ESTUDO DA PREVALÊNCIA DE LESÕES CENTRAIS DOS MAXILARES DIAGNOSTICADAS NO LABORATÓRIO DE PATOLOGIA BUCAL DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA, NO PERÍODO DE 2006 A 2017

Rafael Cabral de Albuquerque Souza

Resumo


De forma resumida, as patologias que podem ser encontradas no sistema
estomatognático são divididas em dois grandes grupos: as lesões periféricas e as lesões
centrais (NEVILLE et al., 2009). As lesões periféricas são entendidas por lesões que se
encontram fora das corticais ósseas (MENDEZ et al., 2012). Já as lesões centrais se
encontram dentro das corticais ósseas e incluem os cistos odontogênicos e não
odontogênicos, os tumores odontogênicos e não odontogênicos e as lesões associadas ao
osso (NEVILLE et al., 2009). As lesões centrais dos maxilares possuem em seu
diagnóstico um elevado grau de dificuldade, uma vez que a maioria costuma ser
assintomática e de crescimento lento e, em muitas situações, é observada por meio de
exames radiográficos de rotina, a exemplo da radiografia panorâmica solicitada em uma
documentação para planejamento ortodôntico (DE CARVALHO; PEDREIRA, 2016).
Dentre os grupos de lesões centrais com maior frequência de acometimento nos
maxilares, podem ser citados: 1 – cistos odontogênicos e não-odontogênicos, como o
cisto radicular, dentígero e nasopalatino; 2 – tumores odontogênicos e não
odontogênicos, como o odontoma, ameloblastoma e osteoma e 3 – as lesões associadas
ao osso – como as displasias fibro-ósseas, cemento-ósseas e o fibroma ossificante
central (PEREIRA et al., 2010). A quantidade de estudos voltados à epidemiologia das
lesões bucais é baixa quando comparada aos que se direcionam a cárie e a doença
periodontal, ainda que a Organização Mundial de Saúde os preconize. As diretrizes
brasileiras da Política Nacional de Saúde Bucal não têm inserido no seu programa o
rastreamento de alterações de normalidade e de lesões do sistema estomatognático, tão
importante para o desenvolvimento de um perfil epidemiológico do país (DE MELO et
al., 2013).


Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.13102/semic.v0i22.3879

Apontamentos

  • Não há apontamentos.