Mortalidade por AIDS no Centro-Oeste brasileiro em 10 anos: uma análise de séries temporais por faixas etárias.

Vinicius da Silva Oliveira, Bruna de Moraes Rodrigues, Erika Carvalho de Aquino

Resumo


Objetivos: O estudo visa identificar as tendências de óbito pela Síndrome de Imunodeficiência Adquirida (SIDA)/Acquired Immunodeficiency Syndrome (AIDS) no Centro-oeste entre 2005 e 2015. Metodologia: Estudo ecológico. Calcularam-se as taxas por 100 mil habitantes no programa Excel e as análises estatísticas no programa Stata, 13.0. Foi utilizada a regressão de Prais-Winsten, obtendo-se o coeficiente “β” e o valor de p. Resultados: O menor número de óbitos notificados foi de 8 casos e o maior 2.559. A maior taxa média de mortalidade foi de 40 a 49 anos, com 12 óbitos/100.000 hab., e a média para todas foi 5,1 óbitos/10.000 hab. (RP = 2,36). A faixa etária de 30 a 39 anos teve tendência decrescente (β = -0.00908 e P-Valor = 0.001), a de 50 a 59 anos (β = 0.014 e p = 0.006) e 60 a 69 anos (β = 0.016 e p = 0.001) tendências crescentes e as outras foram estacionárias. Conclusão: Foram identificadas tendências estacionárias na maior parte das faixas etárias, com excessão das faixas que vão dos 50 aos 70 anos, indicando possíveis lacunas na abordagem de saúde do idoso.

Abstract

Objectives: The study aims to identify the trends of death by Acquired Immunodeficiency Syndrome (AIDS) in the central-west between 2005 and 2015. Methods: Ecological study. Rates were calculated by 100,000 inhabitants on Excel program, and the statistical analysis on the Stata program, 13.0, through the method of Prais-Winsten regression, getting the “β” coefficient and p-value. Results: The lower number of deaths notified was 8 and the higher was 2559. The higher average rate of mortality was 40 to 49 years, with 12 deaths/100,000 inhabitants, and the average rate to all was 5,1 deaths/100,000 people (PR = 2,36). The AG of 30 to 39 years had a decreasing trend (β = -0.00908 e P-Valor = 0.001), 50 to 59 (β = 0.014 e p = 0.006) and 60 to 69 years (β = 0.016 e p = 0.001) increasing trends, and the others were stationary. Conclusion: Mostly stationary trends were identified, however, increasing trends were found.

 


Palavras-chave


Síndrome de Imunodeficiência Adquirida; Epidemiologia; Estudos de Séries Temporais;

Texto completo:

PDF

Referências


Costa JC, Arruda LB, Mendonça LM, Lucas CGO. Síndrome da Imunodeficiência Adquirida/AIDS. In: Santos NSO, Romanos MTV, Wigg MD. Virologia Humana. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2015. p. 1085-163.

Abbas AK, Lichtman AH, Pillai S. Imunologia celular e molecular. Rio de Janeiro: Elsevier; 2015. p. 986-1008.

Trigo D, Costa JB. Infecção VIH: Epidemiologia, História Natural e Diagnóstico. revista sPVd 2016; 746(4): 371-74.

Loreto S, Azevedo-Pereira JM. A infecção por HIV – importância das fases iniciais e do diagnóstico precoce. Acta Farmacêutica Portuguesa 2012; II(1): 5-17.

Joint United Nations Programme on HIV/AIDS. Ending AIDS - Progress towards the 90-90-90 targets. Geneva; 2017.

Ministério da Saúde – Secretaria de Vigilância em Saúde. Boletim epidemiológico HIV AIDS 2017. Ano V. Brasília; 2017.

Hallal R, Ravasi G, Kuchenbecker R, Greco D, Simão M. O acesso universal ao tratamento antirretroviral no Brasil. Tempus, actas de saúde colet 2010; 4(2): 53-65.

Loch AP, Nemes MIBS, Santos MA, Alves AM, Melchior R, Basso CR et al. Avaliação dos serviços ambulatoriais de assistência a pessoas vivendo com HIV no Sistema Único de Saúde: estudo comparativo 2007/2010. Cad. Saúde Pública. 2018; 34(2): 1-13.

Jesus GJ, Oliveira LB, Caliari JS, Queiroz AAFL, Gir E, Reis RK. Dificuldades do viver com HIV/AIDS: Entraves na qualidade de vida. Acta Paul. Enferm. 2017; 30(3): 301-7.

