A PRODUÇÃO ACADÊMICA SOBRE POLÍTICAS EDUCACIONAIS PARA A ALFABETIZAÇÃO NO BRASIL (2000-2005)

Rebeca Caribé de Santana

Resumo


Vários autores e especialistas (MORTATTI e OLIVEIRA, 2014; MORTATTI e FRADE, 2014; SOARES, 1985, 1989, 2000; ESPÓSITO, 1992; GOMES, 2013) identificaram um histórico de fracasso acerca da alfabetização no Brasil. As produções acadêmicas têm inspirado propostas didáticas, procedimentos, princípios de organização e utilização de livros didáticos para alfabetização, bem como a formação do professor alfabetizador e etc. Entretanto, embora exista registrado no banco de teses e dissertações da Capes mais de 444 trabalhos sobre alfabetização no Brasil, somente no período de 2000 a 2010, os problemas relacionados à esse fenômeno persistem no país.
O projeto Questões epistemológicas e metodológicas da produção acadêmica em políticas educacionais no Brasil(20002010), pesquisa financiada pelo CNPq/CAPES, do qual este trabalho é parte, objetiva analisar “as características epistemológicas e metodológicas de teses e dissertações sobre políticas educacionais produzidas no período de 2000 a 2010 nos programas de pós-graduação em educação e identificar as principais tendências dessa produção, indicando possíveis contribuições e lacunas em relação às perspectivas de constituição do campo de estudo em políticas educacionais” e tem por base uma pesquisa anterior que organizou um banco de dados com 1.305 teses e dissertações coletadas no banco de teses da CAPES.
Neste banco de dados, apresenta-se nove eixos temáticos que abrangem a discussão sobre políticas públicas educacionais: 1 Organização da educação, planejamento da educação, administração da educação, gestão da educação; 2 Avaliação em larga escala e avaliação institucional; 3 - Qualidade da educação,
qualidade de ensino; 4 Reformas
educacionais, neoliberalismo na educação, terceiro
setor e organizações sociais na educação, Estado e reformas educacionais, análise e
avaliação de políticas educacionais; 5 Políticas
de Formação de professor, carreira
docente; 6 Financiamento
da educação, controle social do financiamento da educação;
7 Abordagens teórico metodológicas em pesquisas sobre políticas educacionais; 8 Análise
e
avaliação de Programas e projetos no campo educacional; 9 Políticas
inclusivas.
Entretanto, três destes nove eixos organizativos comtemplam trabalhos que
discutem políticas públicas voltadas à alfabetização, que são os eixos de número quatro,
cinco e oito. Foi encontrado no levantamento um total de dez teses e dissertações sobre
políticas educacionais brasileiras de alfabetização, defendidas no período considerado de
2000 a 2005, quando procurado os seguintes descritores: alfabetização; leitura e escrita;
práticas alfabetizadoras. Os termos são encontrados ora no resumo do trabalho, ora nas
palavras-chaves das teses e dissertações.
A presente pesquisa objetiva caracterizar as teses e dissertações encontradas,
bem como identificar tendências dessa produção em relação às perspectivas da
constituição do campo de estudo em políticas educacionais para alfabetização. É digno
de nota pontuar aqui a existência de alguns trabalhos sobre a produção do
conhecimento, por meio de pesquisas do tipo “estado do conhecimento”, no campo da
alfabetização no Brasil, tais como as de Soares (1989) e Soares e Maciel (2000),
Espósito (1992), Mortatti (2003, 2012, 2014) e Maciel (2014).
Os referidos autores explicitam as lacunas no âmbito da própria pesquisa, dentre
essas, a análise de temas e de referentes teórico
metodológicos dos trabalhos identificados. Notase
nos trabalhos acima citados que não
aparecem análises específicas que tratam da produção do conhecimento no âmbito das
políticas brasileiras sobre a alfabetização, justificando o presente estudo. Além disso, foi
construído um banco de dados específico a fim de subsidiar outros estudos
e acrescentar elementos ao debate mais amplo.


Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.