Direito à saúde das crianças com síndrome congênita do vírus Zika: uma revisão integrativa

Autores

  • Mariana de Oliveira Araujo Universidade Estadual de Feira de Santana
  • Maria Angela Alves do Nascimento Universidade Estadual de Feira de Santana
  • Isabel Maria Sampaio Oliveira Lima Universidade Federal da Bahia
  • Bianca de Oliveira Araujo Universidade Estadual de Feira de Santana

DOI:

https://doi.org/10.13102/rscdauefs.v11i2.5799

Palavras-chave:

Direito à saúde, Legislação, Vírus Zika, Microcefalia., Criança

Resumo

Objetivo: Analisar o Direito à Saúde das crianças com Síndrome Congênita do vírus Zika. Métodos: Revisão integrativa realizada em julho de 2018, nas bases de dados Scientific Electronic Library Online (SciELO), Literatura Latino-Americana e do Caribe em Ciências da Saúde (Lilacs) e Sistema Online de Busca e Análise de Literatura Médica (Pubmed), atendendo ao recorte temporal de 2016 a 2018, nos idiomas português e inglês. Os dados foram analisados a partir da Análise de Conteúdo Temática. Resultados: Foram selecionados 14 artigos. Os resultados foram agrupados em duas categorias: Processo saúde-doença da infecção pelo vírus Zika e da Síndrome Congênita do vírus Zika – que discute aspectos referentes ao processo saúde-doença e a busca pelo tratamento; Síndrome Congênita do vírus Zika: lacuna na garantia dos direitos das crianças acometidas? – uma abordagem sobre os direitos reprodutivos e o direito constitucional à saúde após a epidemia do vírus Zika. Conclusão: Percebeu-se que as discussões no que concernem ao Direito à Saúde das pessoas com deficiência, especificamente das crianças com Síndrome Congênita do vírus Zika e suas respectivas famílias, podem e precisam ser ampliadas, considerando-se a luta em promovê-lo efetivamente a esses cidadãos.

##plugins.generic.paperbuzz.metrics##

Carregando Métricas ...

Referências

Organização das Nações Unidas. Declaração Universal dos Direitos Humanos. 1948. [acesso em 11 ago 2020]. Disponível em: http://unesdoc.unesco.org/images/0013/001394/139423por.pdf

Brasil. Constituição Federal da República Federativa do Brasil. Brasília: Senado Federal; 1988. [acesso em 11 ago 2020]. Disponível em: https://www.senado.leg.br/atividade/const/constituicao-federal.asp

Souza LB, Arcêncio RA, Cândido FCA, Campoy LT, Cartagena-Ramos DA, Fiorati RC. As iniquidades sociais da Atenção Primária à Saúde e a intersetorialidade: um estudo descritivo. Rev Bras Enferm 2020; 73(6):e20190196.

Ministério da Saúde (BR). Ministério da Saúde confirma 1.551 casos de microcefalia. [Internet]. 07 de junho de 2016. [acesso em 11 ago 2020]. Disponível em: http://combateaedes.saude.gov.br/pt/noticias/639-ministerio-da-saude-confirma-1-551-casos-de-microcefalia-no-pais

Ministério da Saúde (BR). Orientações integradas de vigilância e atenção à saúde no âmbito da Emergência de Saúde Pública de Importância Nacional: procedimentos para o monitoramento das alterações no crescimento e desenvolvimento a partir da gestação até a primeira infância. Brasília: Ministério da Saúde; 2017.

World Health Organization. WHO Director-General summarizes the outcome of the Emergency Committee regarding clusters of microcephaly and Guillain-Barré Syndrome. 01 de fevereiro de 2016. [acesso em 11 ago 2020]. Disponível em: http://www.who.int/mediacentre/news/statements/2016/emergency-committee-zika-microcephaly/en/

Botelho LLR, Cunha CCDA, Macedo M. O método da Revisão Integrativa nos estudos organizacionais. Gestão e Soc. 2011; 5(11):121-36.