Paschoal EP, Santo CCE, Gomes AMT, Santos EI, Oliveira DC, Pontes APM. Adesão à terapia antirretroviral e suas representações para pessoas vivendo com HIV/AIDS. Esc. Anna Nery 2014; 18(1): 32-40.

Brasil. DATASUS. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2018. Disponível em: http://datasus.gov.br.

Lima SS, Silva LCS, Santos MV, Martins JP, Oliveira MC, Brasileiro ME. HIV na gestação: pré-natal, parto e puerpério. Ciênc. Saúde 2017; 10(1): 56-61.

Duarte G, Quintana SM, El BP. Fatores que influenciam a transmissão vertical do vírus da imunodeficiência humana tipo 1. Rev. Bras. Ginecol. Obstet. 2005; 27( 11):698-705.

Rocha IMS, Barbosa VSS, Lima ALS. Fatores que influenciam a não adesão ao programa de pré-natal. revista Recien 2017; 7(21): 21-9.

Araújo TME, Monteiro CFS, Mesquita GV, Alves ELM, Carvalho KM, Monteiro RM. Fatores de risco para infecção por HIV em adolescentes. Rev. enferm. UERJ 2012; 20(2): 242-47.

Kourrouski MFC. Adesão ao tratamento: vivências de adolescentes com HIV/AIDS [Dissertação de mestrado]. Ribeirão Preto: Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto da USP; 2008.

Pascom ARP, Meireles, MV, Benzaken, AS. Sociodemographic determinants of attrition in the HIV continuum of care in Brazil, in 2016. Medicine 2018; 97(1): 69-74.

Guimarães MDC, Carneiro M, Abreu DMX, França EB. Mortalidade por HIV/Aids no Brasil,2000-2015: motivos para preocupação? Rev. bras. epidemiol. 2017; 20(1): 182-190.

Ceccon RF, Meneghel SN. Iniquidades de gênero: mulheres com HIV/AIDS em situação de violência. Physis 2017; 27(4): 1087-103.

Dornelas Neto J, Nakamura AS, Cortez LER, Yamaguchi MU. Doenças sexualmente transmissíveis em idosos: uma revisão sistemática. Ciênc. saúde coletiva 2015; 20(12): 3853-4.

Santos AFM, Assis M. Vulnerabilidade das idosas ao HIV/AIDS: despertar das políticas públicas e profissionais de saúde no contexto da atenção integral: revisão de literatura. Rev. bras. geriatr. gerontol. 2011; 14(1):g147-157.

Girondi JBR, Zanatta AB, Bastiani JAN, Nothaft SS, Santos SMA. Perfil epidemiológico de idosos brasileiros que morreram por síndrome da imunodeficiência adquirida entre 1996 e 2007. Acta paul. enferm. 2012; 25(2): 302-7.

Cohen MS, Chen YQ, McCauley M, Gamble T, Hosseinipour MC, Kumarasamy N, et.al. Prevention of HIV-1 Infection with Early Antiretroviral Therapy. N Engl J Med 2011; 365: 493-505.

Silva LC, Felício EEAA, Casséte JB, Soares LA, Morais RA, Prado TS, Guimarães DA. Impacto psicossocial do diagnóstico de HIV/aids em idosos atendidosem um serviço público de saúde. Rev bras geriatr gerontol 2015; 18(4): 821-833.

Garbin CAS, Gatto RCJ, Garbin AJI. Adesão à terapia antirretroviral em pacientes HIV soropositivos no Brasil: uma revisão da literatura. Arch Health Invest 2017; 6(2): 65-70.

Traebert J, Traebert E, Schuelter-Trevisol F, Escalante JJC, Schneider IJC. The burden of AIDS: a time series analysis of thirty-five years of the epidemic in Brazil. Aids Care 2018; 30(11):1413-20.

Oliveira MLC, Paz LC, Melo GF. Ten years of HIV-AIDS epidemic in more than 60 years in Federal District - Brazil. Rev. bras epidemiol. 2013; 16(1):30-9.

Lima-Costa MF, Barreto SM. Tipos de estudos epidemiológicos: conceitos básicos e aplicações na área do envelhecimento. Epidemiol. Serv. Saúde 2003;12(4):189-201.




DOI: http://dx.doi.org/10.13102/rscdauefs.v9i0.4753

Apontamentos

  • Não há apontamentos.