Atuação de enfermeiros da Estratégia Saúde da Família na prevenção e controle do HIV e sífilis durante o pré-natal

Autores

  • Jeferson Silva Pereira Centro Universitário Estácio de Sergipe
  • Geice Carla Alves Anjos Centro Universitário Estácio de Sergipe
  • Ana Fátima Souza Melo de Andrade Centro Universitário Estácio de Sergipe
  • Taciana Silveira Passos Universidade Tiradentes http://orcid.org/0000-0002-5312-095X

DOI:

https://doi.org/10.13102/rscdauefs.v11i1.5944

Palavras-chave:

HIV, Sífilis gestacional, Enfermagem de Atenção Primária, Pré-natal.

Resumo

Este trabalho teve como objetivo avaliar as práticas dos enfermeiros das equipes de saúde da família durante as consultas de pré-natal, na prevenção e controle do HIV e sífilis gestacional. Estudo transversal, descritivo e exploratório, com aplicação de questionário estruturado a 27 enfermeiros atuantes em unidades de saúde da zona urbana do município de Aracaju, Sergipe, entre setembro e outubro de 2019. A distribuição das variáveis foi analisada por meio do teste de qui-quadrado de Pearson. Constatou-se que 85,2% dos enfermeiros conheciam o manual do ministério da saúde para consulta de pré-natal e 96,3% o utilizavam, porém, 25,9% solicitavam os testes rápidos no período inadequado e 18,5% conduziam erroneamente o tratamento para gestantes com teste para HIV. Houve maior proporção de conduta assertiva dos profissionais que fizeram capacitação há menos de um ano quanto aos testes rápidos de HIV (p=0,001) e sífilis (p=0,046), testes não treponêmicos solicitados no pré-natal (p=0,003), mês que devem ser solicitados o exame de VDRL e o HIV (p=0,046) e trimestre da gestação que oferece o teste de HIV (p=0,046). Evidenciou-se a importância de capacitações sobre à temática para a proporção de atuação condizente com os manuais preconizados pelos Ministério da Saúde na Estratégia de Saúde da Família.

 

ABSTRACT

This study aimed to evaluate the practices of nurses in family health teams, during prenatal consultations, in the prevention and control of HIV and gestational syphilis. Crosssectional study, descriptive and exploratory study, with the application of a structured questionnaire, to 27 nurses working in health units in the urban area of the municipality of Aracaju, Sergipe, between September and October 2019. The distribution of variables was analyzed using Pearson’s chi-square test. It was found that 85.2% of nurses knew the Ministry of Health for prenatal consultation and 96.3% used it, however, 25.9% requested rapid tests in the wrong period and 18.5% conducted erroneously treatment for pregnant women with an HIV test. There was a greater proportion of assertive conduct among professionals who had been trained less than a year ago regarding rapid tests for HIV (p = 0.001) and syphilis (p = 0.046), non treponemal tests requested in prenatal care (p = 0.003), month that the VDRL and HIV test (p = 0.046) and trimester of pregnancy that offers the HIV test (p = 0.046) should be requested. The importance of training on the theme was evidenced for the proportion of performance consistent with the manuals recommended by the Ministry of Health in the Family Health Strategy.

Keywords: HIV; Gestational syphilis; Primary care nursing; Prenatal.

 

RESUMEN

Este estudio tuvo como objetivo evaluar las prácticas de los enfermeros en los equipos de salud de la familia durante las consultas prenatales, en la prevención y control del VIH y la sífilis gestacional. Estudio transversal, descriptivo y exploratorio, con la aplicación de un cuestionario estructurado a 27 enfermeros que laboran en unidades de salud del área urbana del municipio de Aracaju, Sergipe, entre septiembre y octubre de 2019. La distribución de variables se analizó mediante la prueba de Chi Cuadrado de Pearson. Se encontró que el 85,2% de las enfermeras conocía el manual del Ministerio de Salud para la consulta prenatal y el 96,3% lo usaba, sin embargo, el 25,9% solicitó pruebas rápidas en el período inadecuado y el 18,5% realizó erróneamente tratamiento a gestantes con prueba de VIH. Hubo una mayor proporción de conducta asertiva por parte de profesionales que se habían formado hace menos de un año en cuanto a pruebas rápidas de VIH (p = 0,001) y sífilis (p = 0,046), pruebas no treponémicas solicitadas en atención prenatal (p = 0,003), mes en que se debe solicitar la prueba VDRL y VIH (p = 0,046) y trimestre de embarazo que ofrece la prueba VIH (p = 0,046). Se resaltó la importancia de la capacitación en el tema por la proporción de desempeño acorde con los manuales recomendados por el Ministerio de Salud en la Estrategia Salud de la Familia.

