Perfil epidemiológico de puérperas e recém-nascidos atendidos em uma unidade de referência

Silas Santos Carvalho, Bruno Rodrigues de Oliveira

Resumo


Este estudo objetivou conhecer o perfil epidemiológico de puérperas e neonatos atendidos em um hospital de referência. Trata-se de um estudo transversal quantitativo realizado em um hospital público, onde foram analisados o cartão de gestante e os prontuários das puérperas e do recém-nascido. Participaram 457 puérperas, destas, 51,4% tinham idade entre 17 e 26 anos, 85,4% eram casadas/ união estável, 39,6% eram primigestas e 64,6% tiveram parto normal; e 461 neonatos, destes, 84,2% eram a termo e tiveram Índice de Apgar maior que 7 e 8 no 1º (92,2%) e no 5º (94,8%) minuto de vida. Baixo peso ao nascer e prematuridade foram constatados em 11,3% e 9,1% dos neonatos, respectivamente. A pesquisa permitiu traçar o perfil epidemiológico de puérperas e de seus neonatos, possibilitando a compreensão da interação dos fatores de risco e a reorganização de estratégias de serviços mais efetiva.

Abstract

This study had the objective of to trace the epidemiological profile of puerperae and neonates treated in a referral hospital. A quantitative cross-sectional study was carried out in a public hospital, where the pregnant woman’s card, the medical records of the puerperae and the newborn were analyzed. 457 postpartum women participated, 51.4% were between 17 and 26 years of age, 85.4% were married / stable, 39,6% were primigravidae and 64.6% had normal births; and 461 neonates, of whom 84.2% were at term and had an Apgar score greater than 7 and 8 in the 1st (92.2%) and in the 5th (94.8%) minute of life. Low birth weight and prematurity were found in 11.3% and 9.1% of neonates, respectively. The research allowed us to trace the epidemiological profile of puerperal women and their newborns, enabling the understanding of the interaction of risk factors and the reorganization of more effective service strategies.


Palavras-chave


gestantes; recém-nascido; epidemiologia; recém-nascido de baixo peso

Texto completo:

PDF

Referências


Santos JO, Pacheco TS, Oliveira PS, Pinto VL, Gabrielloni MC, Barbieri M. The obstetrical and newborn profile of postpartumwomen in maternities in São Paulo. J res: fundam care. 2015; 7(1): 1936-1945.

Franciscatto LHG, Pasqua MD, Tolotti GK, Rossetto C, Argent C, Pinheiro JM. Delineamento do perfil epidemiológico de puérperas e recém-nascidos. Rev. enferm. UFPE 2014; 8(5): 1149-1156.

Lansky S, Friche AAL, Silva AAM, Campos D, Bittencourt SDA, Carvalho ML, et al. Pes quisa Nascer no Brasil: perfil da mortalidade neonatal e avaliação da assistência à ges tante e ao recém-nascido. Cad. Saúde Publica 2014; 30(Sup): S192–207.

Gonçalves MF, Teixeira EMB, Silva MAS, Corsi NM, Ferrari RAP, Pelloso SM, et al. Pré-natal: preparo para o parto na atenção primária a saúde no sul do Brasil. Rev. Gaúcha Enferm. 2017; 38(3): e2016-0063.

Carvalho SS, Oliveira BR, Nascimento CSO, Gois CT, Pinto IO. Percepção da equipe de enfermagem sobre a implantação do setor de acolhimento com classificação de risco às gestantes. Rev. Bras. Saúde Mater. Infant. 2018; 18(2): 309-315.

Lima JC, Oliveira Júnior GJ, Takano OA. Factors associated to fetal death in Cuiabá, Mato Grosso. Rev. Bras. Saúde Mater. Infant. 2016; 16(3): 353-361.

Wang J, Zeng Y, Ni ZM, Wang G, Liu S, Li C et al. Risk factors for low birth weight and preterm birth: A populationbased case control study in Wuhan, China. J Huazhong Univ Sci Technolog Med Sci 2017; 37(2): 286-292.

Organização Mundial da Saúde (OMS). Meeting of Advisory Group on Maternal Nutrition and Low Birthweight. Genebra: OMS; 2002. Disponível em: http:// www.who.int/nutrition/topics/lbw_strategy_background.pdf.

Brasil, Conselho Nacional de Saúde (CNS). Resolução n. 466, de 12 de dezembro de 2012. Brasília: CNS; 2012.

