EVIDÊNCIA CIENTÍFICA DOS MÉTODOS DE APLICAÇÃO DE GÉIS FLUORETADOS: UMA REVISÃO INTEGRATIVA

Silvia Letícia Sena Ferreira

Resumo


A cárie dentária acomete indivíduos de todas as faixas etárias e níveis socioeconômicos, sendo a enfermidade de maior prevalência na cavidade bucal, é considerada um dos principais agravos em Saúde Pública no Brasil. É uma doença crônica que acarreta a desmineralização da superfície dental por meio da produção de ácidos pelas bactérias (LEAL et al., 2015). Com a finalidade de diminuir a incidência desta doença e controlar o agravamento das lesões de cárie, realizando-se a paralisação das lesões iniciais, tem-se a utilização do flúor (SALAZAR, 2008). A fluoretação tópica na forma de géis, dentifrícios, soluções e vernizes tem sido empregada por várias décadas (LIRA et al., 2013). Com toda essa variedade de métodos e com diferentes concentrações, a utilização de mais de um dos mesmos torna-se preocupante, principalmente quando a aplicação é feita em crianças de zero a seis anos de idade, uma vez que é nesse período que há a formação dos dentes permanentes e há risco de ocorrência de fluorose dentária, que ocorre a partir da ingestão constante de pequenas quantidades de flúor durante a formação do germe dentário (ALMEIDA et al., 2007).
Os géis fluoretados são de uso profissional em ambiente clínico, podendo ser aplicados de várias maneiras: com o auxílio de moldeiras, escovas dentais, cotonetes, dentre outras. As moldeiras se apresentam como um bom método para aplicação tópica de flúor por ser de fácil uso, porém, não se consegue o controle da deglutição pelas crianças. O emprego de cotonetes apresenta desvantagens: a falta de adesão do material ao instrumento, podendo ser facilmente deglutido; o produto não consegue atingir as faces interproximais dos dentes; mais tempo para aplicação, pois deve ser feita em uma hemi-arcada de cada vez. Quando aplicado com o auxílio da escova de dente, o uso dos géis fluoretados deve ser supervisionado por um profissional, pois, há grande chance de deglutição pela criança. Portanto, o Cirurgião-dentista deve avaliar as características individuais de cada paciente para escolher dentre os métodos de aplicações tópicas (DIAS, 2009).
Com o advento da Odontologia Baseada em Evidências, a escolha de uma prática clínica em detrimento de outra, faz-se a partir de estudos que tenham melhor nível de evidência. Desta forma, diante das controvérsias no que diz respeito ao método de aplicação tópica de flúor gel, faz-se necessário a investigação do nível de evidência dos estudos publicados nesta área. O uso de uma metodologia tipo revisão integrativa fornecerá o conhecimento mais abrangente de um fenômeno específico a partir do agrupamento de resultados de pesquisas primárias (COOPER, 1982).


Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.13102/semic.v0i21.2576

Apontamentos

  • Não há apontamentos.