PERFIL DA VIOLÊNCIA QUE VITIMA CRIANÇAS NO ESTADO DA BAHIA, SEGUNDO REGISTROS DO SISTEMA DE GERENCIAMENTO ESTATÍSTICO (SGE) DA SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA

Christianne Sheilla Leal Almeida Barreto, Roberto Paulo Correia de Araújo, Davi Felix Martins Júnior, Raul Coelho Barreto Filho, Maria Conceição Oliveira Costa

Resumo


Introdução: Estatísticas sobre violência em criança expõem apenas uma parte da realidade, embora os indicadores sejam alarmantes, fazendo deste problema uma preocupação mundial. Objetivo: analisar informações sobre violência perpetrada em crianças, utilizando o Sistema de informação da Secretaria de Segurança Pública/Estado da Bahia. Metodologia: Estudo de série histórica das ocorrências violentas em crianças (0 a 11 anos), em todos os municípios do Estado, divididos por densidade populacional: Salvador/capital; municípios com menos de 100 mil habitantes; municípios com mais de 100 mil habitantes. Utilizaram se registros do Sistema de Gerenciamento Estatístico (SGE), período 2008-2014. Resultados: a maioria dos 16.466 registros era de violência física/VF (47,6%), seguida da sexual/ VS (34,6%) e psicológica/VP (17,4%). Salvador apresentou as maiores taxas no período, enquanto as menores foram observadas nos municípios com menos de 100 mil habitantes. O risco de uma criança de Salvador ser vítima de violência foi maior, comparado aos demais municípios. Conclusão: O SGE permitiu caracterizar as principais formas de violência praticada em crianças, apontando a magnitude do problema na Bahia, entretanto os prejuízos relacionados à captação e qualidade dos dados dificultaram o detalhamento de informações imprescindíveis à adoção de ações de proteção e atendimento às vítimas, medidas legais e atuação jurídicosocial de prevenção às recidivas.

Abstract

Introduction: Statistics on violence expose only part of the reality, although the indicators are alarming, making this problem a global concern. Objective: to analyze information about violence perpetrated in children, using the Information System of the Department of Public Security\State of Bahia. Methodology: historical series study of violent occurrences in children (0 to 11 years old), in all municipalities of the State, divided by population density: Salvador\capital; municipalities with less than 100 thousand inhabitants; municipalities with more than 100 thousand inhabitants. Records of the Statistical Management System (SGE), period 2008-2014, were used. Results: most of the 16,466 records were of physical violence (PV) (47.6%), followed by sexual/SV (34.6%) and psychological/VP (17.4%). Salvador presented the highest rates in the period, while the lowest were observed in municipalities with lessthan 100 thousand inhabitants. The risk of a child from Salvador being a victim of violence was higher compared to other municipalities. Conclusion: the SGE allowed to characterize the main forms of violence practiced in children, pointing out the magnitude of the problem in Bahia, however the losses related to the capture and quality of the data made it difficult to detail the information essential to the adoption of actions of protection and assistance to the victims, measures legal and social legal action of relapse prevention.


Palavras-chave


Violência infantil; Políticas públicas; Segurança pública; Sistemas de informação

Texto completo:

PDF

Referências


Barreto CSLA, Araújo RPC, Martins Júnior DF. Violência contra crianças segundo registros do Sistema de Informação de Agravos de Notificação – SINAN, Bahia, Brasil, 2008-2012. Rev. ciênc. méd. biol. 2012; 1(2): 140-148.

Martins CBG. Maus-tratos contra crianças e adolescentes. Rev. bras. enferm. 2010; 63(4): 660-665. 3. Thomazine AM, Oliveira BRG, Viera CS. Atenção a crianças e adolescentes vítimas de violência intrafamiliar por enfermeiros em serviços de pronto-atendimento. Rev. eletr. enf. 2009;11(4): 830-840.

Deslandes SF et al. Caracterização diagnóstica dos serviços que atendem vítimas de acidentes e violências em cinco capitais brasileiras. Ciênc. saúde coletiva 2006; 11(0): 1279-1290.

