A Estratégia Saúde da Família no Estado de Pernambuco: avaliação do processo de trabalho das equipes por porte populacional

Fernando Castim Pimentel, Paulette Cavalcanti de Albuquerque, Wayner Vieira de Souza

Resumo


O estudo teve como objetivo avaliar o processo de trabalho das equipes de saúde da família do Estado de Pernambuco, por porte populacional, no ano de 2009. Foram aplicados questionários estruturados a 154 equipes de 24 municípios e avaliados itens referentes à organização da equipe, articulação com a comunidade e a programas específicos. Os resultados mostraram que as equipes dos municípios de maior porte se destacaram-se dos demais quanto à existência de pelo menos um grupo temático e no preenchimento dos livros de registro de tuberculose e hanseníase. Já os municípios de menor porte apresentaram melhores resultados nas ações de acolhimento, busca ativa de adolescentes de risco e no conjunto das ações de saúde da mulher. Entretanto, de uma forma geral, as equipes apresentaram dificuldades para realizar várias ações, sendo necessário capacitar os profissionais, a fim de desenvolverem suas práticas conforme preconiza a Política Nacional de Atenção Básica.

Abstract

The study aimed to evaluate the family health teams process of work in the state of Pernambuco based on population size in the year 2009. Structured questionnaires were applied to 154 teams of 24 municipalities assessed and items related to the organization of the team were applied to the joint community and to specific programs. The results showed that teams of larger municipalities stood out from the others regarding the existence of at least one thematic group and the completion of the registration books of tuberculosis and leprosy. The smaller municipalities showed better results when performing the hosting actions, active search for risky adolescents and into the actions of women’s health. However, in general, the teams had difficulties to perform various actions, showing that it is necessary to train professionals in order to develop their practices as recommended by the National Primary Care Policy.


Palavras-chave


Atenção primária à saúde; Estratégia Saúde da Família; Avaliação de serviços de saúde; Avaliação de processos (cuidados de saúde).

Texto completo:

PDF

Referências


Oliveira JLC, Saliba NA. Atenção odontológica no Programa de Saúde da Família de Campos dos Goytacazes. Ciênc. saúde coletiva 2005; 10(Supl): 297-302.

Brasil. Ministério da Saúde. Diretrizes operacionais dos Pactos pela Vida, em Defesa do SUS e da Gestão. Brasília: Ministério da Saúde; 2006.

Rouquayrol MZ. Epidemiologia & Saúde. 7ª ed. Rio de Janeiro: Medbook; 2013.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria Nº 648, de 28 de março de 2006. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes e normas para a organização da Atenção Básica para o Programa Saúde da Família (PSF) e o Programa Agentes Comunitários de Saúde (PACS). Brasília: Diário Oficial da União; 2006.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº 2.488, de 21 de outubro de 2011. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão das diretrizes e normas para a organização da Atenção Básica, para a Estratégia Saúde da Família (ESF) e o Programa de Agentes Comunitários de Saúde (PACS). Brasília: Diário Oficial da União; 2011.

Campos FE, Aguiar RAT, Oliveira VB. O desafio da expansão do Programa de Saúde da Família nas grandes capitais brasileiras. Physis 2002; 12: 47-58.

Henrique F, Calvo MCM. Grau de implantação do Programa Saúde da Família e indicadores sociais. Ciênc. saúde coletiva 2009; 14(supl.1): 1359-1365.

Sousa MF, Hamann EM. Programa Saúde da Família no Brasil: uma agenda incompleta? Ciênc. saúde coletiva 2009; 14 (Supl 1): 1325-1335.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Assistência a Saúde. Análise de Reestruturação dos Modelos Assistenciais de Saúde em Grandes Cidades: Padrões de Custos e Formas de Financiamento. Brasília: Ministério da Saúde; 2002.

Donabidian A. The quality of care. How can it be assessed? JAMA 1988; 260: 1743-1748.

Samico I et al. (Orgs.). Abordagens metodológicas na avaliação em saúde. In: Samico I et al. Avaliação em Saúde: bases conceituais e operacionais. Rio de Janeiro: Medbook; 2010.

Aguilar MJ, Ander-Egg E. Avaliação de programas e serviços sociais. Petrópolis: Editora Vozes; 1994.

Brasil. Departamento de Informática do SUS. Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde. Brasília: Datasus; 2009.

