Importância da educação permanente em saúde para a promoção do acolhimento na Estratégia Saúde da Família

Importance of continuing education in health for the promotion of welcoming in the Family Health Strategy

Autores

  • Laissa Pinheiro da Cruz Universidade Estadual de Feira de Santana
  • Larissa Oliveira dos Santos Universidade Estadual de Feira de Santana
  • Bianca de Oliveira Araujo Universidade Estadual de Feira de Santana

DOI:

https://doi.org/10.13102/rscdauefs.v12i1.5842

Palavras-chave:

Acolhimento, Educação Continuada, Estratégia Saúde da Família

Resumo

O acolhimento é descrito como ato de acolher, receber, escutar, admitir, concretizando um efeito de aproximação. A Educação Permanente em Saúde (EPS) pode ser utilizada como estratégia para o desenvolvimento de conhecimentos e habilidades na oferta e prestação do acolhimento com escuta qualificada na Atenção Básica. Objetiva-se relatar a experiência de graduandas do curso de Enfermagem na realização de uma atividade de EPS sobre a temática de promoção do acolhimento na Estratégia de Saúde da Família. Trata-se de um relato de experiência de uma atividade de EPS realizada para trabalhadores de saúde de uma Unidade de Saúde da Família. As ações para implementação da atividade envolveram três etapas (identificação do problema, planejamento e implementação da ação) e ocorreram entre novembro de 2019 e março de 2020. Participaram da atividade 18 trabalhadores da saúde. Como estratégia para avaliar o impacto da ação educativa sobre os conhecimentos dos trabalhadores de saúde foi aplicado pré e pós-teste. A partir das discussões e dos resultados da aplicação do teste percebeu-se que a atividade realizada permitiu refletir sobre as práticas do acolhimento realizadas e desenvolver novos conhecimentos que serão capazes de influenciar na realização de um acolhimento humanizado e resolutivo.

Biografia do Autor

Laissa Pinheiro da Cruz, Universidade Estadual de Feira de Santana

Graduanda em Enfermagem pela Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS), Feira de Santana, Bahia, Brasil.

Larissa Oliveira dos Santos, Universidade Estadual de Feira de Santana

Graduanda em Enfermagem pela Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS), Feira de Santana, Bahia, Brasil.

Bianca de Oliveira Araujo, Universidade Estadual de Feira de Santana

Professora Assistente do Departamento de Saúde da UEFS, Mestre e Doutoranda em Saúde Coletiva pelo Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva da UEFS, Feira de Santana, Bahia, Brasil.

Referências

Ministério da Saúde (BR). Portaria nº 2.436, de 21 de setembro de 2017. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes para a organização da Atenção Básica, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS) [Internet]. Brasília: MS; 2017. [acesso em 15 nov 2019]. Disponível em: <http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2017/prt2436_22_09_2017.html>.

Ministério da Saúde (BR). Política Nacional de Humanização [Internet]. 1ªed. Brasília: MS; 2013. [acesso em 23 jul 2020]. Disponível em: <http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/politica_nacional_humanizacao_pnh_folheto.pdf.>.

Lopes AS, Alves de Vilar RL, Vieira de Melo RH, França RCS. O acolhimento na Atenção Básica em saúde: relações de reciprocidade entre trabalhadores e usuários. Saúde debate 2015; 39(104):114-123.

Fracolli LA, Zoboli ELCP. Descrição e análise do acolhimento: uma contribuição para o Programa de Saúde da Família. Rev. Esc. Enferm. USP 2004; 38(2):143-151.

Ministério da Saúde (BR). Portaria nº 198/GM Em 13 de fevereiro de 2004. Institui a Política Nacional de Educação Permanente em Saúde como estratégia do Sistema Único de Saúde para a formação e o desenvolvimento de trabalhadores para o setor e dá outras providências [Internet]. Brasília; 2004. [acesso em 1 set 2020]. Disponível em: <https://www.nescon.medicina.ufmg.br/biblioteca/imagem/1832.pdf>.

