Levantamento epidemiológico de CPO-D em escolares de 12 anos do município de Pedra Branca, Ceará

Cosmo Helder Ferreira da Silva, Heron Teixeira Lima, Francisco Cezanildo Silva Benedito, Juliana Costa Rodrigues, Davide Carlos Joaquim, Ana Caroline Rocha de Melo Leite

Resumo


O presente artigo tem como objetivo relatar a experiência vivenciada por mestrandos na prática do tirocínio docência, na graduação de Odontologia, no componente curricular Bioestatística e Epidemiologia. O tirocínio foi realizado por três mestrandos do Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva da Universidade Estadual de Feira de Santana, para uma turma do segundo semestre do curso de Odontologia, da referida instituição, sob a supervisão de um professor orientador. Foi desenvolvido mediante leitura do plano de ensino do componente curricular; organização da proposta de cronograma do mesmo; elaboração de planos de aula; observação, participação e apresentação das aulas teóricas e práticas; além de elaboração e correção das atividades avaliativas. A experiência da prática pedagógica possibilitou o compartilhamento e a troca de conhecimentos entre os alunos, mestrandos e o professor da disciplina, que contribuíram para o aprendizado, aperfeiçoamento e superação de desafios do processo de ensino-aprendizagem. O tirocínio docência assume, portanto, um papel de grande relevância na formação do pós-graduando, sendo considerado indispensável nesse processo, visto que, é através desta atividade que o conhecimento teórico se consolida na prática, auxiliando na superação de possíveis dificuldades relacionadas à prática docente, colaborando significativamente para a formação de um docente do ensino superior de qualidade.


Palavras-chave


Adolescentes; Cárie dentária; Inquéritos epidemiológicos.

Texto completo:

PDF

Referências


Moura C, Cavalcanti AL, Bezerra PKM. Prevalência de cárie dentária em escolares de 12 anos de idade, Campina Grande, Paraíba, Brasil: enfoque socioeconômico. Rev. odonto ciênc. 2008; 23(3): 256-262.

Almeida TF, Cangussu MCT, Chaves SCL, Amorim TM. Condições de saúde bucal em crianças, adolescentes e adultos cadastrados em unidades de Saúde da Família do município de Salvador, estado da Bahia, Brasil, em 2005. Epidemiol. Serv. Saúde 2012; 21(1): 109-118.

Azevedo AC, Valença AMG, Lima Neto EA. Perfil epidemiológico da cárie dentária em escolares de 5 e 12 anos residentes no Município de Bayeux, Paraíba. Arq Odontol. 2012; 48(2): 68-75.

Barros WRC, Nascimento LS, Fontes RBC, Aguiar NL, Silva Júnior IF, Souza CNP. Prevalência de cárie dentária na adolescência em Belém do Pará: uma perspectiva amazônica. Adolesc. Saúde 2015; 12(2): 59-68.

Freire MCM, Reis SCGB, Gonçalves MM, Baldo PL, Leles CR. Condição de saúde bucal em escolares de 12 anos de escolas públicas e privadas de Goiânia, Brasil. Rev. Panam. Salud Públ. 2010; 28(2): 86-91.

Müller IB, Castilhos ED, Camargo MBJ, Gonçalves H. Experiência de cárie e utilização do serviço público odontológico por escolares: estudo descritivo em Arroio do Padre, Rio Grande do Sul, 2013. Epidemiol. Serv. Saúde 2015; 24(3): 759-770.

Afonso AC, Silva I. Qualidade de vida relacionada com saúde oral e variáveis associadas: revisão integrativa. Psicol. Saúde Doenças 2015; 16(3): 311-330.

Bonotto DMV, Pintarelli TP, Santin G, Monte GR, Ferreira FM, Fraiz FC. Cárie dentária e gênero em adolescentes. RFO UPF 2015; 20(2): 202-207.

Meneghim MC, Kozlowski FC, Pereira AC, Ambrosano GMB, Meneghim ZMAP. Classificação socioeconômica e sua discussão em relação à prevalência de cárie e fluorose dentária. Ciênc. saúde coletiva 2007; 12(20): 523-529.

Ferreira RGLA, Narvai PC. Fluoretação da água: significados e lei da obrigatoriedade na visão de lideranças em saúde. Rev. Assoc. Paul. Cir. Dent. 2015; 63(3): 266-271.

Ministério da Saúde. Conheça a política que faz muitos brasileiros voltarem a sorrir. Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Atenção Básica. Brasília (DF),2015. Disponível em: http://dab.saude.gov.br/portaldab/. [2017 jun 6].

Ministério da Saúde. Projeto SB Brasil 2010: Pesquisa Nacional de Saúde Bucal – Resultados Principais. Brasília, 2011. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/pesquisa_nacional_saude_bucal.pdf [2017 jun 4].

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Municípios. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/xtras/ perfil.php?codmun=231050 [2017 ago 22].

Rigo L, Caldas Júnior AF, Souza EHA. Experiência de cárie dentária e fatores associados em escolares. Pesqui bras odontopediatria clín integr 2011; 11(3): 407-415.

Alves NS, Gavina VP, Robles FRP, Silveira FM, Assaf AV. Determinantes Sociais e sua Relação com a Experiência de Cárie em Adolescentes: um Estudo Transversal. UNOPAR

Cient., Ciênc. biol. saude 2015; 17(2): 93-99.

Arantes R. Levantamentos Básicos em Saúde Bucal. Cad. saúde pública 2003; 19(4): 1214-1217.

Silva JV, Machado FCA, Ferreira MAF. As desigualdades sociais e a saúde bucal nas capitais brasileiras. Ciênc. saúde coletiva 2015; 20(8): 2539-2548.

Freire MCM, Sheiham A, Bino YA. Hábitos de higiene bucal e fatores sociodemográficos em adolescentes. Rev. bras. epidemiol. 2007; 10(4): 606-14.

Matos MS, Monteiro LS, Bonfim RT, Matos RS. Hábitos de Higiene Bucal e Dieta de Adolescentes de Escolas Públicas e Privadas em Salvador, Bahia. Rev. Bras. Ciênc. Saúde 2009; 13(2): 7-14.

Santos KSA, Gomes RCB, Ribeiro AIAM, Dantas DCRE, Sampaio CS, Augusto SM. Conhecimento e percepção dos pacientes sobre saúde bucal. RFO UPF 2015; 20(3): 287-294.




DOI: http://dx.doi.org/10.13102/rscdauefs.v9i0.3357

Apontamentos

  • Não há apontamentos.