Sarti TD, Campos CEA, Zandonade E, Ruschi GEC, Maciel ELN. Avaliação das ações de planejamento em saúde empreendidas por equipes de saúde da família. Cad. Saúde Pública 2012; 28(3): 537-548.

Brasil. Ministério da Saúde. Avaliação da implantação e funcionamento do Programa de Saúde da Família: relatório preliminar. Brasília: Ministério da Saúde; 1999.

Oliveira WMA, Bezerra ALQ. Autoavaliação da Estratégia Saúde da Família por Enfermeiros. Rev. enferm. UERJ 2011; 19(1): 20-25.

Nogueira JA, Trigueiro DRSG, Sá LD, Silva CA, Oliveira LCS, Villa TCS, Scatena LM. Enfoque familiar e orientação para a comunidade no controle da tuberculose. Rev. Bras. Epidemiol. 2011; 14(2): 207-216.

Camargo Jr KR, Campos SEM, Bustamante-Teixeira MT, Mascarenhas MTM, Mauad NM, Franco TB et al. Avaliação da atenção básica pela ótica político-institucional e da organização da atenção com ênfase na integralidade. Cad. Saúde Pública 2008; 24 (Sup 1): 58-68.

Souza ECF, Vilar RLA, Rocha NSPD, Uchoa AC, Rocha PM. Acesso e acolhimento na atenção básica: uma análise da percepção dos usuários e profissionais de saúde. Cad. Saúde Pública 2008; 24(Sup 1): 100-110.

Canesqui AM, Spinelli MAS. Saúde da família no Estado de Mato Grosso, Brasil: perfis e julgamentos dos médicos e enfermeiros. Cad. Saúde Pública 2006; 22(9): 1881-1892.

Crevelim MA, Peduzzi M. A participação da comunidade na equipe de saúde da família. Como estabelecer um projeto comum entre trabalhadores e usuários? Ciênc. saúde coletiva 2005; 10(2): 321-331.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares no SUS - PNPIC-SUS. Brasília: Ministério da Saúde, 2006.

Facchini LA, Piccini RX, Tomasi E, Thumé E, Silveira DS, Siqueira FV. Desempenho do PSF no Sul e no Nordeste do Brasil: avaliação institucional e epidemiológica da Atenção Básica à Saúde. Ciênc. saúde coletiva 2006; 11(3): 669-681.

Silva MA, Oliveira AGB, Mandú ENT, Marcon SR. Enfermeiros & Grupos em PSF: possibilidade para participação social. Cogitare enferm. 2006; 11(2): 143-149.

Horta NC, Sena RR, Silva MEO, Tavares TS, Caldeira IM. A prática de grupos como ação de promoção da saúde na Estratégia Saúde da Família. Rev. APS 2009; 12: 293-301.

Niquini RP, Bittencourt AS, Lacerda EMA, Saunders C, Leal MC. Avaliação do processo da assistência nutricional no pré-natal em sete unidades de saúde da família do Município do Rio de Janeiro. Ciênc. saúde coletiva 2012; 17(10): 2805-2816.

Almeida JRS, Oliveira NC, Moura ERFM, Sabóia VPA, Mota MV, Pinho LGM. Oficinas de promoção de saúde com adolescentes: relato de experiência. Rev. Rene 2011; 12: 1052-1058.

Costa JMBS, Silva MRF, Carvalho EF. Avaliação da implantação da atenção à hipertensão arterial pelas equipes de Saúde da Família do município do Recife (PE, Brasil). Ciênc. saúde coletiva 2011; 16(2): 623-633.

Costa JSDC, Gonçalves H, Menezes AMB, Devens E, Piva M, Gomes M et al. Controle epidemiológico da tuberculose na cidade de Pelotas, Rio Grande do Sul, Brasil: adesão ao tratamento. Cad. Saúde Pública 1998; 14(2): 409-415.

Donaldson MS, Yordy KD, Lohr KN, Vancelow NA. Primary care: America’s health in a new era. Washington: National Academy Press; 1996.

Sousa MF. Os sinais vermelhos do PSF. São Paulo: Hucitec; 2002. 32. Teixeira CF. A mudança do modelo de atenção à saúde no SUS: desatando nós, criando laços. Saúde debate 2003; 27(65): 257-277.




DOI: http://dx.doi.org/10.13102/rscdauefs.v9i0.4731

Apontamentos

  • Não há apontamentos.