A RELAÇÃO TRABALHISTA DE COOPEATIVAS DE ECONOMIA SOLIDÁRIA E A FORMAÇÃO DE LEDERANÇAS DENTRO DOS GRUPOS

Maria Luiza Souza Mendes de Araujo

Resumo


Diante da conjuntura econômica e social brasileira, a economia popular e solidária pode ser tratada como uma saída plausível para as pessoas que acabam sofrendo os efeitos com a crise no modo de produção capitalista, principalmente com o quadro de demissão que assolam diversas empresas. Por isso, busca-se estudar as relações de trabalho que se constrói dentro desta nova forma de se organizar, para se perceber qual a dificuldade trazida pelos grupos diante das outras experiências que dificultam ou facilitam a adaptação deles a esta nova organização.

Texto completo:

PDF

Referências


SINGER, Paul. Introdução à economia solidária. São Paulo: Perseu Abramo, 2002.

NELSON, Rocco Antonio Rangel Rosso. Das cooperativas de trabalho: instrumento usado na dissimulação da relação de emprego e consequente alijamento dos direitos sociais. Revista de Direito do Trabalho, São Paulo, v. 39, n. 153, p. 73-90, set./out. 2013.

VERONESE, Marília Veríssimo. A Economia Solidária e a Formação de Lideranças Democráticas. Revista Diálogo. Nº 18. 29/09/2011.

VERONESE, Marília Veríssimo. SCHOLZ, Robinson. A difícil construção da liderança solidária compartilhada. Século XXI, Revista de Ciências Sociais, v.3, nº 2, p.41-64, jul/dez.2013.

SCHOLZ, Robinson Henrique. VERONESE, Marília Veríssimo. Liderança na Economia Solidária: O caso da Cooperativa Metalúrgica Cooperei. ESAC – Economia Solidária e Ação Cooperativa. Julho/Dezembro de 2007.

PAULI, J. BENDER, N. ZANELLA, W. Perfil de Liderança Solidária em Empreendimentos de Economia Solidária. PERSPECTIVA, Erechim. v.37, n.138, p.93-104, junho/2013.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.