VIOLÊNCIA NO PERCURSO AMOROSO E SAÚDE MENTAL DE ADOLESCENTES - JOVENS: REVISÃO INTEGRATIVA

Ohana Cunha do Nascimento, Maria Conceição Oliveira Costa, Aline Moerbeck Costa, Brenda do Socorro Gomes da Cunha

Resumo


A violência entre casais jovens é um grave problema de saúde pública que envolve contextos e sujeitos das mais distintas classes e etnias. Objetivo: discutir, à luz da literatura, a violência no namoro, entre casais jovens, como possível causa ou consequência de distúrbios comportamentais e transtornos mentais. Metodologia: revisão integrativa de literatura, a partir de levantamento retrospectivo e documental das produções científicas publicadas no período de 2006 a 2016, na Biblioteca Virtual em Saúde (BVS), que comporta bases de dados - Medline, LILACS, Scielo, OMS, OPAS. Utilizou-se descritores registrados no BVS: “violência entre parceiros intimos”, “adolescente” e utilizou-se como filtro palavras recorrentes nos artigos, como “saúde mental”, “depressão”, “transtornos de ansiedade”, “transtorno de estresse pós-traumático”, “agressão”, “transtornos relacionados ao uso de substâncias psicoativas”, cuja seleção de descritores totalizou 10 artigos. Resultados: Os estudos apontaram que a violência entre casais jovens, no namoro, pode ser preditora de distúrbios comportamentais e transtornos mentais, assim como a presença anterior desses problemas, no(s) sujeito(s) da relação, podem precipitar eventos violentos. Conclusões: a problemática da violência nas relações de namoro de jovens instiga novas pesquisas, principalmente no contexto brasileiro, na perspectiva de instrumentos capazes de identificar e mensurar possíveis relações entre fatores precipitantes e respectivas consequências, visando subsidiar medidas de prevenção e interrupção do ciclo de vitimização-agressão, no presente e futuro.


Palavras-chave


Violência no Namoro; Adolescente; Jovem; Saúde Mental

Texto completo:

PDF

Referências


WHO. World Report on Violence and health: summary. Geneva: World Health Organization; 2002.

Minayo MCS. Violência: um velho-novo desafio para a Atenção à Saúde. Rev. bras. educ. med. 2005; 29(1): 55-63.

Assis SG. Situação de crianças e adolescentes brasileiros em relação à saúde mental e à violência. Ciênc. saúde coletiva 2009; 14(2): 349-361.

Zanatta EA. Compreensões de jovens universitários sobre a violência: sob o olhar da corporeidade, da vulnerabilidade e do cuidado. Porto Alegre; 2013. [Doutorado Tese – Universidade Federal do Rio Grande do Sul].

Caridade S, Machado, C. Violência na intimidade juvenil: da vitimação a perpetração. Análise psicológica 2006; 24(4): 485-493.

Cornelius TL, Resseguie N. Primary and secondary prevention programs for dating violence: A review of the literature. Aggress and Violent Behav 2007; 12:364-375.

Anacona CA. Prevalencia, factores de riesgo y problemáticas asociadas con la violência en el noviazgo: una revisión de la literatura. Avances en Psicología Latinoamericana 2008; 26: 227-241.

OMS. OPS. Prevenção da violência sexual e da violência pelo parceiro intimo contra a mulher: ação e produção de evidência. OMS; 2012.

Randle A, Graham C. A Review of the evidence on the effects of intimate partner violence on men. Psychol Men Masc 2011; 12: 97-111.

Oliveira DC. O atendimento a envolvidos em violência: concepções de psicólogos sobre gênero e violência conjugal. Espírito Santo; 2005. [Mestrado Dissertação – Universidade Federal do Espírito Santo].

Lavoie F, Robitaille L, Hebert M. Teen dating relationships and aggression an exploratory study. Violence against women 2000; 6(1): 6-36.

Ribeiro FML. Entre o ‘ficar’ e o ‘namorar’: relações afetivo-sexuais. In: Minayo MCS, Assis SG, Njaine K. Amor e Violência: um paradoxo das relações de namoro e do ‘ficar’ entre jovens brasileiros. Rio de Janeiro: Ed. Fiocruz; 2011.

Silva AG, Moraes CL, Reichenheim ME. Violência física entre parceiros íntimos: um obstáculo ao início do acompanhamento da criança em unidades básicas de saúde do Rio de Janeiro, Brasil? Cad. Saúde Pública 2012; 28: 1359-1370.

