CINTILOGRAFIA COM DMSA NO DIAGNÓSTICO DO REFLUXO VESICOURETERAL EM CRIANÇAS COM INFECÇÃO FEBRIL DO TRATO URINÁRIO: METANÁLISE

Ueslei Menezes de Araujo Pereira

Resumo


A infecção do trato urinário (ITU) é a infecção bacteriana mais comum em crianças febris menores de 2 anos de idade (WALD, 2004). Em lactentes, existe maior potencial de dano renal do que em crianças mais velhas (MANTADAKIS; MONTINI, 2011).
Em muitos casos, está associada às anormalidades do trato urinário, a exemplo, principalmente, do refluxo vesicoureteral (RVU) que é anormalidade mais comum na população pediátrica (BERROCAL et al., 2001).
O refluxo facilita o transporte de urina infectada da bexiga para o rim, levando ao desenvolvimento de pielonefrite (MANTADAKIS, 2011).
Estudos recentes demonstram que antibioticoprofilaxia é benéfica aos pacientes com RVU, principalmente nos de alto grau (BESSA JUNIOR et al, 2015), demonstrando a necessidade de diagnóstico precoce.
Não existe um protocolo ideal aplicável consensualmente a todas as crianças com ITU febril para pesquisa de refluxo. Protocolos mais aceitos dado a maior sensibilidade são centrados na uretrocistografia que é uma técnica amplamente reprodutível e disponível, mas que se trata de exame invasivo, requer cateterização uretral, associa-se a desconforto e ansiedade para o paciente e sua família, além de mais onerosos, e com significativa exposição à radiação ionizante.
Enquanto essa abordagem ainda é recomendada por muitos, protocolos alternativos, menos invasivos, mas com aceitável sensibilidade e especificidade têm sido propostos.
Um método diagnóstico alternativo é a cintilografia cortical renal com ácido dimercaptosuccínico-tecnécio-99m (DMSA) que é o exame de escolha para a detecção de pielonefrite aguda e cicatriz renal, com papel bem estabelecido como marcador prognóstico no seguimento das crianças com ITU febril. A cintilografia possui a vantagem de detectar o envolvimento renal, assim como a vulnerabilidade renal a novas lesões (PRASAD, 2011). Recentemente, o uso da cintilografia com DMSA tem sido proposto como alternativa a uretrocistografia restringindo a indicação da mesma somente quando a cintilografia demonstrasse cicatrizes renais (Top Down Approach).
A despeito dos estudos promissores e da razoável aceitação desta abordagem, nem todas as dúvidas foram dirimidas e a aplicação clínica do método ainda não foi totalmente definida na avaliação prospectiva de crianças com ITU febril. Até o momento não existe consenso na literatura sobre qual seria a melhor abordagem diagnóstica nestes casos.


Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.