Variação temporal da incidência da tuberculose no Brasil e em Portugal

Saulo Wesley Silva Lessa Vilasbôas, Maria Cristina Martins Teixeira

Resumo


Introdução: A tuberculose é uma doença infecciosa com forte impacto na saúde das populações, que persiste como problema e desafio crescente para a saúde pública, exigindo particular atenção. Objetivo: Estimar o Percentual de Variação anual (PVA) da incidência de tuberculose no Brasil e em Portugal, no período de 2001 a 2013. Método: Para o Brasil, os novos casos de tuberculose foram coletados no Sistema de Informação de Agravos de Notificação (SiNaN) e as estimativas da população brasileira foram obtidos do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Os novos casos de tuberculose e as estimativas da população portuguesa foram recolhidas no Instituto Nacional de Estatística (INE). A incidência foi calculada estratificando-se por sexo. Através de modelos de regressão linear segmentada (Joinpoint Regression Model), estimou-se o PVA da incidência de tuberculose por sexo, para cada país. Resultados: A incidência de tuberculose por 100.000 habitantes variou de 48,41, em 2001, a 42,76, em 2013, para o Brasil, e de 67,84, em 2001, a 24,8, em 2013, em Portugal, com valores em homens que são praticamente o dobro dos observados em mulheres. Conclusão: Os achados indicam redução da incidência de tuberculose em ambos os países, porém de forma mais significativa em Portugal.


Palavras-chave


Tuberculose; Variação temporal; Incidência

Texto completo:

PDF

Referências


World Health Organization. Global Tuberculosis Report 2017. Geneva: WHO; 2017. Disponível em: . [2016 dez 17].

Briz T, Nunes C, Alves J, Santos O. O controlo da tuberculose em Portugal: uma apreciação críticaepidemiológica global. Rev. Port. Sau. Pub. 2009; 27(1): 19-54.

Tiemersma EW, van der Werf MJ, Borgdorff MW, Williams BG, Nagelkerke NJD. Natural history of tuberculosis: Duration and fatality of untreated pulmonary tuberculosis in HIV negative patients: A systematic review. PLoS One 2011; 6(4).

Diel R, Vandeputte J, De Vries G, Stillo J, Wanlin M, Nienhaus A. Costs of tuberculosis disease in the European Union: A systematic analysis and cost calculation. Eu Respir J 2014; 43(2): 554-65.

Murray M, Oxlade O, Lin H-H. Modeling social, environmental and biological determinants of tuberculosis. Int J Tuberc Lung Dis 2011; 15 Suppl 2(6): S64-70.

Silva P da F, Moura GS, Caldas A de JM, Silva P da F, Moura GS, Caldas A de JM. Fatores associados ao abandono do tratamento da tuberculose pulmonar no Maranhão, Brasil, no período de 2001 a 2010. Cad. Saúde pública 2014; 30(8): 1745-54.

Herrero MB, Arrossi S, Ramos S, Braga JU. Social determinants of nonadherence to tuberculosis treatment in Buenos Aires, Argentina. Cad. saúde pública 2015; 31(9): 1983-94.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis. Brasil livre da tuberculose: Plano Nacional pelo fim da Tuberculose como problema de Saude Publica. Brasília; 2017. Disponível em: . [2017 dez 12].

Portugal. Direção Geral da Saúde. Infecção VIH, SIDA e Tuberculose em números - 2014. Programa Nacional para a Infecção VIH/SIDA. Lisboa; 2014. Disponível em: . [2017 fev 13].

Sá LD de, Andrade MN de, Nogueira J de A, Villa TCS, Figueiredo TMRM de, Queiroga RPF de, et al. Implantação da estratégia DOTS no controle da Tuberculose na Paraíba: entre o compromisso político e o envolvimento das equipes do programa saúde da família (1999-2004). Ciênc. saúde coletiva 2011; 16(9): 3917-24.

Portugal. DireçãoGeral da Saúde. Stop TB 2010. Relatório para o dia mundial da tuberculose. Programa Nacional de Luta contra a Tuberculose. Lisboa; 2010. Disponível em: [2017 fev 10].

de Souza WV, Militão Albuquerque MDF, Barcellos CC, de Alencar Ximenes RA, Carvalho MS. Tuberculose no Brasil: Construção de um sistema de vigilância de base territorial. Rev. Saúde Públ. 2005; 39(1): 82-9.

Raviglione MC, Uplekar MW. WHO’s new Stop TB Strategy. Lancet 2006; 367(9514): 952-5.

Dye C, Lönnroth K, Jaramillo E, Williams BG, Raviglione M. Trends in tuberculosis incidence and their determinants in 134 countries. Bull World Health Organ 2009; 87(9): 683-91.

Arinaminpathy N, Dye C. Health in financial crises: economic recession and tuberculosis in Central and Eastern Europe. J R Soc Interface 2010; 7(52): 1559-69.

Prado TN do, Caus AL, Marques M, Maciel EL, Golub JE, Miranda AE.Perfil epidemiológico de pacientes adultos com tuberculose e AIDS no estado do Espírito Santo, Brasil: Relacionamento dos bancos de dados de tuberculose e AIDS. J bras. Pneumol. 2011; 37(1): 93-9.

Xaud A, Setenta M. Epidemiologia da tuberculose no município de Itabuna, bahia, brasil: da pesquisa à extensão. Revista Focando a Extensão 2012; I: 9–16.

Alvaro-Meca A, Rodriguez-Gijon L, Diaz A, Gil A, Resino S. Incidence and mortality of tuberculosis disease in Spain between 1997 and 2010: impact of human immunodeficiency virus (HIV) status. J Infect 2014; 68(4): 355-62




DOI: http://dx.doi.org/10.13102/rscdauefs.v9i0.4519

Apontamentos

  • Não há apontamentos.