Mortalidade Geral no Sudoeste do Pará: uma análise de Cluster entre sexos

Gabriel Brito Procópio, Álvaro Ferreira da Silva, Ana Cristina Viana Campos

Resumo


Introdução: O acompanhamento precípuo da mortalidade geral viabiliza a identificação do perfil epidemiológico sobre as diferenças regionais que interferem na realidade da população. Objetivo: O estudo tevecomo objetivo identificar a razão de mortalidade geral por ano e por sexo, elencando as diferenças nos municípios pertencentes a um centro regional de saúde no sudeste do estado do Pará. Método: Trata-se de um estudo ecológico de série histórica, entre os anos 2000 a 2015, com dados secundários de todos os municípios pertencentes ao 11º Centro Regional de Saúde do estado do Pará. Resultados: Dos 23 municípios da regional de saúde, os municípios de Curionópolis, Jacundá, Marabá e Rondon do Pará, apresentaram elevada taxa de mortalidade para ambos os sexos. O maior percentual de óbitos masculinos ocorreu no ano de 2010 (67,9%), com razão igual a 5,40 por mil habitantes. Estima-se um aumentode até 55,1% (R2=0,55) da mortalidade para o sexo masculino nos próximos anos. Conclusões: A implementação e o aperfeiçoamento de políticas públicas em saúde voltadas para a redução dos índices de mortalidade que acometem principalmente os homens é fundamental e substancial nas ações para identificação dos fatores de risco e, principalmente, no monitoramento dos óbitos.

 

GENERAL MORTALITY IN SOUTHEASTERN PARÁ: A CLUSTER ANALYSIS BETWEEN SEXES

 

Introduction: The primary follow-up of general mortality enables the identification of the epidemiological profile on regional differences that interfere in the reality of the population. Objective: The study aimed to identify the ratio of general mortality per year and sex, electing the differences in municipalities belonging to a regional health center in the Southeast of Pará state. Method: This is an ecological study of historical series between the years 2000 to 2015, with secondary data from all municipalities belonging to the 11th Regional Health Center of the state of Pará. Results: Of the 23 municipalities of the regional health, the municipalities of Curionópolis, Jacundá, Marabá and Rondon do Pará presented a high mortality rate for both sexes. The highest percentage of male deaths occurred in 2010 (67.9%) with a ratio equal to 5.40 per thous and in habitants. An increase of up to 55.1% (R2=0.55) in male mortality is estimated for the coming years. Conclusions: The implementation and improvement of public health policies aimed at reducing mortality rates that mainly affect men, is fundamental and substantial in actions to identify risk factors and monitoring of deaths.


Palavras-chave


Mortalidade; Perfil de saúde; Políticas de saúde; Saúde Pública; Sistemas de Informação.

Texto completo:

PDF

Referências


Lima-Costa MF, Peixoto SV, Giatti L. Tendências da mortalidade entre idosos brasileiros (1980 - 2000). Epidemiologia e Serviços de Saúde; Volume 13 - Nº 4 - out/dez de 2004. p. 217 – 228. Disponível em: . [2019 out 12]

Ministério da Saúde (BR). Departamento de Informática do SUS. Banco de dados do Sistema único de saúde. Sistema de Informações sobre Mortalidade. 2018. Disponível em: [2018 dez 17]

Gontijo ACL, Mattos GC, Melo RR, Souza BPF, Campos, ACV. Mortalidade específica por sexo em Minas Gerais. Brasília, Med. V. 48 (2): p. 123-128. Brasília, DF. 2011. Disponível em: . [2019 out 12]

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Análise de Situação em Saúde. Saúde Brasil 2005: uma análise da situação de saúde no Brasil. Série C. Projetos, Programas e Relatórios. – Brasília: Ministério da Saúde, Brasília, DF. 2005. 822 p. Disponível em: . [2019 out 12]

Ministério da Saúde (BR). Coordenação Geral de Análise de Informações em Saúde. Centro Nacional de Epidemiologia. Manual de procedimentos do sistema de informações sobre mortalidade. Fundação Nacional de Saúde FUNASA. Assessoria de Comunicação e Educação em Saúde – ASCOM. Setor de Autarquias Sul, Quadra 4, Bl. N, 5” Andar Sala 517 CEP.: 70.070-040 Brasília/DF. 2001. Disponível em: . [2018 dez 18]

Ibge, Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Caracterização do Território, Pará. Atlas de Desenvolvimento humano no Brasil - IDHM. Fundação João Pinheiro (FJP), MG; Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA); PNUD, 2018. Disponível em: . [2019 out 09]

Albuquerque GA, Leite MF, Belém JM, Nunes JFC, Oliveira MA, Adami F. O homem na atenção básica: percepções de enfermeiros sobre as implicações do gênero na saúde. Esc. Anna Nery, Rio de Janeiro, v. 18, n. 4, p. 607-614, Dec. 2014. Disponível em: . [2019 out 09]