Palabras clave: Sífilis gestacional; Enfermería de atención primaria; Prenatal.

##plugins.generic.paperbuzz.metrics##

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Jeferson Silva Pereira, Centro Universitário Estácio de Sergipe

Discente do curso de enfermagem do Centro Universitário Estácio de Sergipe. Aracaju, Sergipe, Brasil.

Geice Carla Alves Anjos, Centro Universitário Estácio de Sergipe

Discente do curso de enfermagem do Centro Universitário Estácio de Sergipe. Aracaju, Sergipe, Brasil.

Ana Fátima Souza Melo de Andrade, Centro Universitário Estácio de Sergipe

Enfermeira. Mestra em Saúde e Ambiente. Orientadora. Docente do curso de enfermagem do Centro Universitário Estácio de Sergipe. Aracaju, Sergipe, Brasil.

Taciana Silveira Passos, Universidade Tiradentes

Enfermeira. Doutoranda e Mestra em Saúde e Ambiente – Universidade Tiradentes. Co-orientadora.

Referências

Silva MZN, Andrade AB, Bosi MLM. Acesso e acolhimento no cuidado pré-natal à luz de experiências de gestantes na Atenção Básica. Saúde Debate 2014; 38(103):805-16.

Nunes JT, Marinho AC, Davim RM, Silva GG, Felix RS, Martino MM. Sífilis na gestação: perspectivas e condutas do enfermeiro. Rev. Enferm. UFPE online 2017; 11(12): 4875-84.

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Vigilância em Saúde. Guia de Vigilância em Saúde: volume 2 [Internet]. Brasília: MS; 2017. [acesso em 23 jun 2019]. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/guia_vigilancia_saude_volume_2.pdf

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Doenças de Condições Crônicas e Infecções Sexualmente Transmissíveis. Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas para Prevenção da Transmissão Vertical do HIV, Sífilis e Hepatites Virais [Internet]. Brasília: MS; 2019. [acesso em 23 jun 2019]. p. 248. Disponível em: http://www.aids.gov.br/pt-br/pub/2015/protocolo-clinicoe-diretrizes-terapeuticas-para-prevencao-da-transmissaovertical-de-hiv

Ramos VM, Figueiredo EN, Succi RC. Entraves no Controle da Transmissão Vertical da Sífilis e do HIV no Sistema de Atenção à Saúde do Município de São Paulo. Rev. Bras. Epidemiol. 2014; 17(4):887-898.

Padovani C, Oliveira RR, Pelloso SM. Sífilis na gestação: associação das características maternas e perinatais em região do sul do Brasil. Rev. Latinoam. Enferm. 2018; 26:e3019.

Ministério da Saúde (BR). Sistema de informação de agravos de notificação. Sífilis em gestantes casos confirmados notificados no sistema de informação de agravos de notificação – Sergipe [Internet]. Brasília: SINAN; 2019. [acesso em 23 jun 2019]. Disponível em: http://portalsinan.saude.gov.br/dadosepidemiologicos-sinan

UNAIDS. Factsheet – World AIDS Day. UNAIDS; 2018 [Internet]. [acesso em 22 jun 2019]. Disponível em: https://unaids.org.br/wp-content/uploads/2018/11/Fact-sheetUNAIDS-novembro-2018-1.pdf

Ministério da Saúde (BR). Bol. Epidemiol. HIV/ AIDS 2018; 49(53) [Internet]. [acesso em 22 jun 2019]. Disponível em: http://www.aids.gov.br/pt-br/pub/2018/boletimepidemiologico- hivaids-2018

Mérici A. Sergipe tem 4.858 casos notificados de Aids, com 1.262 óbitos. Muitos têm a doença e não sabem Secretaria de Saúde do Estado de Sergipe.6 junho 2016. [Internet]. [acesso em 22 jun 2019]. Disponível em: https://www.saude.se.gov.br/sergipe-tem-4-858-casos-notificados-de-aids-com1-262-obitos-muitos-tem-a-doenca-e-nao-sabem/

Oliveira FS, Gomes ALJ, Sobral MAS. Estudo Epidemiológico da AIDS no período 2008-2015 no Estado de Sergipe. Estácio Saúde 2019; 8(1):17-33.

