CONHECIMENTO DOS CIRURGIÕES-DENTISTAS DA REDE DE SAÚDE PÚBLICA DE FEIRA DE SANTANA SOBRE DOENÇA FALCIFORME

Patrícia Camila Souza Silva

Resumo


termo Doença Falciforme (DF) engloba um grupo de anemias hemolíticas hereditárias que têm em comum a presença de hemoglobina S dentro da hemácia e representa a enfermidade hereditária mais prevalente no mundo (FERNANDES, 2016). Nesse grupo, destaca-se a Anemia Falciforme (AF), que apresenta importância clínica, hematológica, bioquímica e epidemiológica e que devido à sua morbidade e alto índice de mortalidade, tem sido apontada como uma questão de saúde pública (FREITAS, 2018). A falcização das hemácias ocasiona encurtamento da vida média dos glóbulos vermelhos, fenômenos de vaso-oclusão e episódios de dor e lesão de órgãos, incluindo o sistema estomatognático e suas estruturas anexas (DANTAS; SANCHEZ, 2016). A ocorrência de vaso-oclusões, principalmente em pequenos vasos, representa o evento fisiopatológico determinante na origem da maioria dos sinais e sintomas presentes no quadro clínico dos pacientes com doença falciforme, tais como as crises álgicas, úlceras de membros inferiores, síndrome torácica aguda (STA), sequestro esplênico, priapismo, necrose asséptica do fêmur, acidente vascular encefálico (AVE), entre outros (ASNANI; REID, 2015).
Feira de Santana é a segunda maior cidade da Bahia com casos de Doença Falciforme, cuja distribuição espacial, segundo trabalho publicado por Alves em 2012, ocorre da seguinte forma: as maiores frequências foram para as localidades do Tomba 12.6%, Campo Limpo 9%, Humildes 5.8%, Jaíba 4% e Matinha com 3.6%. Na distribuição, oriundas da sede do município, segundo bairro e média de idade; as maiores frequências foram para os bairros do Tomba, 15.5% ( de idade = 19.9) e Campo Limpo, 11% ( de idade = 20.4). Dentre as localidades da área rural, as maiores frequências foram para os Distritos de Humildes 31% ( de idade = 21.1), Jaiba 21.4% ( de idade = 13.2) e Matinha 19% ( de idade = 17.5).
O indivíduo portador de Doença Falciforme merece cuidados especiais durante toda vida, em virtude de possíveis comprometimentos em órgãos vitais. Esta desordem apresenta manifestações e complicações bucais que devem ser reconhecidas pelo cirurgião-dentista, para a escolha da conduta adequada nos cuidados com a saúde bucal. Diante do exposto o objetivo geral dessa pesquisa é avaliar o conhecimento sobre Doença Falciforme dos cirurgiões-dentistas que atuam nas Unidades de Saúde da Família na rede de atenção à saúde do município de Feira de Santana.


Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.