Gomes R, Nascimento EF, Araújo FC. Por que os homens buscam menos os serviços de saúde do que as mulheres? As explicações de homens com baixa escolaridade e homens com ensino superior. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 23, n. 3, p. 565-574, mar. 2007. Disponível em: . [2019 out 9]

Coelho EBS, Schwarz E, Bolsoni CC, Conceição TB. Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem. Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC, CDU: 364-7. 66 p.: il; color. 2018. ISBN: 978-85-8267-130-6. Disponível em: . [2019 out 9]

Dias MAS, Friche AAL, Costa DAS, Freire FM, Oliveira VB, Caiaffa WT. Homicídios em Belo Horizonte, MG: um retrato das iniquidades nas cidades. Saúde Soc. São Paulo, v.28, n.3, p.267-282, 2019. Disponível em: [2019 out 9].

Piuvezam, G, Aquino AF, Rocha KP, Oliveira VN, Santos RC, Bezerra INM, Pimenta IDSF, Nunes VMA. Distribuição da morbimortalidade por violência em idosos no Rio Grande do Nor2te. Av Enferm [2019]; 37(2):180-188. Disponível em: . [2019 out 9]

Laurenti R, Jorge MHPM, Gotlieb SLD. Perfil epidemiológico da morbimortalidade masculina. Ciência & Saúde Coletiva, 10(1):35-46, 2005. Disponível em: . [2019 out 9]

Costa IRR, Ludermir AB, Avelar I. Violência contra adolescentes: diferenciais segundo estratos de condição de vida e sexo. Ciênc. Saúde Coletiva. v.12 n.5 Rio de Janeiro set./out. 2007. Disponível em: Acesso em 18 de agosto de 2018.

Figueiredo W. Assistência à saúde dos homens: um desafio para os serviços de atenção primária. Ciênc Saúde Coletiva; 10:105-9, 2005. Disponível em: . [ 2018 agos 18]

Separavich MA, Canesqui AM. Saúde do homem e masculinidades na Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem: uma revisão bibliográfica. Saúde Soc. São Paulo, v.22, n.2, p.415-428, 2013. Disponível em: . [2019 out 9]

Toneli MJF, Souza MGC, Muller RCF. Masculinidades e práticas de saúde: retratos da experiência de pesquisa em Florianópolis/SC. Physis Revista de Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, 20 [3]: 973-994, 2010. Disponível em: . [2019 out 9]

Moura EC, Santos W, Neves ACM, Gomes R, Schwarz E. Atenção à saúde dos homens no âmbito da Estratégia Saúde da Família. Ciência & Saúde Coletiva, 19(2):429-438, 2014. Disponível em: . [2018 jul 15]

Braz M. A construção da subjetividade masculina e seu impacto sobre a saúde do homem: reflexão bioética sobre justiça distributiva. Ciência saúde coletiva 10(1): 97-104, 2005, março. Disponível em: . [2018 ago 15]

Santos FNP, Baldissera VDA, Toledo RF. Conversa de Boteco: participação, educação e promoção da saúde do homem. Escola Anna Nery 23(3) 2019 Disponível em: . [2019 nov 27]

Machin R, Couto MT, Silva GSN Schraiber LB, Gomes R, Figueiredo WS, Valença OA, Pinheiro TF. Concepções de gênero, masculinidade e cuidados em saúde: estudo com profissionais de saúde da atenção primária. Ciência & Saúde Coletiva, 16(11):4503-4512, 2011. Disponível em: . [2018 ago 20]

Armstrong AC, Ladeia AMT, Marques J, Armstrong DMFO, Silva AML, Junior JCM, Barral AL, Correia CL, Barral-Netto M, Lima JAC. Urbanização Associa-se com Tendência a Maior Mortalidade Cardiovascular em Populações Indígenas: o Estudo PAI. Arq. Bras. Cardiol. vol.110 no.3 São Paulo mar. 2018. Disponível em: [2018 ago 15]

Souza LG, Siviero PCL. Diferenciais de mortalidade entre homens e mulheres: Sul de Minas Gerais, 2002 e 2012. Cad. Saúde Colet., 2015, Rio de Janeiro, 23 (1): 25-31. Disponível em: . [2019 jul 15]

Abreu DMX, César CC, França EB. Diferenciais entre homens e mulheres na mortalidade evitável no Brasil (1983-2005). Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 25(12): 2672-2682, dez, 2009. Disponível em: . [2019 ago 15]

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Perfil da morbimortalidade masculina no Brasil. Brasília (DF): Ministério da Saúde, 2019. Disponível em: . [2019 jul 15].

Silva Antonio Carlos Lima. Perfil epidemiológico da mortalidade no município de Senhora do Porto, Minas Gerais, 2000-2014. Rev. Saúde Col. UEFS, 2027;7(3):22-29. Disponível em: < http://periodicos.uefs.br/index.php/saudecoletiva/article/view/1682>. [2019 out 09]




DOI: http://dx.doi.org/10.13102/rscdauefs.v10i1.4990

Apontamentos