Representações sociais de acadêmicas de pedagogia sobre vacinação

Social representations of pedagogy students on vaccination

Autores

DOI:

https://doi.org/10.13102/rscdauefs.v12i1.7362

Palavras-chave:

Vacina, Prevenção, Semântica, Estudantes, Ensino

Resumo

Objetivo: Apreender as representações sociais de acadêmicas de pedagogia sobre vacinação. Método: Trata-se de uma pesquisa de campo de caráter descritivo e abordagem qualitativa, ancorada na teoria das representações sociais, realizada em uma universidade pública no interior da Bahia. Participaram 99 universitárias de pedagogia, maiores de 18 anos, em setembro de 2019, por meio da coleta de dados com a utilização da Técnica de Evocação Livre das Palavras processado no Iramuteq e, um questionário semiestruturado para caracterização do grupo. Resultados: Os achados revelaram representações diferenciadas acerca do processo vacinal, ora enfatizando a prevenção/proteção do indivíduo, ora objetivando no sentimento de medo e na dor, por trás desse ato. Considerações finais: O estudo reforça significados ambivalentes da vacinação, explicitando a necessidade de ampliar a discussão deste tema nos espaços acadêmicos e escolares no intuito de alargar a rede de apoio às famílias para o enfrentamento do movimento antivacina.

Biografia do Autor

Fernanda Larissa Borges da Silva, Universidade do Estado da Bahia

Graduada no curso de Bacharelado em Enfermagem pela Universidade do Estado da Bahia- UNEB, estágio supervisionado I realizado no Hospital São Francisco na cidade de Campo Formoso-BA na área de cuidados á pacientes no período perioperatório e na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) na cidade de Senhor do Bonfim-BA e estágio supervisionado II na Unidade Básica de Saúde São Jorge na referida cidade. Possui Ensino Médio Integrado em Técnico de Agropecuária pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Baiano Campus de Senhor do Bonfim. Estagiou na Empresa EMBRAPA-SEMIÁRIDO, Irrigação e Fertirrigação (2013)

Rita de Cássia Dias Nascimento, Universidade do Estado da Bahia

Enfermeira graduada pela Universidade Católica do Salvador(UCSAL), mestra em Educação e Diversidade(MPED) pela Universidade do Estado da Bahia(UNEB), campus Jacobina; Especialista em Saúde Pública pela Universidade Estácio de Sá, em Obstetrícia pela Uninter e em Educação Profissional na Área de Saúde: Enfermagem pela Escola Nacional de Saúde Pública Sérgio Arouca (ENSP). Integrante do Grupo de Pesquisa sobre o Cuidado em Enfermagem(GPCEnf) e Grupo de Pesquisa Diversidade, Formação e Educação Básica (DIFEBA). Trabalho nas linhas de Pesquisa de Epidemiologia em Saúde e Enfermagem, Saúde da Mulher, relações étnico-raciais e integralidade do cuidado. Atualmente é professora Substituta da UNEB Campus VII no curso de Bacharelado em Enfermagem em Senhor do Bonfim/BA, pesquisadora do Laboratório de História e Cultura Afro-brasileira e Currículo Mariinha Rodrigues(LahAfro) e atua na Vigilância Epidemiológica do município de Miguel Calmon/BA

Cleuma Sueli Santos Suto, Universidade do Estado da Bahia

Enfermeira (UEFS), Doutora em Enfermagem e Saúde pela Escola de Enfermagem (UFBA). Mestra em enfermagem (UFBA), Especialista em Obstetrícia e Saúde Pública (UEFS). Professora da Universidade do Estado da Bahia (UNEB), Campus VII. Docente Permanente do Mestrado Profissional em Enfermagem (UEFS). Integrante do Grupo de Pesquisa Saúde da mulher, gênero e integralidade do cuidado (UFBA), Grupo QUALES (UNEB) e COGITARE (UEFS). Tem experiência na área de Saúde Coletiva, atuando principalmente nos seguintes temas: HIV/Aids, IST, sexualidade, atenção básica, enfermagem e gestão.