Minayo MCS, Deslandes SF, Cruz Neto O. Pesquisa social: teoria, método e criatividade. 26th ed. Petrópolis: Vozes; 2015.

Abramov M, Saad D, Gomes-Junior T, Silva SCS, Araújo D, Moreira IL, et al. Auditory brainstem function in microcephaly related to Zika virus infection. Neurology. 2018; 90(7):e606-14.

Barbosa LA, Bem IP. Microcefalia pelo Zika Vírus: as ações do Poder Legislativo e Executivo brasileiro no combate à epidemia. Cad. Saúde Pública 2018; 7(1):127-46.

Mattar S, Ojeda C, Arboleda J, Arrieta G, Bosch I, Botia I, et al. Case report: Microcephaly associated with Zika virus infection, Colombia. BMC Infect Dis 2017; 17(1):1-4.

Pereira ÉL, Bezerra JC, Brant JL, Araújo WN, Santos LMP. Perfil da demanda e dos Benefícios de Prestação Continuada (BPC) concedidos a crianças com diagnóstico de microcefalia no Brasil. Ciênc. saúde coletiva 2017; 22(11):3557-66.

Ali M, Miller K, Leon RFGP. Family planning and Zika virus: need for renewed and cohesive efforts to ensure availability of intrauterine contraception in Latin America and the Caribbean. Eur J Contracept Reprod Heal Care. 2017;22(2):102-6.

Santos JLG, Lima MVM, Leitão FNC, Costa VDE, Jr Macedo H, Muniz PT. Zika vírus e medidas de intervenção jurídica em saúde pública. J Hum Growth Dev. 2016; 26(3):393–7.

Guzmán AAM, Fumero RÁ. Recommendations for the care of neonates born from mothers diagnosed with Zika virus in Cuba. Rev Cubana Pediatr 2017;89(4):1-15.

Hajra A, Bandyopadhyay D, Hajra SK. Zika virus: A global threat to humanity: A comprehensive review and current developments. N Am J Med Sci. 2016; 8(3):123-8.

Chanes IR, Monsores N. Uma reflexão bioética e sanitária sobre efeitos colaterais da epidemia de Zika vírus : revisão integrativa sobre a eutanásia/ortotanásia nos casos de anomalias fetais. Cad Ibero-Am Direito Sanitário 2016; 5(2):56–72.

Valente PK. Zika & reproductive rights in Brazil: Challenge to the right to health. Am J Public Health. 2017; 107(9):1376–80.

Diniz D, Gumieri S, Bevilacqua BG, Cook RJ, Dickens BM. Zika virus infection in Brazil and human rights obligations. Int J Gynecol Obs. 2017; 136(1):105-10.

Diniz D, Brito L. Epidemia provocada pelo vírus Zika : informação e conhecimento. Rev Eletrôn Comun Inf Inov Saúde. 2016;10(2):1-5.

Rego S, Palácios M. Ética, saúde global e a infecção pelo vírus Zika: uma visão a partir do Brasil. Rev Bioética. 2016; 24(3):430-4.

Dallmeier K, Neyts J. Zika and Other Emerging Viruses: Aiming at the Right Target. Cell Host Microbe 2016; 20(4):420-2.

Costa AM. A determinação social da microcefalia/ Zika no Brasil. WATERLAT-GOBACIT Netw Work Pap. 2016;3(9):44–61.

Giovanella L, Mendoza-Ruiz A, Pilar ACA, Rosa MC, Martins GB, Santos IS, et al. Sistema universal de saúde e cobertura universal: desvendando pressupostos e estratégias. Ciênc. saúde coletiva 2018; 23(6):1763-76.

Duarte JS, Santos LOF, Sette GCS, Santos TFC, Alves FAP, Coriolano-Marinus MWL. Necessidades de crianças com síndrome congênita pelo Zika vírus no contexto domiciliar. Cad. Saúde Colet. 2019; 27(3):249-56.

