NARRATIVAS AUTOBIOGRÁFICAS SOBRE O LUGAR: SIGNIFICAÇÃO E CONSTRUÇÃO DE SABERES, VIVÊNCIAS E AFETIVIDADES DE ALUNOS DA EDUCAÇÃO BÁSICA DE FEIRA DE SANTANA – BA.

Jaqueline de Jesus de Lemos

Resumo


Esta pesquisa teve por finalidade em compreender como o conceito de lugar é formado
pelos os alunos do 6º ano do ensino fundamental II da educação básica das escolas públicas
de Feira de Santana, a partir da utilização das narrativas autobiográficas como um instrumento
pedagógico para reconhecer como esses sujeitos desenvolvem as suas relações sócio-espaciais
e se constroem o conceito de lugar a partir das suas vivências.As narrativas autobiográficas
são entendidas como o método que procura entender como os sujeitos se compreende,
individual e socioculturalmente. Deste modo, atividades de intervenção foram desenvolvidas
em uma escola publica de Feira de Santana que atende do 6º ao 9º ano do ensino fundamental
II, com a faixa etária de 10 a 15 anos de idade, e se destaca por realizar a educação inclusiva.
Foram realizadas duas intervenções em turmas do 6º ano em períodos diferentes, pois
os resultados alcançados na primeira intervenção não foram suficientes para alcançar os
objetivos da pesquisa.Sendo assim, as duas intervenções foram desenvolvidas junto o plano
de trabalho, intitulado “Olhares fotográficos, mediações e expressões do Lugar:
experimentações com alunos do ensino básico de Feira de Santana- BA.”. Nas duas turmas
observadas aplicou-se um questionário sócio cultural e foram produziram narrativas
autobiográficas.
A primeira intervenção aconteceu entre os meses de novembro e dezembro de 2016, a
turma é composta por 20 alunos com a faixa de 11 a 15 anos, sendo que, dois alunos são
portadores de necessidades especiais: um aluno com síndrome de Down e uma aluna com
paralisia cerebral, por esse motivo, as atividades para eles tiveram que ser diferenciadas,
porém, apenas o aluno com Down conseguiu realizar essa atividade e no lugar do texto escrito
ele desenhou o que foi proposto com o auxílio da mediadora. Vale destacar que, essa turma
por estar finalizando o terceiro ciclo já tinha estudado no ciclo anterior a categoria de análise
geográfica lugar.
Na segunda etapa, foi levada uma apresentação no qual mostrava conceitos sobre lugar
na visão dos autores: Carlos (1995) e de Tuan (1983), e algumas fotografias sobre diversos
lugares e também de Feira de Santana. A partir desta discussão foi solicitada para os alunos a
elaboração de um texto chamado de “meu lugar”, no qual, eles contariam o que seria o seu
lugar e quais as suas relações com esses lugares narrados nos textos, vale lembrar que, esses
textos foram totalmente livres e são chamados de autobiográficos por dar conta das suas
vivências. Já, na última etapa foi destinada à apresentação do painel com os textos e também
das fotografias da intervenção da outra bolsista, nesse momento, os alunos tiveram a chance
de falar o que realmente estavam representados nos textos e nas fotos, e aproveitaram a
ocasião para fazer uma reflexão do que tinha sido trabalhado na intervenção.
A segunda intervenção ocorreu nosmeses de maio e junho de 2017, a turma possui 17
alunos, com a faixa etária entre 11 a 14 anos e nesta turma também encontrou-se uma aluna
portadora de necessidades especiais (com síndrome de Down e um pequeno grau de autismo),
a mesma participou da atividade proposta, ao invés de escrever o texto ela também desenhou
o que representaria o seu lugar, a exemplo do aluno da primeira intervenção. Essa turma não
havia estudado o conceito de lugar, pois ainda estava no primeiro ciclo letivo. Foram
realizadas as mesmas etapas com a primeira turma, diferenciando-se pela apresentação de um
vídeo de um morador de Feira de Santana que conta a sua relação com a cidade e com o bairro
em quem mora.


Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.