A CONSTRUÇÃO DISCURSIVA DO CORPO FEMININO NA REVISTA JORNAL DAS MOÇAS DA DÉCADA DE 50

Lara da Silva Cardoso

Resumo


O Brasil nos Anos Dourados, período que vai de 1945 a 1964, passou por importantes mudanças. A ampliação do poder estatal, o avanço na industrialização e a criação do salário mínimo impulsionaram o consumo e o poder econômico dos brasileiros. A influência da cultura norte-americana trouxe inspirações sobre liberdade e comportamento aos jovens da época, que desejam viver o “American way of life”. Apesar desse grande crescimento econômico e industrial, no que diz respeito aos valores e concepções de família e papéis de gênero, a sociedade brasileira tentou manter suas concepções intactas.
A mulher, na década de 50 teve sua educação mais valorizada e houve o surgimento de maiores oportunidades de emprego para o sexo feminino. Entretanto, ainda assim, as mulheres eram vistas a partir das concepções arraigadas, das décadas anteriores, de dedicação ao lar e aos filhos. Segundo Pinsky (2014, p. 18)
“A família conjugal é o modelo dominante. Nas casas de classe média, as famílias são de fato tipicamente compostas por pai, mãe e filhos(...). A autoridade máxima ainda é conferida ao pai, ‘o chefe da casa’, e garantida pela legislação que reconhece o trabalho masculino como a principal fonte de recursos da unidade doméstica. As leis também enfatizam a imagem da mulher exclusiva ou prioritariamente dedicada ao lar e à procriação”.
O contexto de modernização pelo qual passava o Brasil ajudou alguns veículos midiáticos, tais como a revista e o rádio, a se tornarem meios de comunicação de massa e a propagarem as concepções da época sobre a constituição da sociedade brasileira. Às mulheres eram produzidas revistas exclusivas, denominadas de revistas femininas, que abordavam assuntos considerados na época de interesse feminino, segundo o padrão de sociedade dos anos 50.
A revista Jornal das Moças foi um periódico bastante aclamado pelo público ao qual se dirigia às mulheres, alcançando o primeiro lugar entre as revistas femininas semanais no período referido (PINSKY, 2014). Autointitulado como “a revista da mulher no lar e na sociedade”, o Jornal das Moças abordava diversos assuntos referentes ao universo feminino da época, como corte e costura, moda, dicas de relacionamento e beleza. Desse modo, essa revista torna-se importante fonte de pesquisa para compreender e analisar os discursos sobre o corpo feminino nos anos de 1950. Através do contato com os períodos referidos, este trabalho foi desenvolvido com o objetivo de Analisar os sentidos relacionados ao corpo feminino produzidos pela revista Jornal das Moças na década de 50 a partir da teoria francesa de Análise do Discurso.


Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.