Laura Emmanuela Lima Costa, Universidade Federal da Bahia

Doutoranda em Enfermagem pelo Programa de Pós-Graduação em Enfermagem (PGENF) (2021) e Mestre em Enfermagem pela EEUFBA. Graduada em Enfermagem pela UCSAL e Licenciatura em Ciências Biológicas pela UNOPAR. Professora Assistente da Universidade do Estado da Bahia, Departamento de Ciências Humanas do Campus IV, Curso de Educação Física, e Enfermeira do Governo do Estado da Bahia. Tem experiência na área de Enfermagem, com ênfase em Saúde Coletiva e no trabalho com associações (APAE). Líder do Grupo de Pesquisa GEFEL do Curso de Educação Física e Pesquisador do grupo GEPEFA, ambos da UNEB/Campus IV. Atua principalmente nos seguintes temas: Prevenção de Deficiências; Deficiência Visual; Doenças Raras; Imunização; Crescimento e Desenvolvimento Infanto-juvenil

Fernanda Oliveira Trindade Machado, Universidade Estadual de Feira de Santana

Enfermeira, graduada pela Universidade Federal da Bahia em agosto de 2015. Mestranda em Enfermagem pelo Programa de Pós-Graduação Mestrado Profissional em Enfermagem da UEFS. Especialista em Enfermagem Obstétrica, pela Universidade Federal da Bahia sob forma de residência (2019). Enfermeira Obstétrica no Hospital Inácia Pinto dos Santos, desde agosto de 2018. Atuou de setembro de 2015 à outubro de 2016 como Enfermeira Assistencial do Hospital Mater Dei, no seguintes setores: Centro Obstétrico e Cirúrgico, Alojamento Conjunto e Berçário. Possui afinidade pela área da Saúde da Mulher, mais especificamente no campo da Obstetrícia. 

Eliana do Sacramento Almeida, Universidade do Estado da Bahia

Possui graduação em Bacharelado em Enfermagem pela Universidade Estadual de Feira de Santana (2002). Doutorado em andamento em Enfermagem e Saúde pela Universidade Federal da Bahia. Mestrado em Educação e Diversidade pela Universidade de Estado da Bahia, Campus IV Jacobina (2016) . Possui especialização em Saúde Pública com Ênfase em PSF pela Universidade Estácio de Sá (2005) e em Educação Profissional na Área de Saúde: Enfermagem pela Escola Nacional de Saúde Pública (2005). Atualmente é Professora Auxiliar no curso de Bacharelado da Universidade do Estado da Bahia (UNEB) Campus VII, Senhor do Bonfim, vice-coordenadora e pesquisadora do Laboratório de História e Cultura Afro-Brasileira e Currículo Mariinha Rodrigues (LahAfro).Pesquisadora do Grupo de Pesquisa sobre o Cuidado em Enfermagem (GPCEnf/UNEB). Membro do Grupo de Pesquisa GEM- Saúde das Mulheres, Enfermagem, Gênero, Raça e Etnia (UFBA). Desenvolve pesquisas na Saúde da População Negra, Saberes e Práticas Tradicionais de Saúde, e Racismo enquanto determinante social de Saúde

Referências

Silva JJB. 40 anos do Programa Nacional de Imunizações: uma conquista da Saúde Pública brasileira. Epidemiol. Serv. Saúde 2013; 22(1):7-8.

Germani F, Biller-Andorno N. The anti-vaccination infodemic on social media: A behavioral analysis. PLoS ONE 2021; 16(3):e0247642.

Mizuta AH, Succi GM, Montalli Victor AM, Succi RCM. Percepções acerca da importância das vacinas e da recusa vacinal numa escola de medicina. Rev. paul. pediatr. 2019; 37(1):34-40.

Galli LM, Modesto JG. A Influência das Crenças Conspiratórias e Orientação Política na Vacinação. Revista de Psicologia da IMED, Passo Fundo 2021; 13(1):179-193.

Ministério da Saúde (BR). DATASUS. Imunizações, TABNET-Coberturas: Bahia [Internet]. 2019. [acesso em 12 dez 2020]. Disponível em: https://datasus.gov.br.

Negri BK. Imunização: uma abordagem pedagógica para a saúde preventiva. In: Anais do VII Congresso Nacional de Educação 2015 [out 26-29]. Curitiba: Educere. 2015. p. 8540-51.

Cardoso MHCDA, Gomes R. Representações sociais e história: referenciais teórico-metodológicos para o campo da saúde coletiva. Cad. Saúde Pública 2000; 16(2):499-506.

Ribeiro LP, Rocha MIA. História, abordagens, métodos e perspectivas da teoria das representações sociais. Psicol. soc. 2015; 28(2): 28(2), 407-409.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (BR). Panorama de Senhor do Bonfim. Censo 2010 [Internet]. Rio de Janeiro: IBGE. [acesso em 5 abr 2020]. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/brasil/ba/senhor-do-bonfim/panorama.

Camargo BV, Justo AM. Tutorial para uso do software IRAMUTEQ: Interface de R pour les Analyses Multi dimensionnelles de Textes et de Questionnaires) [Internet]. Florianópolis; Laboratório de Psicologia Social da Comunicação e Cognição, UFSC; 2018. [acesso em 22 nov 2020]. Disponível em: http://iramuteq.org/documentation/fichiers/tutoriel-portugais-22-11-2018.

