REESCRAVIZAÇÃO DE CRIANÇAS INGÊNUAS EM FEIRA DE SANTANA, 1871 – 1885

Bruna Santana da Silva

Resumo


O presente trabalho apresenta pesquisa sobre táticas de reescravização de crianças ingênuas ao trabalho servil, em Feira de Santana, entre a promulgação da Lei 2040 de 28 de setembro de 1871, conhecida como Rio Branco (1871) ou do Ventre Livre – e o ano de 1885, quando registros sobre estes sujeitos começaram a rarear. Fazem parte de pesquisa de Bolsa de Iniciação Cientifica que objetiva investigar escrituras de compras e vendas de mães escravas com os seus filhos ingênuos; cartas de liberdade de escravas, em busca de indícios sobre o uso da mão de obra dessas crianças livres para o trabalho em práticas próximas ao cativeiro.
Nesta comunicação as fontes utilizadas são apenas dois processos de compra e venda de escravas da região do município de Feira de Santana, que trazem a especificidade de registrarem seus filhos ingênuos como parte da transação. São documentos disponíveis no Arquivo Público Municipal de Feira de Santana. Utilizo a bibliografia sobre o tema, com autores como Gicelle Alaniz, Maria Aparecida Papali, Milena Perussato. Para a Bahia, Ione Sousa (2006, 2008, 2015) e Giovanna Gusmão (2016).


Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.