Mouden LD et al. The Dentist’s role in detecting and reporting abuse. Quintessence Intern 1198; 29(7): 452-468.

Veloso MMX et al. Notificação da violência como estratégia de vigilância em saúde: perfil de uma metrópole do Brasil. Ciênc. saúde coletiva 2013; 18(5): 1263-1272.

Child JC et al. Responding to abuse: Children’s experiences

of child protection in a central district, Uganda. Child Abuse Negl 2014; 38(1): 1647-1658.

Benbenishty R et al. Predicting the decisions of hospital based child protection teams to report to child protective services, police and community welfare services. Child Abuse Negl 2014; 38(1): 11-24.

Franzin LCS et al. Violência e maus-tratos na infância e adolescência. UNINGÁ review 2013; 16(3): 5-14.

Minayo MCS, Souza ERS. É possível prevenir a violência? Reflexões a partir do campo da saúde pública. Ciênc. saúde coletiva 1999; 4(1): 7-23.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa. Departamento de Monitoramento e Avaliação da Gestão SUS. Prevenção de Violências e Cultura da Paz. 2008. 60 p. (Painel de Indicadores dos SUS, 5).

Gomes AVO et al. A criança vítima de violência doméstica: limites e desafios para a prática de enfermagem. Rev. pesqui. cuid. Fundam. 2010; 2 (2): 902-912.

Arpini DM et al. A revelação e a notificação das situações de violência contra a infância e a adolescência. Psicol. ver. 2008; 14(2) 95-112.

Ferreira CLL et al. Demandas para atenção à saúde de crianças em situação de violência: Estudo de Revisão. Rev. soc. bras. enferm. ped. 2015; 15(1): 53-59.

Costa MCO, Carvalho RC, Santa Barbára JFR, Santos CAST, Gomes WA, Souza H L. O perfil da violência contra crianças e adolescentes, segundo registros de Conselhos Tutelares: vítimas, agressores e manifestações de violência. Ciênc. saúde coletiva 2007; 12(5): 1129-1141.

World Health Organization (WHO). Regional Office for Europe. European report on preventing child maltreatment 2013. WHO: 114.

Bahia. Lei nº 11.370, de 04 de fevereiro de 2009. Institui a Lei Orgânica da Polícia Civil do Estado da Bahia. Diário Oficial [do] Estado da Bahia, Poder Executivo, Salvador, BA, 05 fev. 2009. Disponível em: . [2018 jan 31].

Brasil. Ministério da Justiça. Secretaria Nacional de Segurança Pública. Departamento de Pesquisa, Análise da Informação e Formação de Pessoal em Segurança Pública. Análise das ocorrências registradas pelas polícias civis (Janeiro de 2004 a Dezembro de 2005) 2006; Brasília; Ministério da Justiça: 82.

Bahia. Lei nº 12.357, de 26 de setembro de 2011. Institui o Sistema de Defesa Social, o Programa Pacto pela Vida. Diário Oficial [do] Estado da Bahia, Poder Executivo, Salvador, 23 set. 2011. Disponível em: . [2018 jan 31].

Fórum Brasileiro de Segurança Pública. Anuário Brasileiro de Segurança Pública 2013; 7: 131.

Rates SMM. et al. Violência infantil: uma análise das notificações compulsórias, Brasil 2011. Ciênc. saúde coletiva 2015; 20(3): 655-665.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria MS/GM nº 1.271, de 06 de junho de 2014. Define a Lista Nacional de Notificação Compulsória de doenças, agravos e eventos de saúde pública nos serviços de saúde públicos e privados em todo o território nacional. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 09 jun. 2014. Seção 1, p. 67.

Brasil. Ministério da Saúde. DataSUS. Informações de Saúde (Tabnet). Violência doméstica, sexual e/ou outras violências – SINAN. Brasília, 2015. Disponível em: . [2018 fev 12].

Rovi S, Chen PH, Johnson MS. The economic burden of hospitalizations associated with child abuse and neglect. Am. J. Public Health 2004; 94(4): 586-590.




DOI: http://dx.doi.org/10.13102/rscdauefs.v8i1.2975

Apontamentos

  • Não há apontamentos.