Sá CP. Teoria e pesquisa do núcleo central das representações sociais. In: Sá CP, organizador. Estudos de psicologia social: história, comportamento, representações e memória. Rio de Janeiro: EdUERJ; 2015. p. 209-26.

Moscovici S. Representações sociais: investigações em psicologia social. 10th ed. Petrópolis: Vozes; 2013.

Ministério da mulher, da família e dos direitos humanos (BR). Estatuto da criança e do Adolescente: Lei n. º 8.069, de 13 de junho de 1990 [Internet]. 2019. [acesso em 13 dez 2020]. Disponível em: https://www.gov.br/mdh/pt-br/centrais-de-conteudo/crianca-e-adolescente/estatuto-da-crianca-e-do-adolescente-versao-2019.pdf.

Silva FDS, Queiroz RCDS, Branco MDRFC, Simões VMF, Barbosa YC, Rodrigues MAFRDA, Silva AAMD. Bolsa Familia program and incomplete childhood vaccination in two Brazilian cohorts. Rev. Saúde Pública. 2020(54):54-98.

Sardy R, Ecochard R, Lasserre E, Dubois JP, Floret D, Letrilliart L. Représentations sociales de la vaccination chez les patients et les médecins généralistes: une étude basée sur l’évocation hiérarchisée. Santé Publique 2012; 24(6):547-60.

Magalhaes EFD, Beraldo CL, Vieira ALP, Mendonça PA, Teixeira DV, Rocha EA et. al. Análise da prevalência de vírus respiratórios em crianças atendidas em um hospital universitário do sul de Minas Gerais. Rev Med Minas Gerais 2017; 26:e1828.

Duarte DC, Oliveira VCD, Guimarães EADA, Viegas SMDF. Acesso à vacinação na Atenção Primária na voz do usuário: sentidos e sentimentos frente ao atendimento. Esc. Anna Nery 2019; 23(1):e20180250.

Arruda A. Novos significados da saúde e as representações sociais. In: Sousa CP, Ens RT, Villas Bôas L, Novaes AO, Stanich KAB, editores. Angela Arruda e as representações sociais: estudos selecionados. Curitiba: Champagnat; 2014. p. 315-26.

Marques FC, De Oliva VL, Sampaio CA. A dor necessária da vacinação: percepções de familiares. REAID 2019; 89(27):e59.

Fontes VS, Ribeiro CJN, Dantas RAN, Ribeiro MDCDO. Estratégias para alívio da dor durante a imunização. BrJP 2018; 1(3):270-3.

Arruda CAM, Bosi MLM. Satisfação de usuários da atenção primária à saúde: um estudo qualitativo no Nordeste do Brasil. Interface 2016; 21(61):321-32.

Sato APS. Qual a importância da hesitação vacinal na queda das coberturas vacinais no Brasil? Rev. Saúde Pública 2018; 52:96.

Moura ADA, Braga AVL, Carneiro AKB, Alves ECS, Bastos CMM, Nunes IH, Teixeira, AMDS. Monitoramento Rápido de Vacinação na prevenção do sarampo no estado do Ceará, em 2015. Epidemiol. serv. saúde 2018; 27(2): e2016380.

Confederação Nacional de Municípios (BR). Estudo Técnico. Pesquisa CNM - Covid-19 - Edição 16 (05 a 08/07/2021). Dados por UF [Internet]. Brasília: CNM; 2021; [acesso em 10 jul 2021]. Disponível em: https://www.cnm.org.br/cms/biblioteca/Relato%CC%81rio_pesquisa_Relampago_Ed_16%20-%20UF%20e%20Gr%C3%A1ficos.pdf.

Succi RCDM. Vaccine refusal: what we need to know. J Pediatr 2018; 94(6):574-81.

Vasconcelos LA, Borges EL, Souza DN, Gama dos Santos JN, Vaz HJ. Cobertura vacinal do sarampo e sua associação com os casos novos da doença no Estado do Pará, Brasil. Rev. Saúde Col. UEFS. 2021; 11(1):e5609.

Almeida ÂMO, Santos MFS, Trindade ZA. Teoria das Representações Sociais: 50 anos. Brasília: Technopolitik; 2019.

Downloads

Publicado

2022-04-21

Como Citar

Borges da Silva, F. L., Nascimento, R. de C. D. . ., Suto, C. S. S., Lima Costa, L. E., Oliveira Trindade Machado, F. ., & Almeida, E. do S. . (2022). Representações sociais de acadêmicas de pedagogia sobre vacinação: Social representations of pedagogy students on vaccination. Revista De Saúde Coletiva Da UEFS, 12(1). https://doi.org/10.13102/rscdauefs.v12i1.7362