Impacto de causas de morte na esperança de vida em São Paulo, 2000 e 2010

Fernando Flores Santos Ribeiro, Eliane Menezes Flores Santos, André Renê Barboni

Resumo


Foi levantado e analisado o impacto de algumas causas de morte na esperança de vida (EV) dos residentes dos bairros centrais e periféricos de São Paulo (capital), 2000 e 2010. Analisou-se a importância dos grupos de causas de óbito na EV, utilizando-se tábuas de vida e a teoria de riscos competitivos. os cinco capítulos da CiD10 analisados abrangem mais de três quartos dos óbitos, em ambos os sexos, nos anos estudados. Nota-se uma clara tendência de envelhecimento de ambas as regiões. A diferença da Esperança de Vida ao Nascer (EVN) entre mulheres e homens do centro e da periferia diminuiu, mas a disparidade entre áreas aumentou. A análise dos Anos Potenciais de Vida Ganhos, através da eliminação do risco de morrer por alguns grupos de causa de morte, mostra diferenças em função da importância relativa que cada grupo tem em cada uma das populações e permite ao gestor estabelecer uma política mais específica e resolutiva que certamente irá se refletir na qualidade de vida. Fica claro que existem duas realidades muito diferentes dentro do mesmo município. Provavelmente isso também é válido para o restante do Brasil.

Abstract

The study analyzed the impact of some causes of death in the life expectancy of the central and peripheral districts residents of São Paulo (capital city), 2000 and 2010. the importance of the groups of causes of death was measured by life tables and the theory of competitive risks. The five chapters of ICD10 analyzed cover more than three quarters of deaths in both sexes. there was a clear trend towards aging in both regions. The difference in Life Expectancy at Birth between women and men in the center and the periphery decreased, but the disparity between areas increased. the analysis of the Potential Life Years Earnings by eliminating the risk of dying by some cause of death groups shows differences depending on the relative importance that each group has in each of the populations and allows the manager to establish a more specific policy, which will certainly be reflected in the quality of life. It is clear that there are two very different realities within the same city. This is probably also true for the rest of Brazil


Palavras-chave


Mortalidade; Esperança de vida; Causa básica de morte; Tábuas de vida; Fatores de risco

Texto completo:

PDF

Referências


Minayo MCDS, Hartz ZMDA, Buss PM. Qualidade de vida e saúde: um debate necessário. Ciênc. saúde coletiva 2000; 5(1)7-18.

PNUD. Human Development Report. New York: Oxford University Press; 1990.

IBGE. Projeção da População do Brasil por sexo e idade para o período 1980-2050, Revisão 2004. Metodologia e

Resultados. Estimativas anuais e mensais da população do Brasil e das Unidades da Federação: 1980-2020 – Metodologia. Estimativas das Populações Municipais – Metodologia. Rio de Janeiro: IBGE, 2004. Disponível em: https://cut.org.br/ system/uploads/action_file_version/9a91ea452980f120d9aa7 4acdd3341d1/file/metodologia-ibge.pdf. [2019 nov 12].

Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde (DATASUS). Informações de Saúde (TABNET). Disponível em: http://datasus.saude.gov.br/projetos/10-informacoes-desaude/155-tabwin. [2019 nov 12].

Barboni AR, Gotlieb SLD. Impacto de causas básicas de morte na esperança de vida em Salvador e São Paulo, 1996. Rev. Saúde Pública 2004; 38(1):16-23.

Fouweather T, Gillies, C Wohland P, Van Oyen H, Nusselder W, Robine JM, et al. Comparison of socioeconomic indicators explaining inequalities in Healthy Life Years at age 50 in Europe: 2005 and 2010. Eur J Public Health 2015; 25(6):978–983.

Szwarcwald CL, Montilla DER, Marques A P, Damacena G N, Almeida WDSD, et al. Desigualdades na esperança de vida saudável por Unidades da Federação. Rev. Saúde Pública 2017; 51(1): 1s-11s.

Gotlieb SLD. Mortalidade diferencial por causas – São Paulo, 1970 – Tábuas de Vida de Múltiplo Decremento [Doutorado – Tese]. São Paulo: Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo; 1977.

Silva MLGMM. Evolução da mortalidade infantil no Município de São Paulo no período de 2000 a 2007 [Mestrado – Dissertação]. São Paulo: Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo; 2010.

Barboni AR. Impacto das causas básicas de morte na esperança de vida nos bairros centrais e periféricos de São Paulo, Brasil, 2000. SIIC Salud (Buenos Aires) 2007; Expertos Invitados (Epidemiologia), 1-8.

Barboni AR, Gotlieb SLD. Impacto de causas básicas de morte na esperança de vida em Salvador e São Paulo, 1996. Rev. Saúde Pública 2004; 3816-23.

World Health Organization. International Statistical Classification of Diseases and Related Health Problems, 10th Revision. Geneva: WHO; 1992. Disponível em: http:// www. who. int/classifications/apps/icd/icd. [2019 nov 12].

Organização Mundial de Saúde. Manual da Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados à Saúde, 10ª. Revisão. São Paulo: Centro Colaborador da OMS para a Classificação de Doenças em Português, Edusp; 2007.

Barboni AR. O impacto de algumas causas básicas de morte na esperança de vida de residentes em Salvador e São Paulo – 1996 [Doutorado – Tese]. São Paulo: Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo; 2002.

Murray C J, Lopez AD, World Health Organization. The global burden of disease: a comprehensive assessment of mortality and disability from diseases, injuries and risk factors in 1990 and projected to 2020. Cambridge: Harvard Univ. Press; 1996.

Romero DE, Cunha CBD. Avaliação da qualidade das variáveis epidemiológicas e demográficas do Sistema de Informações sobre Nascidos Vivos, 2002. Cad. saúde pública 2007; 23(3): 701-714.




DOI: http://dx.doi.org/10.13102/rscdauefs.v9i0.4688

Apontamentos

  • Não há apontamentos.