Lopes MH. Avaliação da Implementação das Ações de Prevenção da Transmissão Vertical de Sífilis no Pré-Natal em Unidades de Saúde da Família de Cuiabá. [Mestrado Dissertação – Fundação Oswaldo Cruz, Escola Nacional de Saúde Pública]. Rio de Janeiro: FIOCRUZ/ENSP; 2010.

Silva TC, Pereira AM, da Silva HR, de Sá LC, Coêlho DM, Barbosa MG. Prevenção da sífilis congênita pelo enfermeiro na estratégia saúde da família. Rev Interd. 2015; 8(1):174-82.

Oliveira MP, Menezes IH, Sousa LM, Peixoto MD. Formação e Qualificação de Profissionais de Saúde: Fatores Associados à Qualidade da Atenção Primária. Rev. Bras. Educ. Med. 2016; 40(4): 547-59.

Bezerra RA, Costa CC, Lima SKM, Carneiro JL, Damasceno AKC. Caracterização Sociodemográfica e Profissional dos Enfermeiros que atuam na ESF de Fortaleza - CE. In: Anais do XVII Seminário Nacional de Pesquisa em Enfermagem 2013 [jun. 03-05]. Natal: Associação Brasileira de Enfermagem; 2013: 95-8.

Araújo WJ, Braga Quirino EM, Mourão Pinho C, Andrade MS. Percepção de Enfermeiros Executores de Teste Rápido em Unidades Básicas de Saúde. Rev. Bras. Enferm. 2018; 71(1):676-81.

Gomes DM, Oliveira MI, Fonseca SC. Avaliação da Testagem Anti-HIV no Pré-Natal e na Assistência ao parto no Rio de Janeiro, Brasil. Rev. Bras. Saúde Mater. Infant. 2015; 15(4):413-23.

Quental LL, Nascimento LC, Leal LC, Davim RM, Cunha IC. Práticas Educativas com Gestantes na Atenção Primária à Saúde. Rev. Enferm. UFPE on line 2017; 11(12): 5370-81.

Conselho Federal de Enfermagem. Nota técnica COFEN/ CTLN nº 03/2017. Brasília: CONFEN; 2017 [acesso em 30 out 2019]. Disponível em: http://www.cofen.gov.br/wp-content/uploads/2017/06/NOTA-T%C3%89CNICA-COFEN-CTLNN%C2%B0-03-2017.pdf.

Figueiredo MS, Cavalcante EG, de Oliveira CJ, Monteiro MD, da Silva Quirino G, de Oliveira DR. Percepção de enfermeiros sobre a adesão ao tratamento dos parceiros de gestantes com sífilis. Rev. Rene. 2015; 16(3): 345-54.

Silva DM, Araújo MA, Silva RM, Andrade RF, Moura HJ, Esteves AB. Conhecimento dos profissionais de saúde acerca da transmissão vertical da sífilis em Fortaleza. Texto Contexto Enferm. 2014; 23(2): 278-85.

Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Gestação de Alto Risco: manual técnico. Ed. 5. Brasília: MS; 2010.

Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Gestação de Alto Risco: manual técnico. Ed. 5. Brasília: MS; 2012.

Silva Thallita IT, da Silva S, Valença CN, da Silva RA. Cartografia da implementação do teste rápido anti-HIV na Estratégia Saúde da Família: perspectiva de enfermeiros. Esc. Anna Nery Rev. Enferm. 2017; 21(4):1-8.

Nonato SM, Melo AP, Guimarães MD. Sífilis na gestação e fatores associados à sífilis congênita em Belo HorizonteMG, 2010-2013. Epidemiol. serv. saúde 2015; 24(4):681-94.

Downloads

Publicado

2021-06-02

Como Citar

Silva Pereira, J., Alves Anjos, G. C., de Andrade, A. F. S. M., & Silveira Passos, T. (2021). Atuação de enfermeiros da Estratégia Saúde da Família na prevenção e controle do HIV e sífilis durante o pré-natal. Revista De Saúde Coletiva Da UEFS, 11(1), e5944. https://doi.org/10.13102/rscdauefs.v11i1.5944

Edição

Seção

Artigos
Share |