Carvalho SS, Coelho JMF, Bacelar DA, Mariola E. Fatores maternos para o nascimento de recém-nascidos com baixo peso e prematuros: estudo caso-controle. Ciênc. Saúde 2016; 9(2): 76-82.

Toscano MM; Paiva CSM; Nunesmaia HGS. Epidemiological characteristics of puerperal women interned at public maternity hospital in João Pessoa in 2014. J res: fundam care 2017; 9(2): 503-509.

Espinosa MG, Arévalo LR, Sánchez COR. El embarazo en la adolescencia desde las perspectivas salud y sociedad. Rev Cubana Med Gen Integr 2016; 32(2): 280-89.

Carvalho SS, Coelho JMF. Perfil epidemiológico de puérperas de recém-nascidos com baixo peso e prematuros. Saúde Rev. 2017; 17(45):39-47.

Teixeira MPC, Queiroga TPR, Mesquita MA. Frequency and risk factors for the birth of small-for-gestational-age newborns in a public maternity hospital. Einstein 2016; 14(3): 317-23.

Canhaço EE, Bergamo AM, Lippi UG, Lopes RGC. Perinatal outcomes in women over 40 years of age compared to those of other gestations. Einstein 2015;13(1): 58-64.

Carvalho SS, Oliveira BR. Fatores preditivos para a ocorrência de baixo peso ao nascer e prematuridade: um estudo caso-controle. Rev. Educ. Saúde 2019; 7(1): 100-108.

Coelho JMF, Galvão CR, Rodrigues RM, Carvalho SS, Santos BM, Miranda SS et al. Associação entre qualidade do pré-natal e baixo peso ao nascer em uma instituição hospitalar em Feira de Santana. Rev. Epid. Contr. Infec. 2018; 8(2): 2238-3360.

Carvalho SS, Oliveira BR, Bezerra ISA. Importância das orientações sobre trabalho de parto nas consultas de pré-natal: revisão de literatura. Rev. Educ. Saúde 2019; 7(2):42-150.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Programa Nacional de Suplementação de ferro: manual de condutas [Internet]. Brasília: Ministério da Saúde; 2013.

Cassimiro GN, Mata JAL. Adesão ao uso de sulfato ferroso por gestantes atendidas no sistema único de saúde. Rev enferm UFPE 2017; 11(Supl. 5): 2156-67.

Silva DF, Silva GF, Schafaschek HS, Guimbala MAB, Almeida S, Silva JC. Suplementação de sulfato ferroso na gestação e anemia gestacional: uma revisão da literatura. Arq. Catarin. Med. 2018; 47(1): 198-206.

Jones S, Hamilton S, Bell R, Araújo-Soares V, Glinianaia SV, Milne EMG, et al. What helped and hindered implementation of an intervention package to reduce smoking in pregnancy: process evaluation guided by normalization process theory. BMC Health Services Research 2019;19(297).

Mizumoto BR, Cunha AJ, Moreira BM, Santoro-Lopes G, Cunha AJ, Santos RMR et al. Quality of antenatal care as a risk fator for early onset neonatal infections in Rio de Janeiro, Brazil. Braz J Infect Dis 2015; 19(3):272-277.

World Health Organization (WHO). Appropriate technology for birth. Lancet 1985; 2(8452): 436-437.

Betran, A.P.; Torloni, M.R.; Zhang, J.; Ye, J.; Mikolajczyk, R.; Deneux-Tharaux, C. et. al. What is the optimal rate of caesarean section at population level? A systematic review of ecologic studies. Reprod Health 2015; 12(1): 57.

Vogel JP, Betrán AP, Vindevoghel N, Souza JP, Torloni MR, Zhang J et al. Use of the Robson classification to assess caesarean section trends in 21 countries: a secondary analysis of two WHO multicountry surveys. Lancet Global Health 2015; 3(5):260-270.

Brasil. Ministério da Saúde. Portal da saúde. Departamento de Informática do SUS. Informações de saúde TABNET. 2010.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Atenção à Saúde do Recém-Nascido: Guia para os profissionais de saúde. Brasília: MS; 2012.

Barros F, Matijasevich A.; Silveira, M. Estudo “Prematuridade e suas possíveis causas”. Unicef; 2013.

Gonçalves MD, KowalskiII ISG, Sá AC. Atenção ao prénatal de baixo risco: atitudes dos enfermeiros da estratégia saúde da família. Rev. Enferm. UERJ 2016; 24(6): e18736.




DOI: http://dx.doi.org/10.13102/rscdauefs.v9i0.4493

Apontamentos

  • Não há apontamentos.