Gava LL, Da Silva DG, Dell'aglio DD. Sintomas e quadros psicopatológicos identificados nas perícias em situações de abuso sexual infanto-juvenil. Psico 2013; 44 (2): 1175-89.

Antoni C, Koller SH. Perfil da violência em famílias com história de abuso físico. In: Habigzang LF, Koller SH (Orgs). Violência contra crianças e adolescentes: teoria, pesquisa e prática. Porto Alegre: Artmed; 2012. p. 43-54.

Callahan MR, Tolman R, Saunders DG. Adolescent dating violence victimization and psychological well-being. J. Adolesc. Res. 2003; 18(6): 664-681.

Matos M, Machado C, Caridade S, Silva MJ. Prevenção da violência nas relações de namoro: intervenção com jovens em contexto escolar. Psicol. teor. prat. 2006; 8(1): 55-75.

Ferreira, MJS. A violência no namoro: estudo exploratório de caracterização das reacções dos adolescentes face à violência. Braga; 2011. [Doutorado Tese –Universidade do Minho].

Cunha, OCS. Perpetradores de violência em relações de intimidade: da caracterização à intervenção. Braga; 2014. [Doutorado Tese – Universidade do Minho].

Clarey A, Hokoda A, Ulloa EC. Anger control and acceptance of violence as mediators in the relationship between exposure to interparental conflict and dating violence perpetration in Mexican adolescents. Journal of family violence 2010; 25(7): 619-625.

Pick S, Levin G. Differential impact of juvenile stress and corticosterone in juvenility and in adulthood, in male and female rats. Behav Brain Res 2010; 214(2): 268-276.

Oliveira M, Sani A. Comportamentos dos jovens universitários face à violência nas relações amorosas. In: Bento Silva e Leandro Almeida (Coords). Atas do VIII Congresso Galaico-Português de Psicopedagogia. Braga: Centro de Investigação em Educação; 2005.

Oliveira QBM, Assis SG, Njaine K, Pires TO. Namoro na adolescência no Brasil: circularidade da violência psicológica nos diferentes contextos relacionais. Ciênc. saúde coletiva 2014; 19(3): 707-718.

Walker LE. The Battered Woman Syndrome. New York: Springer; 1984.

Roberts AR. Handbook of domestic violence intervention strategies: policies, programs, and legal remedies. Oxford University Press; 2002.

Curtis GC. Violence breeds violence—perhaps? Am J Psychiatry 1963; 120(4): 386-387.

Dutton DG, Hart SD. Risk markers for family violence in a federally incarcerated population. Int J Law Psychiatry 1992; 15(1): 101-112.

Widom CS. The cycle of violence. Science 1989; 244(4901): 160-166.

Dhawan S, Marshall WL. Sexual abuse histories of sexual offenders. Sex Abuse 1996; 8(1): 7-15.

Zlotnick C, Johnson DM, Kohn R. Intimate partner violence and long-term psychosocial functioning in a national sample of American women. J Interpers Violence 2006; 21(2): 262-275.

Worling JR. Sexual abuse histories of adolescent male sex offenders: Differences on the basis of the age and gender of their victims. J. Abnor. Psychol 1995; 104(4): 610.

Newman E, Christopher SR, Berry JO. Developmental disabilities, trauma exposure, and post-traumatic stress disorder. Trauma Violence Abuse 2000; 1(2) 154-170.

Exner-Cortens AD, Eckenrode J. Longitudinal Associations Between Teen Dating Violence Victimization and Adverse Health Outcomes. Pediatrics 2013; 131(1): 71–78.

Johnson WL, Giordano PC, Longmore MA, Manning WD. Intimate Partner Violence and Depressive Symptoms during Adolescence and Young Adulthood. J Health Soc Behav. 2014; 55(1): 39-55.

McCauley HL, Breslau JA, Saito N, Miller E. Psychiatric disorders prior to dating initiation and physical dating violence before age 21 : findings from the National Comorbidity Survey Replication (NCS-R). Soc. Psychiatry Psychiatr Epidemiol. 2015; 50(9): 1357–1365.

Cisler, JM. Angela M. Begle AM, Amstadter AB, Resnick HS, Danielson CK, Saunders BE, Kilpatrick DG. Exposure to Interpersonal Violence and Risk for PTSD, Depression, Delinquency and Binge Drinking Among Adolescents: Data From the NSA-R. Traumatic Stress 2012; 25(1): 33–40.

