Violência contra crianças e adolescentes na Bahia: caracterização dos casos, 2009-2016

Autores

  • Izabel Cristina Neves Ramos Universidade do Estado da Bahia
  • Thaís Regis Aranha Rossi Universidade do Estado da Bahia

DOI:

https://doi.org/10.13102/rscdauefs.v11i1.5899

Palavras-chave:

Violência, Serviços de saúde, Crianças, Adolescente.

Resumo

O estudo teve como objetivo caracterizar, através de uma série histórica, o quadro da violência contra crianças e adolescentes no estado da Bahia por meio da análise das notificações realizadas pelos serviços de saúde. Foram utilizados dados do Sistema de Vigilância de Violência e Acidentes (VIVA Contínuo), durante os anos de 2009 a 2016, totalizando 14.115 casos reportados. Os dados mostraram um aumento de 212,30% nas notificações, entre 2009 e 2016. Quanto às vítimas, a faixa etária de 10 a 19 anos prevaleceu em todos os anos analisados, assim como a presença de vítimas autodeclaradas negras. A tipologia mais frequente foi violência física. Para análise estatística, foi utilizado software Minitab18. Os achados desde estudo são preocupantes e demonstram a magnitude da violência contra crianças e adolescentes, bem como destacam suas especificidades e a importância do combate a esse problema de saúde.

 

ABSTRACT

This study aimed to characterize, through a historical serie, the frame of violence in the state of Bahia by analyzing the notifications made by the public health services. The data was obtained from the Violence and Accidents Vigilance System (VIVA Contínuo) from 2009 to 2016 totalising 14,115 reported cases. The data showed a rise of 212.30% in the notifications done between 2009 to 2016. Regarding the the victims, the age group of 10 to 19 years old prevailed in all analysed years, the same goes for the presence of victims selfdeclared as black. The most frequently type was physical violence. The statistical analysis was made by the software Minitab18. The findings of this study are worrysome and shows the magnitude of the violence against children and adolescents as well as highlight their specificities and the
importance of facing this health problem.

Keywords: Violence; Health services; Child; Adolescent.

 

RESUMEN

El estudio tuvo como objetivo caracterizar, a través de una serie histórica, el panorama de la violencia contra la niñez y adolescencia en el estado de Bahía a través del análisis de las notificaciones realizadas por los servicios de salud. Se utilizaron datos del Sistema de Vigilancia de Violencia y Accidentes (VIVA Contínuo) durante los años 2009 a 2016, totalizando 14.115 casos notificados. Los datos arrojaron un incremento del 212,30% en las notificaciones, entre 2009 y 2016. En cuanto a las víctimas, predominó el grupo de edad de 10 a 19 años en todos los años analizados, así como la presencia de víctimas autodeclaradas negras. El tipo más frecuente fue la violencia física. Para el análisis estadístico se utilizó el software Minitab18. Los hallazgos de este estudio son preocupantes y demuestran la magnitud de la violencia contra la niñez y la adolescencia, además de resaltar sus especificidades y la importancia de combatir este problema de salud.

Palabras Clave: Violencia; Niño; Servicios de salud; Adolescente.

 

##plugins.generic.paperbuzz.metrics##

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Izabel Cristina Neves Ramos, Universidade do Estado da Bahia

Graduanda em Farmácia pela Universidade do Estado da Bahia

Thaís Regis Aranha Rossi, Universidade do Estado da Bahia

Doutora em Saúde Pública. Professora da Universidade do Estado da Bahia.

Referências

Minayo MCS. A inclusão da violência na agenda da saúde: trajetória histórica. Ciênc. saúde coletiva 2006; 11(Suppl): 1259-67.

Krug EG, Dahlberg LL, Mercy JA, Zwi AB, Lozano R. World report on violence and health. Geneva: World Health Organization; 2002.

Stephan F, De Almeida AA, Salgado FS, Senra LX, Lourenço LM. Bullying e aspectos psicossociais: estudo bibliométrico. Temas psicol. 2013; 21(1):245-58.

Malta DC, Bernal RTI, Teixeira BDSM, Da Silva MMA, Freitas MIDF. Fatores associados a violências contra crianças em Serviços Sentinela de Urgência nas capitais brasileiras. Ciênc. saúde coletiva 2017; 22(9):2889-98.

