O ESTADO DA ARTE SOBRE AS INVESTIGAÇÕES PRODUZIDAS PELOS ESTAGIÁRIOS DE GEOGRAFIA NO PERÍODO DE 2011.1 A 2013.2

Edileusa da Silva Amaral

Resumo


A presente pesquisa é o resultado de um estudo realizado com quarenta e nove (42) artigos de conclusão de Estágio Supervisionado do curso de licenciatura em Geografia da Universidade Estadual de Feira de Santana no período de 2011.1 a 2013.2. A educação escolar é uma das grandes responsáveis pela transformação e desenvolvimento social, e nesse contexto o desenvolvimento de pesquisas na educação é de grande relevância para melhoria do sistema educacional de uma nação. O componente curricular de Estágio Supervisionado em licenciatura da Universidade Estadual de Feira de Santana é feito em 400 horas, divididas em quatro disciplinas de 100 horas/aula cada: EDU 334- Estágio Supervisionado em Geografia I, EDU 335- Estágio Supervisionado em Geografia II, EDU 336- Estágio Supervisionado em Geografia III e EDU 337- Estágio Supervisionado em Geografia IV.No Estágio Supervisionado em Geografia I, é a observação onde aluno estagiário visita uma escola e procura conhecer toda a dinâmica do seu cotidiano: O espaço físico, suas dependências, ás áreas de lazer, esportes, observa a movimentação dos alunos, as conversas nos intervalos, as brincadeiras, a hora do recreio, a atuação da coordenadora do colégio, as movimentações dos alunos nos corredores, a quadra esportiva e as salas de aula. A atuação da professora tentando manter os alunos acomodados e em silêncio para que a aula fosse ministrada etc. O Estágio Supervisionado em Geografia II de coparticipação, o aluno já participa de algumas atividades em sala com o professor regente. O Estágio Supervisionado em Geografia III, de regência, o aluno estagiário assume uma turma por uma unidade ou se necessário duas, porém, com a supervisão do professor regente. É nessa fase que este futuro professor conhece a realidade da profissão de professor de fato. Pimenta & Lima, (2004). O exercício de qualquer profissão é prático, no sentido de que se trata de aprender a fazer “algo” ou “ação”. A profissão de professor também é prática. E o modo de aprender a profissão, conforme a perspectiva da imitação, reprodução e, às vezes, reelaboração dos modelos existentes na prática consagradas como bons. O estágio, também, por meio da pesquisa e investigação abre possibilidades para o futuro professor compreender as situações vivenciadas e observadas nas escolas e seus respectivos sistemas de ensino, formando assim professores críticos-reflexivos e pesquisadores. Nessa perspectiva, os cursos de formação, por meio do estágio, devem valorizar as atividades que desenvolvem capacidades e habilidades de diálogo, reflexão, pesquisa, investigação e análises críticas dos contextos educativos. Sendo assim, o estágio surge como um processo fundamental na formação do aluno estagiário. Este é um momento de formação em que o graduando pode vivenciar experiências, conhecer melhor sua futura área de atuação, de tal modo que sua formação se torna mais significativa. No entendimento de Ghedin (2015), o estágio enquanto momento de articulação teoria-prática é formador de dimensão científica /técnica, política, ética e estética do futuro professor. A dinâmica de um ambiente escolar é rica em informações que pode despertar interesse para investigação. Investir em pesquisa, é incentivar novas formas de ensinar e aproximar o aluno para novas perspectivas de mudanças, inovações e melhorias na educação (GHEDIN, 2015).
Compreende-se que é nesse tempo/espaço que o professor em formação constrói sua
identidade profissional. Nesse sentido, o estágio constitui-se numa formação que é de
natureza ontológica, isto é, compõe o que será o professor identidade profissional.


Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.