Ministério da Saúde. Portaria nº 1.996, de 20 de agosto de 2007. Dispõe sobre as diretrizes para a implementação da Política Nacional de Educação Permanente em Saúde [Internet]. Brasília; 2007. [acesso em 1 set 2020]. Disponível em:<http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2007/prt 1996_20_08_2007.html>.

Araujo BO, Nascimento MAA. Educação Permanente em Saúde na Estratégia Saúde da Família em busca da resolubilidade da produção do cuidado. Feira de Santana: UEFS Editora; 2016.

Cardoso MMV, Ferreira RGS. Educação continuada ou permanente: objetivo comum predominando especificidades frente ao processo ensino- aprendizagem. Revista Saúde e desenvolvimento 2014; 5(3):126-136.

Ferreira L, Almeida Barbosa JS, Degli Esposti CD, Cruz MM. Educação Permanente em Saúde na atenção primária: uma revisão integrativa da literatura. Saúde debate 2019; 43(120):223-239.

Kleba ME, Krauser IM, Vendruscolo C. O planejamento estratégico situacional no ensino da gestão em saúde da família. Texto contexto-enferm. 2011; 20(1):184-193.

Ministério da Saúde (BR). Educação Permanente como ferramenta estratégica de gestão de pessoas. Experiências exitosas da cooperação entre a Secretaria-Executiva do Ministério da Saúde e a Fundação Oswaldo Cruz [Internet]. Brasília; 2018. [acesso em 22 jul 2020]. Disponível em <http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/educacao_permanente_ferramenta_estrategica_gestao_pessoas.pdf>.

Alves MN, Marx M, Bezerra MMM, Landim JMM. Metodologias Pedagógicas Ativas na Educação em Saúde. Id on line Rev. Psic. 2017; 10(33, Supl. 2):1-8.

Figueiredo M, Rodrigues-Neto J, Leite M. Modelos aplicados às atividades de educação em saúde. Rev. bras. enferm. 2010; 63(1):117-121.

Ministério da Saúde (BR). Resolução n° 466 de dezembro de 2012. Brasília: Diário Oficial da União, 13 de junho de 2013, Seção 1, p. 59. [acesso em 1 set 2020]. Disponível em: <https://conselho.saude.gov.br/resolucoes/2012/Reso466.pdf>.

Pagani R, Andrade LOM. Preceptoria de Território, Novas Práticas e Saberes na Estratégia de Educação Permanente em Saúde da Família: o estudo do caso de Sobral, CE. Saúde Soc. 2012; 21(supl.1):94-106.

Farias PAM, Martin ALAR, Cristo CS. Aprendizagem Ativa na Educação em Saúde: Percurso Histórico e Aplicações. Rev. bras. educ. med. (Online) 2015; 39 (1): 143-158.

Silva TF, Romana VF. Sobre o acolhimento: discurso e prática em Unidades Básicas de Saúde do município do Rio de Janeiro. Saúde Debate 2015; 39(105):363-374.

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de atenção à saúde. Acolhimento na gestão e o trabalho em saúde. Brasília; 2016. [acesso em 22 jul 2020]. Disponível em: <http://repositorio.observatoriodocuidado.org/bitstream/handel/handel/colhimento_na_gestoo_trabalho.pdf%D1%26isAllowed%3Dy&ved=2ahukewiS57WTov3qAhWWEbkGHUOJCI0QFjAFegQIBhAB&usg=AOvVaw1K0EKkT6c2YSz2QLWFFojN&cshid=1596398979861.

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Atenção à Saúde. Núcleo Técnico da Política Nacional de Humanização. HumanizaSUS: Documento base para gestores e trabalhadores do SUS. 4ª ed. Brasília (DF); 2010. [acesso em 19 dez 2020]. Disponível em: <http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/documento_base.pdf>.

Downloads

Publicado

2022-03-27

Como Citar

Cruz, L. P. da, Santos, L. O. dos, & Araujo, B. de O. (2022). Importância da educação permanente em saúde para a promoção do acolhimento na Estratégia Saúde da Família: Importance of continuing education in health for the promotion of welcoming in the Family Health Strategy. Revista De Saúde Coletiva Da UEFS, 12(1). https://doi.org/10.13102/rscdauefs.v12i1.5842

Edição

Seção

Relato de Experiência