Santos DBC, Silva EF, Lima SO, Reis FP, Oliveira CCC. Rede de Atenção à Saúde: Percepção materna quanto à qualidade de atendimento de crianças com microcefalia. Esc Anna Nery. 2019;23(4):1–10.

Prata ARS, Pedroso D, Menezes G, Drezett J. Perspectivas jurídicas da interrupção da gravidez com infecção pelo vírus Zika a partir das consequencias médicas, emocionais e sociais. J Hum Growth Dev 2018; 28(1):77-81.

Baum P, Fiastro A, Kunselman S, Vega C, Ricardo C, Galli B, et al. Garantindo uma resposta do setor de saúde com foco nos direitos das mulheres afetadas pelo vírus Zika. Cad. Saúde Pública 2016; 32(5):1-4.

Faria NR, Sabino EC, Nunes MRT, Alcantara LCJ, Loman NJ, Pybus OG. Mobile real-time surveillance of Zika virus in Brazil. Genome Med 2016; 8(1):2-5.

Faria NR, Quick J, Claro IM, Thézé J, De Jesus JG, Giovanetti M, et al. Establishment and cryptic transmission of Zika virus in Brazil and the Americas. Nature 2017; 546(7658):406-10.

Lourenço J, Lima MM, Faria NR, Walker A, Kraemer MUG, Villabona-Arenas CJ, et al. Epidemiological and ecological determinants of Zika virus transmission in an urban setting. Elife 2017; Sep 9(6):e29820.

Ministério da Saúde. Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Mulher: princípios e diretrizes. Brasília: Ministério da Saúde; 2004.

Brasil. Decreto-lei no 2848, de 7 de dezembro de 1940. Código Penal. Brasília: Diário Oficial da União; Seção 1, p. 23911.

Aragão SM. Abortamento criminoso, prova penal e sigilo médico: uma análise transdisciplinar. Cad. Ibero-amer. Dir. Sanit. 2020; 9(2):182-207.

Diniz D, Medeiros M, Madeiro A. Pesquisa Nacional de Aborto 2016. Ciênc. saúde coletiva 2017; 22(2):653-60.

Domingues RMSM, Fonseca SC, Leal MC, Aquino EML, Menezes GMS. Aborto inseguro no Brasil: revisão sistemática da produção científica, 2008-2018. Cad. Saúde Pública 2020; 36(Suppl 1):e00190418.

Brasil. Estatuto da Criança e do Adolescente. Lei Federal n° 8.069, de 13 de julho de 1990. Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente e dá outras providências. Rio de Janeiro: Centro de Defesa dos Direitos da Criança e do Adolescente; 1990.

Brasil. Estatuto da Pessoa com Deficiência: Lei Federal n° 13.146, 06 de Julho de 2015. Institui a Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência. Brasília: Diário Oficial da União, 2015; 7 jul.

Brasil. Portaria Interministerial No 405, de 15 de março de 2016. Brasília: Ministerio da Saúde; 2016.

Brasil. Lei no 13301, de 27 de junho de 2016. Dispõe sobre a adoção de medidas de vigilância em saúde quando verificada situação de iminente perigo à saúde pública pela presença do mosquito transmissor do vírus da dengue, do vírus chikungunya e do vírus da zika. Brasília: Diário Oficial da União, 2016; 27 jun.

Ministério da Saúde (BR). Diretrizes de estimulação precoce: crianças de zero a 3 anos com atraso no desenvolvimento neuropsicomotor decorrente de microcefalia. Ministério da Saúde. Brasília: Ministério da Saúde; 2016.

Downloads

Publicado

2021-09-27 — Atualizado em 2021-10-04

Versões

Como Citar

Araujo, M. de O., Nascimento, M. A. A. do, Lima, I. M. S. O., & Araujo, B. de O. (2021). Direito à saúde das crianças com síndrome congênita do vírus Zika: uma revisão integrativa. Revista De Saúde Coletiva Da UEFS, 11(2), e5799. https://doi.org/10.13102/rscdauefs.v11i2.5799 (Original work published 27º de setembro de 2021)

Edição

Seção

Revisão
Share |