Andrade, CSS, Costa MCO, Silva MLCA, Barreto CSLA. Notificação da violência física e sexual de crianças e adolescentes: o papel do sistema de vigilância de violências e acidentes/VIVA. Rev. Saúde Col. UEFS 2018; 8(1):46-53.

Ministério da Saúde (BR). Viva: Vigilância de Violências e Acidentes: 2013 e 2014. Brasília: MS; 2017.

Instituto de Pesquisa Estatística Aplicada (IPEA), Fórum Brasileiro de Segurança Pública (FBSP). Atlas da violência. Rio de Janeiro: IPEA/FBSP; 2018. [acesso em 11 mar 2021). Disponível em: https://www.ipea.gov.br/portal/index.php?option=com_content&view=article&id=33410&Itemid=432

Veloso MMX, Magalhães CMC, Dell’Aglio DD, Cabral IR, Gomes MM. Notificação da violência como estratégia de vigilância em saúde: perfil de uma metrópole do Brasil. Ciênc. Saúde Coletiva 2013; 18(5):1263-72.

Souza CS, Costa MCO, Assis SG, Musse JO, Sobrinho CN, Amaral MTR. Sistema de Vigilância de Violências e Acidentes/VIVA e a notificação da violência infanto-juvenil, no Sistema Único de Saúde/SUS de Feira de Santana-Bahia, Brasil. Ciênc. saúde coletiva 2014; 19(3):773-84.

Mascarenhas MDM, Malta DC, Silva MMA, Lima CM, Carvalho MGO, Oliveira VLA. Violência contra a criança: revelando o perfil dos atendimentos em serviços de emergência, Brasil, 2006 e 2007. Cad. Saúde Pública 2010; 26(2):347-57.

Souto RMCV, Barufaldi LA, Nico LS, De Freitas MG. Perfil epidemiológico do atendimento por violência nos serviços públicos de urgência e emergência em capitais brasileiras, Viva 2014. Ciênc. saúde coletiva 2017;22(9): 2811-23.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE.) População chega a 205,5 milhões, com menos brancos e mais pardos e pretos. [Internet]. Editoria: Estatísticas Sociais. 24 de novembro de 2017 (acesso em 11 mar 2021). Disponível em: https://agenciadenoticias.ibge.gov.br/agencia-noticias/2012-agencia-de-noticias/noticias/18282-pnad-c-moradores

Farias MS, Souza CDS, Carneseca EC, Passos ADC, Vieira, EM. Caracterização das notificações de violência em crianças no município de Ribeirão Preto, São Paulo, no período 2006-2008. Epidemiol. serv. saúde 2016; 25(4):799-806.

Dos Santos TMB, Pitangui ACR, Bendo CB, Paiva SM, Cardoso MD, De Melo JPR, et al. Factors associated with the type of violence perpetrated against adolescents in the state of Pernambuco, Brazil. Child Abuse & Neglect 2017; 67:216-17.

Waiselfisz JJ. Mapa da Violência 2015: homicídio de mulheres no Brasil. [Internet]. Brasília: FLACSO/CEBELA; 2015. (acesso em 11 mar 2021). Disponível em: https://www.onumulheres.org.br/wp-content/uploads/2016/04/MapaViolencia_2015_mulheres.pdf

Waiselfisz JJ. Mapa da Violência 2016: homicídios por armas de fogo no Brasil. [Internet]. Brasília: FLACSO/ CEBELA, 2016. (acesso em 11 mar 2021). Disponível em: https://flacso.org.br/files/2016/08/Mapa2016_armas_web-1.pdf

Malta DC, Bernal RTI, Pugedo FSF, Lima CM, Mascarenhas MDM, Jorge AO, et al. Violências contra adolescentes nas capitais brasileiras, segundo inquérito em serviços de urgência. Ciênc. Saúde Coletiva 2017; 22(9):2899-2908.

Bahia CA, Avanci JQ, Pinto LW, Minayo MCDS. Lesão autoprovocada em todos os ciclos da vida: perfil das vítimas em serviços de urgência e emergência de capitais do Brasil. Ciênc. Saúde Coletiva 2017; 22(9):2841-50.

Downloads

Publicado

2021-05-17

Como Citar

Neves Ramos, I. C., & Regis Aranha Rossi, T. (2021). Violência contra crianças e adolescentes na Bahia: caracterização dos casos, 2009-2016. Revista De Saúde Coletiva Da UEFS, 11(1), e5899. https://doi.org/10.13102/rscdauefs.v11i1.5899

Edição

Seção

Artigos
Share |