendidos no IML de Maceió, Alagoas, Brasil. Caderno de Saúde Pública 2011; 27 (8): 1617-1647.

Souza CS. et al. Sistema de Vigilância de Violências e Acidentes/VIVA e a notificação da violência infanto-juvenil, no Sistema Único de Saúde/SUS de Feira de Santana-Bahia, Brasil. Ciência e Saúde Coletiva 2014; 19 (3).

Waiselfisz JJ. Homicídios e Juventude no Brasil. Mapa da Violência 2013. Brasília: Secretaria Geral da Presidência da República.

Silva MCM, Brito AM, Araújo AL, Abath MB. Caracterização dos casos de violência física, psicológica, sexual e negligências notificados em Recife, Pernambuco 2012. Epidemiol. Serv. Saúde, Brasília 2013; 22 (3): 403-412.

Pimenta RMC, Matos FRRO, Silva MLCA., Rodrigues AAO, Marques JAM, Musse JO. Levantamento de lesões na região bucomaxilofacial em vítimas de violência periciadas no Instituto Médico Legal (IML) de Feira de Santana-BA, entre 2007 e 2009. Arquivos em Odontologia, Minas Gerais 2013. 49 (4): 154-161.

Guimarães JATL, Vilella WV. Características da violência física e sexual contra crianças e adolescentes atendidos no IML deMaceió, Alagoas, Brasil. Caderno de Saúde Pública 2011, 27 (8): 1617-1647.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Assistência à Saúde. Notificação de maus-tatos contra crianças e adolescentes pelos profissionais de saúde: um passo a mais na cidadania em saúde. Brasília: Ministério da Saúde, 2002: 48.

Salvagni EP, Wagner MB. Estudos de caso-controle para desenvolver e estimar a validade discriminate de um questionário de avaliação de abuso sexual em crianças. Jornal de Pediatria 2006; 82(6): 431-436

Venturini FP, Bazon MR, Biasoli-Alves ZMM. Família e violência na ótica de crianças e adolescentes. Estudo e pesquisa em psicologia, Rio de Janeiro, 2004; 4 (1): 20-33.




DOI: http://dx.doi.org/10.13102/rscdauefs.v8i1.2974

Apontamentos

  • Não há apontamentos.