Ackard, DM. Eisenberg, ME. Neumark-Sztainer, D. Long-term impact of adolescent dating violence on the behav- ioral and psychological health of male and female youth. Pediatrics 2007; 151(5): 476–481.

Wolitzky-Taylor KB, Ruggiero KJ, Danielson CK, Resnick HS, Hanson RF, Smith DW, Saunders BE, Kilpatrick DG. Prevalence and correlates of dating violence in a national sample of adolescents. J Am Acad Child Adolesc Psychiatry 2008; 47(7): 755-762.

Jouriles EN, Garrido E, Rosenfield D, McDonald R. Experiences of psychological and physical aggression in adolescent romantic relationships: Links to psychological distress. Child Abuse Negl 2009; 33(7): 451-460

Barroso CS, Peters Jr RJ, Kelder s, Conroy J, Murray N, Orpinas P. Youth exposure to community violence: Association with aggression, victimization, and risk behaviors. J Aggress Maltreat Trauma 2008; 17(2): 141-155.

Barcinski M. Expressões da homossexualidade feminina no encarceramento: o significado de se "transformar em homem" na prisão. Psico-USF (Bragança Paulista) 2012; 17(3): 437-446.

Caridade S, Machado C. Violência na intimidade juvenil: prevalência, factores de risco e atitudes. In: Machado C. Novas formas de vitimação criminal. Braga: Psiquilibrios; 2010. p. 13-59.

Leitão M. Violência nas Relações de Intimidade. In: Leitão M. Prevenir a violência no namoro - n(amor)o (im)perfeito - Fazer diferente para fazer a diferença, vol. 5, 23-42. Coimbra: Série Monográfica Educação e Investigação em Saúde, 2013.

Prado Soma SM, Williams LCA. Livros Infantis para Prevenção do Abuso Sexual Infantil: uma revisão de estudos. Temas psicol. 2014; 22(2): 353-361.

Achenbach TM, Edelhrock C. The classification of child psychopathology: a review and analysis of empirical efforts. Psychological Bulletin 1978; 85: 1275-1301.

Cicchetti D. Developmental psychopathology: some thoughts on its evolution. Dev. Psychopathol. 1989; 1(1) 1-4.

Sroufe LA, Rutter M. The domain of developmental psychopathology. Child Dev. 1984; 55(1): 17-29.

Aunola K, Nurmi JE. The role of parenting styles in children's problem behavior. Child Dev. 2005; 76(6): 1144-1159.

Borsa JC, Nunes MLT. Aspectos psicossociais da parentalidade: o papel de homens e mulheres na família nuclear. Psicologia Argumento 2011; 29(64): 31-39.

Pierobon M, Barak M, Hazrati S, Jacobsen KH. Alcohol consumption and violence among Argentine adolescents. J. Pediatr (Rio J) 2013; 89(1): 100–106.

Finkel EJ, Eckhardt CI. Intimate partner violence. In: Simpson J, Campbell L. The Oxford handbook of close relationships. Oxford: Oxford University Press; 2013. p. 452-474.

Lucenko BA, Sharkova IV, Huber A, Jemelka R, Mancuso D. Childhood adversity and behavioral health outcomes for youth: An investigation using state administrative data. Child Abuse Negl 2015; 47: 48–58.

Mclaughlin KA, Green JG, Gruber MJ, Sampson NA, Zaslavsky AM, Kessler RC. Childhood adversities and first onset of psychiatric disorders in a national sample of US adolescents. Arc Gen Psychiatry 2012; 69(11): 1151–1160.

Reyes HLM, Foshee VA, Tharp AT, Ennett ST, Bauer DJ. Substance Use and Physical Dating Violence. A J Prev Med 2015; 49(3): 467–475.

Bronfbrenner U, Morris PA. The ecology of developmental processes. In: W. Damon (Series Ed.), R. M. Lerner (Vol. Ed.). Handbook of child psychology, v. 1. Theoretical models of human development. New York: John Wiley; 1998. p. 993-1028.

Martins E, Szymanski H. A abordagem ecológica de Urie Bronfenbrenner em Estudos com Famílias. Estudos e Pesquisas em Psicologia 2004; 4(1): 63-77.

Yonas MA, Lange NE, Celedon JC. Psychosocial stress and asthma morbidity. Current opinion in allergy and clinical immunology. Curr Opin Allergy Clin Immunol 2012; 12(2): 202-10.




DOI: http://dx.doi.org/10.13102/rscdauefs.v8i1.3505

Apontamentos

  • Não há apontamentos.